1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Torcida local foi maioria na estreia da Arena da Baixada no Mundial

Seleção Universitária

segunda-feira 16/06/14

Brasileiros comparecem em maior número na partida entre Irã e Nigéria em Curitiba

Brasileiros compareceram em maior número na partida entre Irã e Nigéria em Curitiba

Brasileiros se caracterizam para torcer pela Nigéria na Arena da Baixada (Alexandre Senechal/Seleção Universitária)

 Alexandre Senechal – especial para O Estado de S. Paulo
CURITIBA – Demorou mas o clima de Copa do Mundo finalmente chegou à capital paranaense. O dia do primeiro jogo da Arena da Baixada no Mundial, entre Irã e Nigéria, foi marcado pelo maciça presença de brasileiros em comparação aos estrangeiros que compraram ingresso para o jogo válido pela primeira rodada do grupo F.
No entorno da Arena, muitas camisas dos clubes da cidade puderam ser vistas. Torcedores do Atlético Paranaense, Coritiba e Paraná Clube eram maioria no meio de iranianos e nigerianos. Além deles, brasileiros de outros locais também compareceram ao jogo.
Lucas Borscheid veio de Florianópolis com os amigos. Com os rostos e corpos pintados de verde e branco, o grupo se juntou à torcida da Nigéria. “Hoje os africanos vão ganhar por 2 a 1 e isso vai dar moral pro time vencer a Argentina depois”, afirmou Lucas. “Não vai ter para Messi, Higuain e ninguém. Vai dar Nigéria nesse grupo.”
Morador de São José dos Campos há dois anos, o iraniano Shahram Shahlaei-Far veio sozinho para Curitiba para torcer pela seleção de seu país. No caminho para o estádio, conheceu um grupo de turistas compatriotas e fizeram a festa entre os brasileiros antes da partida. “Lá o povo é alegre como aqui. O futebol para o iraniano é uma religião, por isso tanta alegria por essa partida”, disse.
O comércio ao redor da Arena da Baixada funcionou normalmente. Cervejas vendidas a R$ 4 (nacionais) e R$ 5 (internacionais). Nenhuma ocorrência policial aconteceu, as filas foram bem organizadas e não havia ambulantes vendendo alimentos ou bebidas no local.
Para chegar ao estádio, era necessário passar por três barreiras. Porém, não foi feita a revista nas bolsas e mochilas em nenhuma delas. Além disso, cambistas agiam livremente nas ruas na frente da Arena. O valor dos ingressos ia de R$ 300 a R$ 500.
Saída. Após o protesto que aconteceu no centro da capital, marcado por confusão e violência, os torcedores que foram até a Arena da Baixada não tiveram nenhuma dificuldade para deixar o estádio.Com uma operação de segurança sem nenhum incidente registrado pela guarda municipal, brasileiros e estrangeiros saíram aos poucos ainda fazendo festa, por terem acompanhado ao primeiro jogo da Copa do Mundo 2014 na última sede a estrear no Mundial. Diversas ruas foram bloqueadas e a mesma tranquilidade de antes do jogo no entorno também apareceu no final.O iraniano Farshid Hadifar esperava a vitória de sua seleção, mas garantiu não estar decepcionado mesmo com o empate e elogiou a recepção dos brasileiros. “A cidade é muito limpa e o povo gentil e atencioso no trato com os estrangeiros. Adorei o Brasil”, disse.

Os brasileiros também aprovaram o estádio e a organização. Daniele Pereira veio pela primeira vez à Arena e gostou do que viu. “Foi muito bacana e havia várias opções de lazer para os torcedores locais e de fora”, afirmou. “A saída foi bem tranquila e sem tumulto”, completou.