1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Veja tudo sobre os estragos causados pelo Furacão Irene

Redação Internacional

26 agosto 2011 | 17:30

7e381ba155694de089dfc174060c959c_7e381ba155694de089dfc174060c959c_0600100.jpg

Acompanhe no Radar Global o avanço do furacão Irene sobre os Estados Unidos durante o fim de semana.

Veja também:
TWITTER: Acompanhe nossos correspondentes nos EUA
PARTICIPE: Está nos EUA? Conte sua história sobre o Irene
MAPA: O avanço do furacão sobre os Estados americanos (NYT)
SERVIÇO: Conheça as zonas de evacuação em Nova York (NYT)

16h18 – O correspondente do estadão.com.br e do jornal O Estado de S. Paulo em Nova York, Gustavo Chacra, escreveu há pouco em sua conta no Twitter que embora “quase tudo” esteja fechado na cidade, ainda pode-se caminhar normalmente por Nova York. Antes, ele relembrara que o prefeito Michael Bloomberg tenta evitar os erros da nevasca do Natal, que abalou sua popularidade. Confira a seguir o depoimento de Chacra à TV Estadão:

14h55 – Leia a seguir o relato de Lucia Guimarães, colunista da rádio Estadão ESPN e moradora de Nova York. Segundo ela, a cidade está calma antes da chegada do furacão Irene.

Às 8h30 (horário local, 9h30 em Brasília) de uma manhã cinzenta, Barry, um motorista de táxi nascido na Guiné, veio me buscar no norte de Manhattan e começamos a descer para o sul da ilha. Battery Park City, onde os moradores estão sob ordens de deixar suas casas e apartamentos até 17h deste sábado, estava quase deserta a não ser por alguns ‘joggers’ e turistas que foram ver a Freedom Tower, a primeira torre que vai ocupar o lugar das torres gêmeas.

O canteiro de obras da Freedom Tower estava sendo fechado. Barry, o motorista, comentou descontraído que ainda ia buscar os cinco filhos no Bronx porque seu edifcio também faz parte da área de evacuação obrigatória em Nova York. A presença policial é intensa mas, com exceção do ar preocupado de quem tentava sair da cidade de última hora, os nova-iorquinos demonstravam o habitual senso de humor que conhecemoso de outros eventos que pararam a cidade, como nevascas e o apagão de 2006.

Na Times Square, os turistas passeavam despreocupados, apesar da proximidade da hora de fechar todo o sistema de transporte público. Alguns desavisados foram até a porta de teatros da Broadway. Mas as peças estão suspensas até terça-feira. Vários turistas conversavam também nas escadarias do Museu de História Natural, fechado como os outros museus da cidade. Uma turista posava ao lado dos sacos de areia que protegiam uma butique. Outros fotografavam os avisos de “fechado” em locais como o grande mercado Fairway, que funciona sete dias por semana.

Boa parte do comércio fechou cedo para os empregados não ficarem presos em Manhattan. No supermercado lotado da minha vizinhança, a caixa comentou, bem-humorada, que vai trabalhar até meia-noite. E pretende sair de Manhattan de carro. Na fila, os fregueses balançaram a cabeça incrédulos e todos deram palpite, afinal, um nova-iorquino sem opinião é como um surfista sem bronzeado. A chuva começou a cair mas, por enquanto, não há sinal de Irene.

14h20 - O furacão Irene continua a avançar pela Costa Leste dos Estados Unidos, após tocar a terra na Carolina do Norte na manhã deste sábado, 27. A secretária de Segurança Interna dos EUA, Janet Napolitano, advertiu que Irene ”continua sendo uma tempestade grande e perigosa”, que deve trazer fortes ventos, enchentes e até gerar outros tornados enquanto se move pela costa do país.

