1. Usuário
Assine o Estadão
assine
quinta-feira 17/07/14

Datafolha pós-Copa acende luz amarela para Dilma

Como está dentro da margem de erro da pesquisa, a oscilação negativa de Dilma Rousseff (PT) no Datafolha, de 38% para 36%, pode ser uma simples variação estatística, mas é um sinal amarelo para a campanha petista. Aliás, são vários sinais amarelos. O saldo de avaliação do governo Dilma caiu de 9 para 3 pontos em duas semanas. Tanto o ótimo/bom diminuiu 3 pontos quanto o ruim/péssimo subiu na mesma proporção. Além disso, os adversários estreitaram a diferença em relação à ...

Ler post
quinta-feira 03/07/14

Colômbia é 40% mais eficiente do que Brasil na Copa

Screen Shot 2014-07-03 at 21.33.47

José Roberto de Toledo Rodrigo Burgarelli do Estadão Dados Adversária do Brasil, a seleção da Colômbia é 40% mais eficiente do que a brasileira. Nesta Copa, os colombianos precisaram de apenas 16 minutos de posse bola para fazer um gol. Os brasileiros precisaram de 10 minutos a mais para conseguir marcar, em média. Isso se explica por dois motivos. A Colômbia tem o segundo melhor ataque da Copa, com 11 gols. O Brasil está três ...

Ler post
quinta-feira 03/07/14

Datafolha mostra Dilma de volta aos 38% e indica estabilidade

Screen Shot 2014-07-03 at 04.34.45

Nada indica que a intenção de voto da presidente Dilma Rousseff (PT) tenha crescido após o início da Copa do Mundo, assim como nada indicava que ela havia caído antes de o campeonato começar. A pesquisa anterior do Datafolha foi um ponto fora da curva - talvez porque foi feita em meio a uma série de greves e manifestações que alteraram o perfil de quem passa pelos pontos de fluxo usados ...

Ler post
sexta-feira 27/06/14

Na Copa, ter mais posse de bola é irrelevante

Screen Shot 2014-06-27 at 19.05.32

Uma construção adversativa comum no futebolês – “o time A mandou no jogo, mas perdeu” – não faz sentido. Não tem “mas”. Mais correto seria “mandou e perdeu”. Porque não há absolutamente nenhuma correlação entre “mandar no jogo” e ganhar a partida. Pelo menos na Copa do Mundo do Brasil.

Nos 48 jogos da primeira fase, o número de vitórias dos times que tiveram 54% ou mais da posse de bola, ou seja, “mandaram no jogo”, foi rigorosamente igual ao número de vitórias das seleções que “jogaram na retranca” (tiveram 46% ou menos de posse de bola): 16 cada uma. Outros 9 jogos terminaram empatados e em 7 partidas nenhum time mandou no jogo.

Implica dizer que não há vantagem estratégica em dominar a posse de bola como fazem as vitoriosas Argentina (61% do tempo de cada partida com a posse da bola, em média) e Alemanha (59%). Tanto é assim que essa foi a tática usada pelas eliminadas Espanha e Costa do Marfim: ambas dominaram seus jogos por 56% do tempo, em média. E foram mais cedo para casa.

Jogar a maior parte do tempo no seu próprio campo, “explorando os contra-ataques”, tampouco é uma desvantagem. Seleção mais bem colocada na fase de grupos, a Holanda (9 pontos, 7 gols de saldo e 10 gols marcados) foi a 28ª em posse de bola: comandou o jogo por apenas 44% do tempo a cada partida, em média. O mesmo fizeram as classificadas seleções dos EUA (42%), Grécia (44%), Costa Rica (45%), Colômbia (45%) e Uruguai (46%).

A desvinculação com o resultado não significa que os jogos de quem controla a bola sejam iguais aos de quem joga esperando o adversário no seu campo. Na verdade, são bem diferentes.

Os dominadores correm muito mais com a bola nos pés do que atrás dela. Tome-se a Alemanha, por exemplo. Ninguém corre mais com a bola do que os alemães: 48 km por partida, 10 km a mais do que costumam correr sem a bola. Já os uruguaios correm apenas 30 km dominando a bola, e 38 km tentando recuperá-la.

A maior posse de bola implica maior quantidade de passes curtos e médios. Já quem joga no contra-ataque costuma ter uma maior taxa de passes longos, como é o caso da Holanda e seus 87 lançamentos por partida. E isso não significa atacar pouco. Os “retranqueiros” holandeses foram a terceira seleção em chutes certos: 11 por partida. E os maiores artilheiros.

