1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Comissão de Ética suspende julgamento sobre convites VIP’s

Lilian Venturini

segunda-feira 09/06/14

Presidente do colegiado, Américo Lacombe, minimiza o episódio; ‘não tinha problema nenhum’

Rafael Moraes Moura

São Paulo – A Comissão de Ética Pública da Presidência da República suspendeu nesta segunda-feira, 9, a análise do caso envolvendo familiares de ministros do governo Dilma Rousseff que foram beneficiados pela Petrobrás com ingressos para assistir ao GP do Brasil de Fórmula 1.

Conforme revelou o Estado, a lista de convidados que serviria para “relacionamento com grandes clientes corporativos” acabou beneficiando o genro da presidente Dilma Rousseff, Rafael Covolo; dois filhos do ministro da Fazenda, Guido Mantega; a irmã, o cunhado e a sobrinha da ministra do Planejamento, Miriam Belchior; e o marido da ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Ideli Salvatti.

Após a publicação da reportagem, a comissão decidiu pedir esclarecimentos aos ministros. De acordo com o presidente da Comissão de Ética, Américo Lacombe, o caso deverá ser retomado na próxima reunião, marcada para 28 de julho. “Foi uma discussão que resolvemos interromper, porque não chegamos à conclusão nenhuma”, afirmou Lacombe, ao ser corrigido por uma secretária que assessora os conselheiros.

Minutos antes, o presidente da comissão havia dito que o caso foi arquivado e até minimizou o episódio. “Problema da Fórmula 1, não tinha problema nenhum, aqueles problemas da F-1 tinham a ministra Ideli, ela não foi, o marido dela recebeu convite diretamente pra ele, de modo que ela não tem nada com isso”, comentou. “O ministro da Fazenda poderia receber (os convites) e ele doou para os filhos, esse foi o problema dele. Grave não é.”

Ao dizer que o caso dos ingressos da Petrobrás havia sido arquivado, o presidente da Comissão de Ética foi alertado por uma secretária e se corrigiu depois, informando que a comissão ainda apura o episódio. Apesar da confusão, a fala de Lacombe indica a sua opinião sobre a farra dos convites, servindo como termômetro da decisão que a comissão deve tomar.

Fazenda. A Comissão de Ética também decidiu ontem abrir processo contra Marcelo Fiche, ex-chefe de gabinete de Mantega, acusado de receber dinheiro de uma empresa que prestava serviços ao Ministério da Fazenda. “Achamos que a notícia era relativamente grave e resolvemos abrir (processo)”, justificou Lacombe.