Pelo menos duas mortes já foram atribuídas ao furacão. A primeira morte ocorreu em Nash County, na Carolina do Norte, perto da cidade de Raleigh. Segundo funcionários do serviço de emergência, um homem foi atingido por um grande galho que caiu de uma árvore por causa do furacão. A segunda vítima foi um homem do condado de Onslow, no mesmo Estado, que teve um ataque cardíaco na sexta-feira enquanto reforçava suas janelas à espera da tempestade, segundo um porta-voz do serviço de emergência estadual citado pela rede de televisão CNN em seu site.

“Nós antecipamos fortes chuvas, potenciais enchentes e significativa falta de energia… por toda a região costeira do leste”, afirmou Napolitano. Irene estava perto de Cape Hatteras, na Carolina do Norte, e se movia a 24 quilômetros por hora.

13h - O furacão Irene causou a primeira morte na Carolina do Norte, neste sábado, 27, informaram as autoridades locais. A vítima é um homem, que foi atingido por um tronco de uma árvore quando caminhava do lado de fora de sua casa, segundo informações da agência Efe. De acordo com a rede de  televisão NBC, os serviços de emergência foram alertados sobre o acidente, mas quando chegaram ao local, o homem, cuja identidade não foi informada, já estava morto. No momento, os ventos na área chegavam a 100 km/h.

Nos dias anteriores, o furacão havia causado seis mortes no Caribe. Nos Estados Unidos, o Irene chegou na Carolina do Norte neste sábado e a velocidade dos ventos atingiram, em média, 140 km/h. Em outras cidades, como Atlantic Beach, foram registradas inundações e um cais foi destruído pela força das águas.

8h19 – O clima é de aparente tranquilidade em Nova York, relata o correspondente do estadão.com.br e do jornal O Estado de S. Paulo em Nova York, Gustavo Chacra. Segundo ele, por volta das 8h (horário de Brasília), a cidade apresentava céu nublado e na região do Lincoln center ainda era possível verificar a presença de muitos táxis nas ruas. “As pessoas que precisam ir para abrigos em Nova York podem levar seus animais de estimação, mas é preciso apresentar as vacinas”, escreveu o jornalista. No início do dia, contou, muitas pessoas aproveitaram para passear om seus bichos.

Conforme o furacão se aproxima, no entanto, a cidade deve esvaziar, explica Chacra. “Pela primeira vez na história o metrô de Nova York deverá permanecer fechado”, diz. Os aeroportos também permanecerão fechados.

7h58 – Segundo a correspondente do estadão.com.br e do jornal O Estado de S. Paulo em Washington, Denise Chrispim Marin, o furacão chegou aos Estados Unidos às 7h05 (8h05, no horário de Brasília) com força menor. O Centro Nacional de Furações reduziu a classificação do ciclone para categoria 1, com ventos de 90 milhas por hora, quatro horas antes, quando se aproximava da costa do Estado da Carolina do Norte. Até então, o furacão era mantido na categoria 2, com ventos de até 110 milhas por hora. Na noite de sexta-feira, o presidente Barack Obama assinou uma declaração de emergência em cinco Estados a serem atingidos pelo furacão Irene. Virgínia, Massachusetts, Connecticut, New Jersey e New Hamphsire pediram ao governo federal americano essa mesma condição, que lhes permite acesso a recursos adicionais. Até sexta, os Estados de Carolina do Norte, Nova York e Maryland já haviam obtido esse status.

7h12 – Veja a seguir imagens do furacão Irene até o momento

 


Pedestre caminha na praia de Wrightsville, na Carolina do Norte (Reuters)


Turista observa a passagem do furacão Irene na praia de Wrightsville, na Carolina do Norte (Reuters)


A praia de Kitty Hawk, na Carolina do Norte, na manhã deste sábado (Efe)


Mãe e filha se protegem do vento na praia de Wrightsville, Carolina do Norte (Reuters)


Casas abandonadas na praia de Nags Head, Carolina do Norte (AP)


Manhattan, Nova York, na manhã deste sábado (Reuters)


