1. Usuário
Assine o Estadão
assine
sexta-feira 28/02/14

Dez destinos para celebrar o turismo brasileiro

Data ainda pouco difundida, 2 de março é o Dia Nacional do Turismo. De acordo com estudos do Ministério do Turismo, os dez destinos nacionais mais procurados por brasileiros e estrangeiros são, pela ordem: 1. São Paulo; 2. Rio de Janeiro; 3. Salvador; 4. Fortaleza; 5. Brasília; 6. Recife; 7. Natal; 8. Curitiba; 9. Florianópolis; 10. Belo Horizonte. Aqui no Viagem, tomamos a liberdade de eleger nosso próprio Top 10 para celebrar a data. Confira e opine: você concorda com a ...

Ler post
quinta-feira 27/02/14

Peluqueria, barbería ou hairdresser: pelas cadeiras de barbeiro do mundo

corte de cabelo - mexico1

 

Don Felipe faz seu trabalho em Mérida. Foto: Jaque Januzzi/Estadão
Ano após ano a vida foi sendo muito gentil comigo ao me levar para trabalhar – e muitas vezes passear, é verdade – em lugares incríveis. Por outro lado, o tempo não foi muito gentil com meus cabelos e há alguns anos tem se divertido em escasseá-los implacavelmente. Contudo, alguns fiéis guerreiros continuam na batalha, tanto em cima quanto na barba. De tempos em tempos, ...

Ler post
terça-feira 25/02/14

Depois da primavera

Grafites nos muros da Praça Tahir - Foto: Daniel Nunes Gonçalves

Os guias não oferecem de imediato, mas a Praça Tahir conquistou o posto de ponto de partida para se descobrir a capital – que abriga da efervescência jovem aos tesouros arqueológicos [caption id="attachment_7389" align="alignnone" width="614"] Grupo se diverte ao redor das pirâmides - Foto: Daniel Nunes Gonçalves[/caption] Daniel Nunes Gonçalves / ESPECIAL PARA O ESTADO / CAIRO O trânsito do Cairo ainda recebe os visitantes com seu caos peculiar, as pirâmides e a Esfinge ...

Ler post
terça-feira 25/02/14

Afinal, já está seguro?

Saqqara74OLHA

Ambulante com motivos nacionalistas – Foto: Daniel Nunes Gonçalves

Cenário: Daniel Nunes Gonçalves

É difícil responder a essa pergunta. Quando desembarquei no Cairo, em dezembro, quase 3 anos depois do desabrochar da Primavera Árabe, encontrei um país vivendo sua rotina normalmente, ansioso por estabilizar a economia e voltar a movimentar a indústria do turismo, principal fonte de renda para 16 milhões de egípcios.

Em quase duas semanas, não vi protestos. Mais de 20 governos tinham retirado as recomendações contrárias às viagens de seus cidadãos, segundo a Autoridade Egípcia para o Turismo, mas os turistas ainda eram escassos. O número de viajantes, 14,7 milhões em 2010, caiu para cerca de 700 mil em 2013; entre os brasileiros, foi de 30 mil para 12 mil.

Tudo parecia se recuperar bem até que, em 25 de janeiro deste ano, no aniversário da chamada Primeira Revolução, a da derrubada de Mubarak (a segunda é de 2013, que levou à queda de Mursi), milhares de pessoas voltaram às ruas do Cairo e se chocaram com a polícia em um conflito que deixou 49 mortos. Depois, a situação normalizou. Só Alá sabe até quando.

De concreto, posso dizer que meu grupo e eu fomos tratados quase como faraós, com todas as atenções e cuidados voltados a nós nas atrações, hotéis, lojas e restaurantes. Visitar a Praça Tahrir e seus murais de grafite foi um desejo dos turistas, e não algo organizado pelas agências . O tour pela Tahrir exige uma sondagem prévia para sentir o clima.

A opção mais segura e prazerosa, até em tempos sem conflitos, é seguir para as cidades históricas do sul, como Luxor e Assuã, para relaxar no Rio Nilo. Deixe de fora a região da Península do Sinai, área com atuação de jihadistas cujos problemas são bem anteriores à Primavera Árabe. Mulheres, como em todo país árabe, viajam melhor se acompanhadas por um homem.

A crise no setor levou hotéis a fecharem suas portas. A inauguração do badalado hotel Ritz-Carlton do Cairo, ao lado da Praça Tahrir, inicialmente prevista para 2014, está temporariamente adiada. Guias tiveram de vender seus camelos, antes oferecidos para passeios no entorno das pirâmides de Gizé, e 40 barcos de cruzeiro pelo Nilo deixaram de circular por falta de turistas.

“Tive de parar com três dos quatro barcos da minha agência até que a situação melhore”, conta o dono da agência Eagle Travel, Nabil Tammam. Ele conta que ofereceu água e banheiro para a população que lotou a Praça Tahrir, perto da sua agência, durante as manifestações recentes.

