1. Usuário
Assine o Estadão
assine


No Canadá, um tapete de nuvens

Fabio Vendrame

11 março 2014 | 04:00

A partir da vila de Jasper, suba ao Monte Whistler’s para acompanhar o vaivém de montanhas no horizonte. No solo, as paisagens líricas incluem lagos, geleiras, cânions e vales

Fotos: Nathalia Molina/Estadão

Nathalia Molina / JASPER NATIONAL PARK
ESPECIAL PARA O ESTADO

O céu nublado prometia mais do que um dia de chuva. Era quase uma frustração anunciada. Com tantas nuvens, o bondinho que leva ao topo do Monte Whistler’s dificilmente mostraria um panorama das Montanhas Rochosas do Canadá. Assim mesmo, embarquei. Sete minutos depois, o que podia ser decepção se converteu em encanto.

A visão das cadeias montanhosas, da cidade de Jasper e do Rio Athabasca ficou prejudicada. Mas o Jasper Tramway, na província de Alberta, me levou às nuvens. Literalmente. Assim que o bondinho atravessou a massa nublada, um céu azul lindo apareceu, com sol brilhante de doer os olhos. O chão – na verdade, a uma altura de 2.500 metros – surgiu como um imenso tapete branco fofinho. Ao redor, picos e mais picos em sequência contornavam o cenário.

Em dias limpos, é possível ver a região num raio de até 80 quilômetros. Mesmo sobre nuvens, consegui avistar a ponta de gelo do Monte Robson, pico mais alto das Montanhas Rochosas. Localizada na vizinha Columbia Britânica, a montanha tem 3.954 metros, 207 a mais que a segunda em altura, o Monte Colúmbia, em Alberta.

VEJA MAIS:

De Harley-Davidson por cenários alucinantes

Em sintonia total com a natureza

Rolezinho de Segway nos parques de Alberta

Edmonton só quer saber de festa

As Montanhas Rochosas no Canadá se estendem entre essas duas províncias. Vão de Colúmbia Britânica, no oeste do país, a Alberta, onde fica o Jasper National Park, o maior na região, de natureza protegida e declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Descobrir montanhas e apreciar o sobe-e-desce de pedras no horizonte são belezas do passeio no Jasper Tramway. Isso fica claro já na chegada do bondinho ao terminal em cima do monte. Na varanda em torno da loja de souvenir, todas as línguas expressam entonações de entusiasmo. Esse sentimento se torna ainda mais forte após a caminhada tranquila até o topo do Monte Whistler’s, a 2.277 metros. É emocionante se sentir parte daquela paisagem grandiosa.
De volta ao terminal, antes da descida, uma passagem pela lanchonete. O programa terminou com um café debruçado sobre o vale. Integração total.

Aqui embaixo. A estação do bondinho fica bem perto da cidade de Jasper, assim como os lagos Patricia e Pyramid, a menos de meia hora de carro. Em dias de tempo quente, a região é muito procurada para pesca, piquenique e passeios de canoa ou a cavalo. Trilhas conectam os dois lagos. Como pano de fundo, vê-se o Monte Pyramid, com 2.766 metros.

O Jasper National Park é o parque nacional das Rochosas com relevo mais acidentado. Durante a subida para Jasper a partir de Edmonton, dá para observar esse aspecto de dentro do carro, mas especialmente de trem. Jasper é uma das paradas do The Canadian, trem da VIA Rail que liga Toronto a Vancouver, cortando o país em direção ao oeste. A chegada de trem a Jasper é o trecho mais espetacular do trajeto. Começa com pedras enormes quase raspando a janela do vagão e termina na charmosa cidade, dentro do parque.

Gigante, o Jasper National Park abrange uma área de 10.878 quilômetros quadrados. Criado em 1907, o parque reúne geleiras, cânions, montanhas, vales, lagos glaciais, áreas de campings e perto de 1 mil quilômetros de trilhas.

Possui ainda uma estância termal, Miette Hot Springs. Nas Rochosas, há termas também nos parques nacionais de Banff, em Alberta, e de Kootenay, na Colúmbia Britânica – o site hotsprings.ca traz informações sobre as três. A água de Miette Hot Springs, no Jasper National Park, é a mais quente: chega a 54 graus. Tem de ser resfriada até 4 graus para uso dos banhistas.

Miette Hot Springs abre da primavera ao outono. Vários serviços do parque, aliás, não funcionam no inverno. Alguns hotéis fecham, outros viram resorts para andar na neve (snowshoeing) ou esquiar. Quando o gelo derrete, as atividades passam a ser pedalada, canoagem e caminhada, por exemplo.

Para apreciar o contraste dos lagos de cor turquesa ou esmeralda com a vegetação e as montanhas de picos brancos, a melhor época para a viagem é a temporada de calor no Hemisfério Norte. Nesse período do ano, também é mais fácil ver animais próximos à estrada, como veados, ursos e alces.

Geleiras e cânions. A viagem pelas Montanhas Rochosas oferece experiências marcantes. Está ali uma das rodovias mais cênicas do mundo, a Icefields Parkway. A estrada de 230 quilômetros liga a cidade de Jasper a Lake Louise, em Banff.

Da Icefields Parkway é possível ver parte do Columbia Icefield, maior área de gelo ao sul do Alasca, com cerca de 325 quilômetros quadrados e profundidade de até 365 metros. Trata-se de uma aglomerado de várias geleiras – Athabasca Glacier é a mais famosa delas. O Columbia Icefield Centre fornece informações sobre as geleiras e organiza passeios.

Os rios North Saskatchewan e Athabasca nascem no Columbia Icefield. Entre as cachoeiras mais belas do Jasper National Park está a Athabasca Falls. Não é muito alta – a queda tem apenas 23 metros –, mas causa impacto pela força da água.

No Maligne Canyon, as cachoeiras que escorrem pelas paredes de pedra podem ser vistas a partir de passarelas e são bem conhecidas por virar um paredão de gelo no inverno. Para chegar até o cânion, é preciso fazer uma trilha a partir da Maligne Lake Drive, estrada que leva ao maior lago da região, com 22 metros de extensão.

Maligne Lake tem uma beleza lírica. De maio a outubro, dá para senti-la de perto no passeio de barco até Spirit Island, ilha que está entre os lugares mais fotografados do Canadá. Durante uma hora e meia, a embarcação navega por águas esverdeadas, entre enormes montanhas de pico nevado. A sensação é de paz intensa. Terminar a tarde com um chá no Maligne Lake Chalet combina perfeitamente com o clima do programa. Entre comidinhas e goles, a natureza pura pela janela. (VIAGEM A CONVITE DA COMISSÃO CANADENSE DE TURISMO)

  • SAIBA MAIS: 
  • Aéreo: São Paulo – Edmonton – São Paulo custa a partir de R$ 2.522 na United, R$ 2.538 na Delta e R$ 2.960 na Air Canada. Voos com conexão
  • Visto: é exigido para os viajantes brasileiros. Veja como obtê-lo no tinyurl.com/vistocan
  • Moeda: 1 dólar canadense (CAD) equivale a R$ 2,11
  • Melhor época: de junho a setembro as temperaturas são mais amenas no Hemisfério Norte. Durante o inverno, o agito na região fica por conta das estações de esqui