1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Revista da Fifa se rende aos encantos de Manaus

Seleção Universitária

segunda-feira 23/06/14

Publicação traz oito páginas sobre a capital amazonense e aponta cordialidade como principal característica do povo

Publicação traz oito páginas sobre a capital amazonense e aponta cordialidade como principal característica do povo

 

Bruna Chagas – especial para O Estado de S. Paulo

MANAUS – Manaus está entre os destinos mais procurados na Copa do Mundo no Brasil, pelo menos neste período do Mundial em que a cidade recebe milhares de visitantes por conta dos jogos na Arena da Amazônia. A publicação da revista semanal Fifa Weekly nesta semana traz estampada na capa uma matéria com título ‘Magical Manaus’, que fala sobre os encantos do povo e da floresta.

Com oito páginas dedicadas à cidade, a reportagem do jornalista Thomas Renggli apesar de usar o clichê ‘jungle football’ (futebol na selva) não poupou elogios à cidade. Para ele, nenhuma outra cidade-sede esquentou tanto os ânimos, nem foi tão polêmica quanto Manaus. “Conforme vamos avançando até o coração da Floresta Amazônica, vai ficando cada vez mais difícil não ceder ao charme apaixonante da cidade de Manaus”, diz o jornalista.

Na publicação, o jornalista fala também sobre o calor abordado pela imprensa e declara que uma Copa do Mundo em Manaus não é indicada para os mais sensíveis ao calor. “Em Manaus, o futebol chega ao ponto de ebulição como em uma sauna ou dentro de uma fundição. Contudo, basta o avião se aproximar de Manaus para que o panorama provoque suspiros nos passageiros”, ressaltando que a paisagem amazônica ultrapassa os limites do trivial.

De acordo com o jornalista, o fato de Manaus estar isolada no meio da floresta parece moldar o caráter de seus habitantes, que, em vez da animação atribuída ao clichê brasileiro, exibem uma tímida cordialidade. “Tudo parece abafado e mais devagar. A população recebe os visitantes de forma acolhedora e cordial”, disse.

Renggli falou também do Teatro Amazonas como uma relíquia de uma época esquecida. “No esplendor (no ciclo da Borracha) Manaus recebeu o melhor”, afirma. Ele conta que atualmente nas ruas, não está presente o cenário das óperas, mas sim, do teatro cotidiano, protagonizado pelas incontáveis barracas com mercadorias que vão desde bananas até calça jeans, passando por brinquedos de plástico.

O jornalista ainda afirma que nenhuma cidade-sede deste Mundial é mais interessante e surpreendente quanto Manaus e o encontro das águas. “É a metrópole da selva, onde as águas claras do Rio Solimões e as turvas do rio Negro se encontram para desaguar no soberano rio Amazonas, que mais se parece com um oceano no meio da floresta quando visto de cima.”

Manaus já recebeu três dos quatro jogos válidos pela Copa do Mundo e ainda receberá a seleção de Honduras que enfrentará a Suíça na Arena da Amazônia, na próxima quarta-feira, 24, às 17h (Brasília).