Outra foto da praia de Nags Head, Carolina do Norte (AP)


O mar visto da praia de Kitty Hawk, Carolina do Norte (Efe)


Pier na praia de Kitty Hawk, Carolina do Norte, é atingido pelas altas ondas provocadas pelos ventos do Irene (Efe)


Outro pier, desta vez na praia de Ocean City, no estado de Maryland (Reuters)


Outra imagem do mar na praia de Ocean City, Maryland (Reuters)

5h54 - Em depoimento ao estadão.com.br, a leitora Eliane Oliveira Miedel fez o seguinte comentário: ”Meu marido trabalha na Wall Street, um dos locais com ordem de evacuação. Os funcionários passaram o dia removendo a biblioteca para andares mais altos, uma vez que ela fica no porão do prédio. Do lado de fora, o edifício está rodeado com sacos de areia. O que mais me assustou hoje é que quando fui comprar água, lanterna e baterias, as lojas estavam lotadas e não havia mais água, nem lanternas, nem baterias. As prateleiras estavam vazias e todo mundo desesperado. As autoridades pedem para as pessoas que têm familiares que moram fora das áreas de evacuação, que não usem os albergues para dar espaço para aqueles que não tem família e vivem sozinhos. Sinceramente estou desesperada!” Conte sua história na página da Inter no Facebook.

 

2h54 – O furacão Irene começou a castigar na noite desta sexta-feira (horário local, madrugada em Brasília) o litoral da Carolina do Norte. Há registros de fortes ventos, chuvas torrenciais e uma ressaca “extremamente perigosa”, segundo a Efe.

23h17 – O GoogleMaps tem um aplicativo com mapas da região afetada pelo furacão Irene.

23h08 – Uma brasileira que mora em Long Island conversou com o estadão.com.br e contou: “Fomos pegos de surpresa”. Segundo Sueli Schmitt, que está nos EUA há quatro anos, apenas na quinta-feira as autoridades começaram a informar com mais detalhes a dimensão do furacão. Agora, conta, a família está preparando a casa, mudando móveis e objetos para o andar superior. No sábado, vão para a casa dos pais do marido, em um local mais alto.

21h56 – Para que você possa ter uma ideia da dimensão do furacão Irene, assista ao vídeo abaixo, da NBC News. Ele mostra o tamanho do ciclone, em imagens feitas a partir da Estação Espacial Internacional (ISS).

Visit msnbc.com for breaking news, world news, and news about the economy

21h48 – A CNN informou há pouco que apagões poderão durar até uma semana depois da passagem do furacão Irene, especialmente em cidades menores e mais afastadas.

21h32 – Reveja a seguir imagens de alguns dos piores furacões que atingiram os Estados Unidos nos últimos dez anos.

21h28 – O Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC na sigla em inglês) preparou uma lista com dicas para quem precisa enfrentar o Irene no fim de semana. O órgão sugere que se elabore um plano para a família, com a escolha de um cômodo seguro nas residências. O NHC preparou também uma lista com suprimentos de emergência. O órgão aconselha ainda que se reforce telhados, juntas estruturais, janelas, portas e garagens.

Finalmente, uma dica importante é ter em mãos o número da Cruz Vermelha (1-800-RED-CROSS ou 1-800-733-2767, para chamadas a partir dos Estados Unidos). A Cruz Vermelha colocou à disposição da população diversos abrigos, em toda a Costa Leste. O vídeo abaixo (em inglês) tem informações importantes para quem está nas cidades atingidas pelo Irene.

21h21 – Cenas do Irene. A placa (na foto abaixo) em Rockaway, Estado de Nova York, indica o sentido de um centro de evacuação na cidade.

2011_08_27T001458Z_01_NYA619_RTRMDNP_3_STORM_IRENE.JPG

21h14 – O Centro Nacional de Furacões  dos Estados Unidos (NHC na sigla em inglês) disse há pouco, segundo a Reuters, que o centro do Irene se aproximará da costa da Carolina do Norte hoje à noite (horário local) e passará “próximo ou sobre a costa no sábado”. Ainda de acordo com o órgão, a previsão é que o furacão se mova em direção ao sul de New England no domingo.

