1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Mimeógrafo, uma copiadora à base de álcool

Nayara Fraga

quinta-feira 04/10/12

::BAÚ TECNOLÓGICO:: * ATUALIZADO ÀS 20H42 O que sai do nosso baú hoje era desculpa para aluno demorar a voltar para a sala de aula. “Quem pode pegar os exercícios na mimeografia?”, perguntariam algumas professoras. O estudante ia até o setor da escola responsável pelas cópias e voltava com o número exato de folhas para [...]

::BAÚ TECNOLÓGICO::

* ATUALIZADO ÀS 20H42

bau_mimeografo_1.jpg

O que sai do nosso baú hoje era desculpa para aluno demorar a voltar para a sala de aula. “Quem pode pegar os exercícios na mimeografia?”, perguntariam algumas professoras. O estudante ia até o setor da escola responsável pelas cópias e voltava com o número exato de folhas para cada aluno. No papel branco, lá estava o texto azul, geralmente escrito à mão, com cheirinho de álcool. Assim:

mime_fim_2.jpg

O equipamento que permitia essas cópias se chama mimeógrafo, sugestão do nosso leitor Zoltan Bergmann, de 58 anos, morador de Blumenau, Santa Catarina. Não, ele não usa o aparelho em pleno ano 2012. Mas adora uma peça de museu. Quando o centro espírita onde a mulher trabalhava resolveu se livrar do mimeógrafo, depois de uma limpeza geral, ele pediu a máquina.

Em uma análise genealógica, o mimeógrafo talvez possa ser encarado como o avô das fotocopiadoras Xerox. Ele funcionava com a ajuda de uma manivela. O professor escrevia os exercícios numa folha especial, conhecida por estêncil ou matriz, que continha carbono. O texto, então, aparecia do lado oposto do papel. Com a parte escrita voltada para cima, a folha era colocada no entorno do rolo que compõe o mimeógrafo.

Era uma técnica bem rudimentar, mas ainda há escolas que a usam, como conta a aposentada Maria Luiza Dias, que trabalhou como professora de 1985 a maio de 2012. Ela diz conhecer escolas públicas do interior de Minas Gerais que fazem cópias com o equipamento até hoje, dada a escassez de verba. “É uma prática barata”.

Mas não necessariamente mais prática. Maria Luiza se lembra bem do momento em que os papéis eram colocados para secar, um do lado do outro. (Sim, a folha saía meio úmida da máquina.)

É que a matriz só conseguia passar o texto para o papel em branco porque havia uma espécie de feltro umedecido com álcool. Aliás, havia aluno que sentia dor de cabeça por causa do cheiro forte do álcool, como lembra a professora.

Saber a quantidade certa de álcool era determinante para o resultado da cópia, segundo Maria Luiza. “Se colocava pouco álcool, ficava clara demais (a cópia). Se colocava muito, borrava.” As primeiras cópias, que costumavam sair mais escuras, eram separadas para os alunos que não enxergavam muito bem.

O namorado de Maria Luiza, Günther Schlüter, de 78 anos, também teve “uma vivência muito próxima com o mimeógrafo”, como ele mesmo define. Quando ainda cursava matemática na faculdade, em 1966, ele montou um curso de preparação para adultos, no Rio de Grande do Sul. Para fazer a cópia das apostilas e das provas, usava um mimeógrafo comprado em São Paulo.

“Se em 1985 já era chique, imagina em 66″, brinca Maria Luiza, ao ser questionada sobre o sucesso que o namorado devia fazer naquela época com a máquina.

Uma matriz rendia entre 30 e 50 cópias, na lembrança de Schlüter. O contador do mimeógrafo de Zoltan Bergmann — o recebido do centro espírita — exibe o número 5.548. É o número de vezes que a manivela foi girada.

mime_matriz_neuza.jpg

PAPEL DE TEXTURA ESPECIAL QUE ERA USADO PARA PRODUZIR CÓPIAS

mime_estenci_1.jpg

NA MATRIZ, AVALIAÇÃO DE INGLÊS ESCRITA METADE À MÃO, METADE À MÁQUINA

mime_verso_1.jpg

VERSO DA MATRIZ. PAPEL ERA USADO PARA FAZER CÓPIAS

mime_amarelo_1.jpg

MIMEÓGRAFO COM MATRIZ. PRONTO PARA FAZER CÓPIAS

Tinta

Houve uma geração do mimeógrafo em que a tinta substituía o álcool, como lembra o nosso colega e colunista do ‘Estado’ José Paulo Kupfer. Ele conta ter rodado muitos panfletos e jornaizinhos escolares nesse tipo de máquina. Mimeógrafos mais “modernos”, do tipo elétrico, também existiram, segundo ele. Nesses, não havia necessidade de manivela.

Compartilhe com a gente

Baú Tecnológico é um espaço para você compartilhar a lembrança daquele eletrônico que você tanto amou (ou odiou). Tem até hoje um celular tijolão? Um Super Nintendo? Um Tamagotchi? Um Pense Bem? Compartilhe seu saudosismo com a gente. Luiz Alberto Loss compartilho conosco um computador com memória menor que um arquivo em branco do Word. Se você tem alguma sugestão, envie e-mail para nayara.fraga(arroba)estadao(ponto)com. Esta coluna é publicado neste blog a cada quinzena.

O Baú Tecnológico de hoje agradece a Zoltan Bergmann pela sugestão e pelas fotos enviadas e à professora Neuza Fraga, de Belo Horizonte, que encontrou em seu baú as cópias feitas com mimeógrafo que ilustram este post.

-
O QUE JÁ SAIU DO NOSSO BAÚ
-

Uma vitrola estilo maletinha para paquerar

Um computador com memória menor que um arquivo em branco do Word

Uma calculadora de fazer inveja

O resgate do rádio ‘Tapajós’

Paulo e o adeus aos seus palmtops (1998-2012)

Um bipe que pegava até na Baixada Santista

Game Boy, de brinquedo a decoração (e vice-versa)

De Ronaldo pai para Ronaldo filho: um Telejogo em perfeito funcionamento

Um StarTAC em seus últimos dias