1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Redação teve como tema ética e corrupção

Redação

domingo 06/12/09

A maioria dos estudantes considerou mais fáceis as provas deste domingo, no encerramento do Enem. A redação exigiu dos candidatos uma reflexão sobre ética e corrupção. O tema era “O Indivíduo e a Ética”. A prova reproduziu dois textos, um sobre corrupção e outro sobre a atuação das ONGs.
Luiz Felipe Gomes, de 18 anos, que fez o exame na Uninove, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, criticou a redação do Enem. “Eu achei bem confuso. Não entendi o que queriam que eu escrevesse”, disse. “Achei fácil, porque não faltava assunto nem ideias”, disse o vestibulando Jacques Coelho, de 42 anos, que prestou o Enem no câmpus da Uniban da Vila Carrão, zona leste de São Paulo.
Para Isabele Naufel, de 17 anos, a redação não trouxe novidades. “Falei de saneamento, de favelas e igualdade de direitos. O tema foi mais fácil do que seria na prova que vazou.” No exame anterior, cancelada depois do vazamento de um caderno de provas, os estudantes tinham que escrever sobre o Estatuto do Idoso.
Isabele considerou a prova deste domingo menos complicada que a de do primeiro dia. “Esperava questões mais difíceis”, disse Isabele, que pretende cursar Rádio e TV e foi uma das primeiras a sair do prédio da Uniban. A estudante até elogiou uma questão da área de Linguagens, que pedia para identificar estilos artísticos de quadros reproduzidos no caderno de prova. “Era uma questão inteligente, mesmo não sendo muito difícil. Achei português bem fácil.”
Jessica Alves Alcina, de 17 anos, que também fez o Enem na Uniban, também acha que se saiu bem no exame. “A prova de Linguagens estava bem tranquila, com questões bastante simples. Foi muito mais fácil que ontem.”
Luiz Felipe Gomes, de 18 anos, sentiu dificuldades no exame de matemática. “Caíram perguntas sobre temas que eu nunca estudei. Além disso, as alternativas dadas eram muito parecidas umas com as outras. Eles dificultaram bastante para a gente este ano”, disse Luiz Felipe, na saída do câmpus da Uninove, na Barra Funda, zona oeste.
Luís Carlos Soares, de 18, que também prestou o Enem na Uninove, achou o segundo dia do exame “fácil”, mas trabalhoso. “Saí cedo porque estava cansativo demais. Desisti de ficar lendo alguns trechos.”
Vinícius Torres, de 18, foi o primeiro a sair na Uninove, mas por outro motivo. “Fiz a prova de matemática correndo para ver o jogo”, disse, referindo-se à rodada decisiva do Campeonato Brasileiro. Vinícius torce para o Santos, que não tem chance de vencer o campeonato. “Eu vou é torcer contra o Palmeiras.”