21h09 – O primeiro Estado a ser atingido pelo furacão, a Carolina do Norte, já tem 18 condados evacuados, de acordo com a CNN.

21h07 – A AP informou há pouco que as condições do Irene estão se tornando piores. De acordo com a agência, os ventos de 160km/h estão mudando de direção para o norte-nordeste.

21h02 – O jornal The New York Times publicou um mapa no qual pode-se acompanhar em tempo real o avanço do furacão Irene e sua intensidade ao atingir os diversos Estados. Veja também quais zonas estão sendo evacuadas por conta do ciclone.

20h52 – De acordo com a correspondente do estadão.com.br e do jornal O Estado de S. Paulo em Washington, Denise Chrispim Marin, cerca de 6,1 mil voos serão cancelados ao todo nos próximos três dias.

20h41 – A proximidade do furacão Irene levou a companhia aérea TAM a cancelar e alterar o horário de pelo menos oito voos com origem e destino em Nova York. Mais cedo, a American Airlines também havia anunciado cancelamentos.

20h37 – De acordo com o jornal americano The New York Times, o principal aeroporto da cidade, o JFK, estará fechado no sábado. O fechamento atinge aterrisagens de voos internacionais a partir de 12h (horário local) de sábado.

20h34 – A Reuters informou há pouco que o Exército americano e a Guarda Nacional estarão a postos durante o fim de semana para atender chamados relacionados ao furacão. O secretário de Defesa, Leon Panetta, disse hoje que cerca de 101 mil soldados estarão disponíveis. O Irene afeta uma população de cerca de 55 milhões de americanos na Costa Leste do país. O Pentágono disse que 225 caminhões carregados com equipamentos, comida, água e geradores estão posicionados em Fort Bragg, na Carolina do Norte, e dezoito helicópteros atenderão chamados.

20h29 – Cenas do Irene. Para evitar que vidros de portas e janelas se estilhacem com a passagem do furacão Irene, a população das cidades atingidas está  fixando placas de proteção. Na foto abaixo, feita hoje em Far Rockaway, Nova York, um homem em um guindaste leva as placas para isolar as janelas de um edifício. A cena tem se repetido em diversas cidades e virtualmente em todas as portas e janelas de vidro.

2011_08_26T223715Z_01_NYA620_RTRMDNP_3_STORM_IRENE.JPG

20h21 – Cenas do Irene. Na Amsterdam Ave., em Nova York, Thomas Lucido (na foto abaixo) desiste de procurar lâmpadas a óleo ou lanternas a pilha. “Vai se contentar com velas”, como relata a colunista da rádio Estadão ESPN, Lucia Guimarães.

So_sobraram_velas_NYC__LuciaGuimaraesAE600400.jpg

20h18 – A Reuters relata que a prefeitura de Nova York adota hoje duas medidas inéditas por conta do furacão Irene: a evacuação de mais de 250 mil pessoas e a retirada de todo o transporte público de circulação.

20h13 – Cenas do Irene. Na foto abaixo, uma mulher aparece sozinha em uma praia de Asbury Park, Nova Jersey, ao lado de uma dupla bandeira vermelha, que indica perigo. O governador do Estado, Christopher Christy, disse em uma coletiva de imprensa hoje que as pessoas devem “deixar imediatamente as praias em Asbury Park”. A evacuação obrigatória começou às 17h locais (18h no horário de Brasília).

2011_08_26T225632Z_01_NYK701D_RTRMDNP_3_STORM_IRENE.JPG

20h07 – Se você está em Nova York, verifique neste mapa elaborado pelo site do jornal The New York Times quais as zonas de evacuação por conta do Irene. O mapa inclui as áreas de acordo com a gravidade do furacão e os centros de evacuação, por região.