Camelos à espera de turistas – Foto: Daniel Nunes Gonçalves

Ali perto, a fachada do antes movimentado restaurante do Museu do Egito, agora desativado, era poeira pura. Até a máquina de refrigerantes estava desligada – ali, o número de visitantes diários despencou de 2.500 para cerca de 20. Um casal de jovens malaios que passeou de balão comigo em Luxor no único voo do dia (antes da crise, até 24 balões pontilhavam o céu simultaneamente) lamentou não ter conseguido fazer amigos nos vazios hostels por onde passou.
Os preços, contudo, caíram. Uma refeição simples sai por uns R$ 15. O táxi do Cairo às pirâmides custa cerca de R$ 17.

Nos souqs, continua sendo uma arte pechinchar por qualquer papiro – mas fique atento às falsificações. Um pequeno modelo feito da planta original vale 10 vezes mais que a imitação, em folha de banana, vendido por R$ 30. A vantagem é que, no fim da negociação, se você ameaçar ter desistido do negócio, o vendedor aumenta o desconto para não perder o cliente. Outro estímulo ao viajante é encontrar vazios lugares antes lotados. Não pegamos fila para atração alguma.

É nisso que o governo se apega para trazer de volta os viajantes. “Nós não somos a Síria ou a Líbia”, diz o embaixador Nasser Hamdy, presidente da Autoridade Egípcia para o Turismo. “Os turistas não têm porque temer viajar para o Egito.”

Ler post
terça-feira 25/02/14

Roteiro para decifrar os enigmas do Cairo

Suvenirs na Cidadela - Foto: Daniel Nunes Gonçalves

[caption id="attachment_7397" align="alignnone" width="614"] Museu do Cairo - Foto: Daniel Nunes Gonçalves[/caption] CAIRO Ainda que a passagem pelo Cairo seja só de dois ou três dias, há bons motivos para conhecer a face bonita da capital egípcia. Saqueado por alguns revolucionários em 2011 – mas logo defendido por outros, que formaram uma corrente humana de proteção em seu entorno –, o Museu do Egito é obrigatório. São 100 mil peças de até 5 ...

Ler post
terça-feira 25/02/14

É Luxor, mas pode chamar de sala de aula

Templo de Luxor - Foto: Daniel Nunes Gonçalves

Antigo berço e última morada dos faraós, Tebas descortina no Vale dos Reis o legado de 31 dinastias: de um lado, imponentes construções; de outro, tumbas de soberanos famosos, com Tutancâmon à frente [caption id="attachment_7402" align="alignnone" width="614"] Templo de Hatshepsut visto do alto - Foto: Daniel Nunes Gonçalves[/caption] LUXOR É preciso fugir do Cairo para encontrar sossego, e não há lugar melhor que a cidade de Luxor para se iniciar nos mistérios do Egito ...

Ler post
terça-feira 25/02/14

Memórias esparsas do reino de Cleópatra

O farol atual - Foto: Daniel Nunes Gonçalves

Resista à ideia de ver Alexandria num bate-volta. A metrópole portuária compensa a ausência de seu farol-maravilha com uma biblioteca de vidro nova em folha e bons (e raros) frutos do mar ALEXANDRIA O famoso farol de Alexandria, que já foi uma das sete maravilhas do mundo antigo, não está mais lá, impressionando com seus 150 metros de altura – uma proeza no ano de 280 a.C.. Tampouco existe a famosa biblioteca ...

Ler post
terça-feira 25/02/14

Batida da música cubana, em Havana e na Europa

Mônica Nobrega Embora as reportagens por aí digam o contrário, os músicos afirmam que a Orishas não acabou. A banda que despontou no começo dos anos 2000 misturando rap com percussão cubana e, ao lado do Buena Vista Social Club, virou referência de música cubana no mundo pop está dando um tempo. Só não arriscam dizer quanto tempo - e não estão parados nesse intervalo. Formada em 2010, a Cuban Beats All Stars tem quatro dos seis integrantes da Orishas - faltam ...

Ler post
terça-feira 25/02/14

Búzios no seu bolso: um fim de semana com R$ 400

Praia dos Ossos - Foto: Adriana Moreira/Estadão

O desafio consistia em desfrutar, em duas pessoas, do charme de um dos destinos mais sofisticados do País com orçamento limitado, mas sem passar vontade [caption id="attachment_7378" align="alignnone" width="614"] Foto: Adriana Moreira/Estadão[/caption] Thiago Mattos / BÚZIOS Desembarcamos em Búzios, no litoral fluminense, com a meta de passar um fim de semana comendo bem, mas sem descuidar do bolso. Um desafio e tanto em um destino famoso pela sofisticação, inflacionado pelo grande afluxo de turistas ...

Ler post