Ler post
sexta-feira 06/06/14

Média das pesquisas aponta estabilidade de presidenciáveis

Screen Shot 2014-06-06 at 07.29.44

A média Estadão Dados das pesquisas mostra uma tendência diferente do Datafolha. Em vez de queda da intenção de voto dos três principais presidenciáveis e crescimento dos eleitores sem candidato - como apontou o instituto nesta sexta-feira -, a ponderação dos levantamentos de todos os institutos indica que a corrida eleitoral entra no período da Copa do Mundo com uma razoável estabilidade na disputa. Dilma Rousseff (PT) oscilou de 37% ...

Ler post
segunda-feira 26/05/14

Pior é melhor para Aécio

Pensando nas últimas semanas, qual a história da eleição? Dilma Rousseff (PT) parou de cair e parece ter encontrado seu chão em 40%. Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) cresceram, para 20% e 11%, após aparecerem na TV. Converteram eleitores que antes prometiam votar nulo, em branco ou estavam indecisos. O que o passado conta serve para o futuro? É possível projetá-lo? Sim, desde que se aceite que as condições à frente serão as mesmas de trás. Mudanças na conjuntura ...

Ler post
segunda-feira 12/05/14

Fazendo média na eleição

Captura de tela 2014-05-12 10.15.48

Dilma Rousseff (PT) parou de cair? Aécio Neves (PSDB) cresceu, mas quanto? Eduardo Campos (PSB) estacionou? Qual o peso dos nanicos na eleição? Todas essas questões têm respostas diferentes, dependendo da pesquisa e do instituto. Para revelar as tendências por trás das oscilações estatísticas, metodológicas e de outras naturezas, melhor fazer uma média. É o que o Estadão Dados começa a calcular a partir desta semana. Em formato de gráfico, a média será atualizada a cada novo levantamento: blog.estadaodados.com. A esta ...

Ler post
sexta-feira 09/05/14

Dilma se aproxima da inelegibilidade no centro-sul do Brasil

A pesquisa Datafolha desta sexta-feira mostra a presidente Dilma Rousseff com saldo potencialmente negativo nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Nas três, as opiniões de que seu governo é ruim ou péssimo superam as avaliações de ótimo e bom em um ponto porcentual. Está dentro da margem de erro, mas é um limiar perigoso: o histórico mostra que governantes com mais eleitores críticos do que apoiadores são praticamente inelegíveis. O que salva a popularidade de Dilma é seu saldo amplamente positivo ...

Ler post
sexta-feira 09/05/14

Datafolha: branco e nulo vira voto na oposição

A mudança de cenário retratada pela pesquisa Datafolha nesta sexta-feira é muito mais consistente do que a esboçada pelo Sensus na semana passada. Não foi apenas Aécio Neves (PSDB) que cresceu, mas toda a oposição. Mais importante, os votos não foram uma transfusão direta de Dilma Rousseff (PT) para o tucano, mas saíram principalmente da coluna de brancos e nulos. A corrida eleitoral segue como esperado: o desejo de mudança que primeiro inflou o não-voto vai transformando, aos poucos, o descontentamento ...

Ler post
sexta-feira 02/05/14

Aécio aparece primeiro na cartela do Sensus

Captura de tela 2014-05-02 18.57.53

A pesquisa Sensus a ser divulgada neste sábado vai dar o que falar. Se não pelos seus números, ao menos pelos seus métodos. O instituto, que vinha trabalhando para o PSDB até pouco tempo atrás, foi criativo ao apresentar as perguntas aos eleitores. Em vez de mostrar ao eleitor um cartão circular com os nomes dos candidatos - para não privilegiar nenhum deles -, o instituto mineiro apresentou uma lista em ordem alfabética. Desse modo, o nome de Aécio Neves (PSDB) ...

Ler post
quarta-feira 30/04/14

Discurso de Dilma no 1º de Maio muda conforme os tempos

Dilma 2014

50 palavras mais repetidas por Dilma nos seus pronunciamentos do Dia do Trabalho   Em 2012, o discurso da presidente na TV durou pouco mais de 7 minutos. O foco era o desenvolvimento "das pessoas", equilibrar a economia e diminuir a taxa de juros:

.................................... Em 2013, pouco antes das manifestações em massa, o discurso presidencial ficou mais longo (12 minutos) e enfatizou a geração de emprego, a qualificação da mão-de-obra pela educação:

Ler post

terça-feira 29/04/14

MDA fotografa queda já vista de Dilma e empurra Aécio

Que Dilma Rousseff (PT) perdeu eleitores, Ibope e Datafolha já haviam mostrado em suas pesquisas de abril. A sondagem MDA/CNT não mostra uma nova queda da presidente. É o mesmo tombo, mas acaba contando dobrado (ou triplicado) porque a tradição no Brasil é não comparar pesquisas de institutos diferentes - algo tão lógico quanto não comparar a temperatura de um termômetro digital com o velho termômetro de mercúrio. O resultado é mais um fato negativo para a coleção de Dilma - ...