19h21 – Autoridades de Nova York ordenaram hoje a evacuação obrigatória das áreas da cidade que ficam no nível do mar. A medida, de caráter preventivo, deve afetar cerca de 250 mil pessoas, segundo a Reuters.

19h – O correspondente do estadão.com.br e do jornal O Estado de S. Paulo em Nova York, Gustavo Chacra, comentou há pouco em sua conta no Twitter que, 48 horas antes da chegada do furacão Irene à cidade, o tempo é de “sol e céu azul”. Como escreveu Chacra, o ciclone será “o pior em três décadas”.

18h54 – Veja a seguir imagens de alguns dos piores furacões que atingiram os Estados Unidos nos últimos dez anos – e provocaram milhares de mortes e danos bilionários em dinheiro.

18h49 - A prefeitura de Nova York cancelou a autorização que já havia sido concedida para todas as atividades ao ar livre no sábado à noite e no domingo. Dave Matthews, da Dave Matthews Band, está convidando quem comprou ingressos para sábado e domingo a assistir o concerto de hoje à noite, na Governors Island em Nova York.

18h33 – Como a violência do furacão será muito grande, funcionários estão vedando caixas de fiação elétrica na rua. Na foto abaixo, o empregado de um prédio na Broadway, em Nova York, usa substância para vedar os fios e evitar um apagão no edifício.

Protegendofiacao_LuciaGuimaraesAE.jpg

18h09 – De acordo com a colunista da rádio Estadão ESPN Lucia Guimarães, que está em Nova York, faltam artigos básicos na cidade, como pilhas e lanternas. Na foto abaixo uma mulher passa por uma prateleira vazia em Rockaway Beach, em Nova York.

2011_08_26T202724Z_01_NYA617_RTRMDNP_3_STORM_IRENE.JPG

17h56 – Os guindastes que estão sendo usados nas obras do Freedom Tower, o memorial que será erguido no Ground Zero – local em que ficavam as torres gêmeas destruídas nos atentados de Onze de Setembro – não puderam  ser retirados de lá a tempo, como informa a colunista Lucia Guimarães. Segundo ela, “alguns vão balançar ao vento, outros estão sendo reforçados com cabos”. A foto abaixo, feita em julho, mostra os guindastes instalados no local.

GroundZeroGuindastes_LuciaGuimaraesAE.jpg

17h40 – Uma das medidas adotadas pela população está sendo a remoção de embarcações da água, como precaução pela chegada do furacão Irene. Na foto abaixo, um homem orienta a retirada de um barco em Massachusetts, que também será atingida.

furacaoIRENE_saindodomar.jpg

17h35 – Do blog de Economia do estadão.com.br: Mercados se preparam para efeitos do furacão Irene. De acordo com a repórter Bianca Ribeiro, as principais Bolsas dos EUA têm planos de contingência para segunda-feira. A ideia é que estejam preparadas no caso de o furacão provocar danos que afetem seus sistemas de armazenagem e transmissão de dados ou o acesso aos prédios.

16h50 – Preocupações de segurança com os possíveis impactos causados pelo furacão Irene levaram a liga de futebol americano dos Estados Unidos (NFL) e outras entidades esportivas norte-americanas a remarcar ou cancelar eventos marcados para o fim de semana.

16h32 – O presidente Barack Obama aconselhou as pessoas a obedecer as ordens de evacuação. Para ele, o Irene será um “furacão histórico”.

16h08 – De acordo com o correspondente do estadão.com.br e do jornal O Estado de S. Paulo em Nova York, Gustavo Chacra, a CNN local deixou de transmitir notícias sobre a guerra na Líbia. Segundo ele, o assunto que tem dominado a programação da rede é o furacão Irene.

16h – A colunista da rádio Estadão ESPN relatou hoje, de Nova York, que o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, decidiu fechar o transporte público novaiorquino, decisão inédita.

Posts relacionados