1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Samu avalia gravidade do caso antes de prestar serviço

Luciana Magalhães

01 julho 2014 | 12:00

Cheguei a ficar 12 h aguardando por uma ambulância, reclama leitora

Por Luciana Magalhães

Reclamação da leitora: Em 3 meses é a 3.ª vez que solicito uma ambulância para o meu irmão. Na primeira vez, demorou bastante, na segunda, esperamos quase 12h e ainda me perguntaram se precisávamos do serviço; hoje (17/6) estou há 1h50 aguardando. Até a viatura da polícia veio, solicitou novamente a ambulância e ela não foi enviada. Entendo que não sou a única que necessito desse serviço, mas pago impostos e tenho direito. O meu irmão sofre de esquizofrenia e, quando tem surtos, fica agressivo, podendo até matar. Mas alguém se preocupa? Acho que não. Kamila Garcia / São Paulo

Resposta: O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) informa que o chamado entrou dia 17/6 e foi classificado pelo protocolo como prioridade 4, após a descrição do caso pela solicitante. Quando a queixa envolve agressividade, o Samu orienta o munícipe a acionar a Polícia Militar (PM) para realizar a contenção. É necessário garantir a segurança do paciente, da equipe de assistência e de quem estiver ao redor. As equipes do Samu não podem fazer contenção física ou mecânica. Esclarece ainda que não consta nos registros qualquer retorno de ligação com a informação de que a Polícia fora acionada e que estava no local. O Samu faz parte de um programa federal, que segue normas e critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde e seu fluxo é caracterizado pela classificação das urgências, divididas em quatro níveis, conforme a Portaria/GM n.º 2.048/2002, assim determinadas:

  • NÍVEL 1 – Emergência ou Urgência de prioridade absoluta – Atender casos em que haja risco de morte. Encaminhamento imediato.
  • NÍVEL 2 – Urgência de prioridade moderada – Atender casos em que há necessidade de atendimento médico, não necessariamente de imediato.
  • NÍVEL 3 – Urgência de prioridade baixa – Atender casos em que há necessidade de uma avaliação médica, mas não há risco de morte, podendo aguardar o atendimento.
  • NÍVEL 4 – Urgência de prioridade mínima – Atendimento feito por um médico regulador, que orienta sobre o uso de medicamentos e cuidados gerais e encaminhamentos.

Réplica da leitora: Triste! Em todos os momentos que acionei o Samu, a polícia estava presente. Inclusive foi ela que solicitarou o serviço. Eu sei da necessidade da PM, pois não é a 1.ª vez que passo por isso. Infelizmente, é o 1.° ano que, após diversas tentativas, ninguém atende. Uma pessoa com problemas mentais e com faca na mão não corre risco de vida? E também não é um risco para outras pessoas?