1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Copa já deixa saudade para moradores do entorno da Fonte Nova

Seleção Universitária

05 julho 2014 | 18:02

Soteropolitanos deram suas impressões do Mundial

Soteropolitanos deram suas impressões do Mundial

 

Luiz Fernando Teixeira – especial para O Estado de S. Paulo

SALVADOR – Os moradores do entorno da Arena Fonte Nova sentirão falta da agitação da Copa do Mundo. Após seis partidas da competição envolvendo 11 países, até mesmo quem não era a favor do Mundial no Brasil acabou se rendendo aos encantos do torneio.

É o caso do segurança Adroaldo Ferreira. Ele disse que era a contra a Copa por achar que muito dinheiro foi sonegado durante a construção dos estádios, mas disse os turistas não tem nada a ver com isso. “Foi bonito ver a festa deles, principalmente dos iranianos. Eu achava que eles eram todos uns fanáticos, mas eles são muito normais e alegres”, disse.

A autônoma Jamile Gonçalves disse que gostou da sensação de segurança da Copa. “Havia muitos policiais na rua e os turistas são muito curiosos. O clima foi muito bom nesse tempo”, afirmou. De acordo com ela, os ‘feriados’ em dias de jogos em Salvador também foram muito bem-vindos, pois as pessoas tinham mais tempo para ver as partidas com calma.

Os irmãos Juan e Ramon Soares disseram que a Copa foi boa para praticar o inglês deles. “Deu vontade de viajar para conhecer os países, principalmente a Alemanha. Pelo menos, o pessoal que veio pra cá era bem educado e simpático”, contou Ramon.

O vendedor Luiz Santos fez um ranking dos turistas que mais gostou de conhecer. “Em primeiro lugar, os holandeses e iranianos, que foram os mais alegres. Em último, os franceses, porque eles não cheiram bem”, disse rindo.

O estudante Felipe da Cruz falou estar ansioso pelos Jogos Olímpicos de 2016, que terá as partidas de futebol disputadas em Salvador. Ele acredita que não será a mesma experiência da Copa, mas é um bom paliativo. “Acho que a proxima Copa aqui vai demorar uns 40 anos. Espero que tenha mesmo. Gostei muito dessa”, disse.