Táxi de NY. Em SP | Placa Amarela
  1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Táxi de NY. Em SP

Roberto Bascchera

16 março 2017 | 20:12

Paixão pelos amarelinhos leva economista a desenvolver réplica

O economista e sua criação

O economista João Ranieri nunca foi taxista nem tem planos de ser, mas, apaixonado pelos carros amarelos que são um dos símbolos de Nova York, resolveu montar uma réplica, tão fiel quanto possível, para rodar pelas ruas de São Paulo.

O projeto, que consumiu dois anos de trabalho, impressiona pelos detalhes. Para começar, Ranieri adquiriu um Ford Taurus 1994 em bom estado de conservação. A partir daí, e de uma minuciosa pesquisa na internet – além de inúmeras viagens a Nova York, onde hoje rodam 13,8 mil amarelinhos -, ele mandou confeccionar a película na tonalidade exata para envelopar o carro, originalmente prata.

Também reproduziu o jogo completo de adesivos, luminoso de teto e até chaveiro. Outro detalhe lembrado foram os bumpers, barras de proteção nos para-choques dianteiro e traseiro.

A traseira com a barra de proteção e os adesivos

Como o carro também é usado em eventos pelo filho, João Guilherme, Ranieri fez uma réplica da placa da licença do motorista, que vai colada no painel e é outra marca registrada da categoria. “O táxi amarelo é um ícone de Nova York, assim como o Austin preto reina nas ruas de Londres. Como é difícil obter um Austin por aqui, resolvi partir para a solução possível”, explicou.

‘Licença’ do filho, João Guilherme

Para quem acha exótico um economista montar uma réplica de táxi nova-iorquino apenas por diversão, Ranieri avisa: já está preparando uma caminhonete de bombeiros, com base num Ford Explorer 2000, e uma viatura de polícia, também com um Ford Taurus 1994.

O luminoso feito sob encomenda

O chaveiro personalizado

Interior caracterizado

Rumo ao aeroporto!

Adesivo com tarifas também é reprodução do original norte-americano

Atenção, ciclista!

Disque 311

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.