1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Um mês: América do Norte

Fabio Vendrame

20 maio 2014 | 03:40

AMÉRICA DO NORTE

Apesar de não ficarem tão distantes e de ser possível, sim, explorar alguns de seus atrativos em períodos mais curtos (até uma semana), os Estados Unidos e o Canadá têm potencial para viagens de um mês inteiro – e até mais. Afinal, extensão territorial é o que não falta.

Gôndola em Whistler, nas Montanhas Rochosas – Foto: Andy Clark/Reuters

Canadá de leste a oeste
Os brasileiros parecem concordar que o Canadá é um país para longas viagens. Segundo a Comissão de Turismo Canadense, nossa média de permanência por lá é de 19,4 noites. Com um mês disponível para viajar pelo país é possível ter contato com várias de suas facetas, desde as cidades com influências francesa e inglesa até as exuberantes Montanhas Rochosas e seus parques.

As províncias do Atlântico são ótimas para sentir a vibração da vida cultural e a variedade gastronômica. Gaste cerca de 15 dias por ali. Halifax é uma cidade de influência escocesa, ponto de partida para embarcar no trem The Ocean até Montreal, segunda maior cidade francófona do mundo (depois de Paris) e de longe a mais boêmia do Canadá, cheia de festivais na rua. Quebec City, também francesa, é a única cidade murada da América do Norte. Já Ottawa, a capital do Canadá, é tão inglesa que tem até troca de guarda no Parlamento. Dali, vale o passeio a Mont Tremblant.

Toronto é a cidade mais cosmopolita do país. De lá, vá ver as Cataratas do Niagara, antes de seguir de avião a Churchill, cidadezinha na província de Manitoba onde se assiste, entre o fim de novembro e o começo de maio, ao espetáculo da aurora boreal. Nos outros meses, baleias beluga e ursos polares justificam a visita.

A próxima parada, já na costa oeste, será Vancouver. Whistler, nas Montanhas Rochosas, pode ser vista num bate-volta, mas merece uma pernoite. Kelowna é base para visitar vinícolas. No Parque Nacional de Jasper, o passeio ao glaciar Columbia Icefields é indispensável. E, em Banff, você estará no coração das Montanhas Rochosas. Se quiser fazer compras, termine a viagem em Calgary ou Edmonton, na província de Alberta, que tem os menores impostos do Canadá.

Trecho São Paulo–Toronto–São Paulo na Air Canada desde US$ 1.030, em voo direto

São Francisco a Las Vegas
A Highway 1, rodovia costeira de cenários exuberantes que ajudou a tornar a Califórnia um mito para viajantes, é um dos roteiros de carro mais cobiçados do planeta – mas os brasileiros, quando vão até lá, em geral querem dar uma esticadinha a Las Vegas e aos parques naturais mais bonitos da região. É exatamente por isso que a viagem vale um mês. E ainda tem a vantagem de poder ser feita em qualquer época do ano.

São Francisco merece um mínimo de cinco dias inteiros. Antes de seguir pela costa rumo a Los Angeles, fique ao menos duas noites no Parque Yosemite – três é o mínimo para fazer trilhas. Rumo a Los Angeles, Monterey, Carmel e Santa Barbara são paradas que merecem visita (e as duas últimas, pernoite).

Los Angeles pede pelo menos cinco dias completos. Dali, voe a Flagstaff – caso queira ficar nos hotéis do Parque Nacional do Grand Canyon, reserve com pelo menos seis meses de antecedência. O Grand Canyon tem diversão para quatro dias. Dê uma passada e durma uma noite na linda Sedona antes de voar a Las Vegas, onde a viagem termina entre compras e diversão.

Voo de São Paulo a São Francisco, com retorno desde Las Vegas custa desde US$ 1.300 com a American Airlines