Ler post
segunda-feira 28/04/14

Os antitudo e a eleição

Partidários de Dilma Rousseff agarram-se a uma conta aritmética para brandir otimismo sobre sua reeleição: a soma das intenções de voto dos outros candidatos é uma fração do eleitorado da presidente. Conclusão aparentemente óbvia, Dilma não teria para quem perder. Mas há sempre a chance de perder para si mesma. Na pesquisa Ibope de abril, Dilma, mesmo em queda, marcou 37%, enquanto Aécio Neves (PSDB), Eduardo Campos (PSB) e os sete anões somaram apenas 25%. É a expressão do desconhecimento dos ...

Ler post
segunda-feira 21/04/14

A taxa mágica de cada um

E se existisse uma taxa mágica, capaz de prever o futuro de uma eleição? De passagem pelo Brasil no começo de fevereiro, Clifford Young, diretor-gerente do Ipsos, um dos maiores e melhores institutos do mundo, calculou em 85% as chances de Dilma Rousseff se reeleger presidente. Faltou dizer que a previsão tinha prazo de validade - e ele estava expirando. O que não lhe faltava era confiança, porém. Em abril de 2012, o Ipsos calculou os mesmos 85% de probabilidade de ...

Ler post
quinta-feira 17/04/14

“Volta, Lula” não é garantia de vitória para o PT

O "volta, Lula" não seria o passeio imaginado pelos petistas que não querem ver Dilma Rousseff disputando a própria reeleição. O Ibope testou um cenário com Luiz Inácio Lula da Silva no lugar de Dilma, enfrentando só Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB). O ex-presidente ficou com 42%, apenas três pontos a mais do que Dilma. Tampouco a vantagem de Lula sobre os rivais é muito maior: 19 pontos a mais do que a soma dos adversários, contra 15 ...

Ler post
quinta-feira 17/04/14

Popularidade de Dilma segue em queda e se aproxima de seu ponto mais baixo, mostra Ibope

DilmaIbope17abril

Fernando Gallo A avaliação do governo Dilma Rousseff segue em tendência de piora, com índices que beiram os patamares apresentados logo após as manifestações de junho. Pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira revela que a parcela dos brasileiros que considera a gestão ótima ou boa oscilou negativamente pela terceira vez no ano, passando de 36% em março para 34% em abril. Em dezembro, no pico da recuperação pós-protestos, a aprovação chegou a 43%. ...

Ler post
quinta-feira 17/04/14

Ibope: após perder popularidade, Dilma perde também eleitores

ibope-cenarios-17abr

José Roberto de Toledo ESTADÃO DADOS Após ver sua popularidade diminuir 9 pontos desde dezembro, a presidente Dilma Rousseff (PT) perdeu também eleitores. Pesquisa Ibope concluída esta semana mostra que a intenção de voto dela caiu em todos os cenários. Na hipótese mais provável, que inclui pré-candidatos dos pequenos partidos, Dilma foi de 40%, em março, para 37% em abril. No cenário em que enfrenta só dois rivais, a intenção de voto da ...

Ler post
segunda-feira 31/03/14

Quebrando o termômetro

Todo mundo que acha um governo ótimo ou bom declara voto no seu presidente; e todo mundo que vota no presidente aprova seu governo, certo? Errado, duplamente errado. No caso de Dilma Rousseff, 1 a cada 5 brasileiros que dão nota positiva à sua gestão não é seu eleitor; mas, para compensar, 1 a cada 4 eleitores seus vota nela mesmo achando seu governo só "regular". Como resultado, a intenção de voto em Dilma acaba sendo ligeiramente maior do que a ...

Ler post
quinta-feira 27/03/14

Pessimismo econômico derruba popularidade de Dilma ao “piso” pós-protestos

Dilma Ibope VALE

A oposição ganhou a primeira batalha das expectativas econômicas de 2014. Uma guinada negativa na percepção sobre a tendência do emprego, inflação, juros e impostos prevaleceu sobre o moderado otimismo que chegou a haver, brevemente, no final de 2013. O aumento do pessimismo sobre o que vai acontecer com a economia este ano explica a perda de popularidade de Dilma Rousseff (PT). Os 36% de ótimo e bom a que caiu o ...

Ler post