1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Comerciantes do DF lamentam derrota brasileira e esperam vendas menores

Seleção Universitária

quarta-feira 09/07/14

Clima de tristeza tomou conta de torcedores no dia seguinte à eliminação da Copa

Clima de tristeza tomou conta de torcedores no dia seguinte à eliminação da Copa

 

Jorge Macedo – especial para O Estado de S. Paulo

BRASÍLIA – Com o Brasil abatido após a goleada histórica sofrida para a Alemanha na tarde da última terça-feira, 8, os comerciantes do Distrito Federal estão divididos sobre o que fazer com os diversos produtos da seleção brasileira que seguem expostos nas vitrines. Desanimados, alguns começaram a retirar camisas, faixas e bandeiras das prateleiras. Outros, entretanto, seguem otimistas com as vendas e apostam na decisão do terceiro lugar no próximo sábado, 12, no Estádio Nacional Mané Garrincha.

É o caso de James Barbosa, gerente de uma loja de artigos esportivos em um grande shopping da capital. Decepcionado com a derrota da seleção, ele lembra que a Copa ainda não acabou e que o Brasil voltará a campo no fim de semana. Segundo ele, as vendas cresceram bastante durante o mundial. “O faturamento da loja dobrou desde o início da Copa, os estrangeiros que passaram pela cidade compraram muita coisa do Brasil para levar de recordação. A goleada que sofremos prejudicará no sentido que os brasileiros não devem buscar os itens da seleção. Esperamos diminuir as perdas com os turistas que virão para cá no sábado”, afirmou.

Já a comerciante Augusta de Souza adotou postura diferente. Chateada pela eliminação, ela começou a recolher todo o material referente ao Brasil ainda nesta quarta-feira, 9. “Retirei todas as bandeiras que estavam penduradas na loja. Não adianta nem baixar o preço, não vai vender. Se fosse uma derrota comum até poderia tentar, mas do jeito que foi não tem chance”, lamentou. Segundo ela, 40% de todo o material que comprou para a Copa será enviado para o estoque.

O pessimismo de Augusta se justifica pela opinião de alguns torcedores sobre o vexame da seleção brasileira. O pedagogo Marcos Calebe não gosta muito de futebol, mas sempre acompanha o Brasil durante as Copas. Para ele, não há explicação para o que aconteceu. “Parece que os jogadores não entraram em campo, foi vergonhoso”, resumiu.

O estudante Vitor Ferreira lamentou a postura arrogante do comandante da equipe. “Ontem ficou claro o quanto estamos ultrapassados no futebol. Senti vergonha de sair com minha camisa na rua. Vou guardar e ficar um bom tempo sem usar. Enquanto não mudar o comando, estaremos expostos a situações ridículas como essa”, desabafou.

Recepção. O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), também lamentou a goleada sofrida pela seleção. Em uma rede social, ele escreveu uma mensagem de apoio aos jogadores e afirmou que a cidade está pronta para receber a equipe para a disputa do terceiro lugar. “A derrota não foi normal, mas tenho certeza que a torcida e a população de Brasília vão receber com muito carinho a seleção. Vamos todos apoiar os jogadores na luta pelo terceiro lugar”, afirmou. O Brasil aguarda pelo perdedor do duelo entre Argentina e Holanda para conhecer o adversário na partida de sábado.