1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Piedade tenta impedir mineração em área de nascente

José Tomazela

31 maio 2013 | 15:28

 

Um documento que já conta com 7,5 mil assinaturas circula de porta em porta em Piedade, coletando adesões a um movimento contra a instalação de uma mineradora de granito na zona rural do município. Ambientalistas e moradores temem que a extração e corte das rochas afetem a nascente de córregos formadores do rio Pirapora, que abastece a cidade e fornece água para as lavouras.

Entre os signatários do abaixo-assinado estão trezentos produtores rurais do bairro Piraporinha, local previsto para a mineração. A extração de granito deve ocupar área de 135 hectares, equivalente a quase 150 campos de futebol. Os produtores, apoiados por ambientalistas, acreditam que haverá impacto na qualidade da água, indispensável para a produção de uma grade com mais de cem produtos hortícolas, como verduras folhosas, legumes, frutas e alcachofra.

A agricultura é base da economia local. A empresa entrou com pedido de licença na prefeitura que, por sua vez, pediu um estudo ao Comitê de Bacia Hidrográfica dos Rios Sorocaba e Médio-Tietê. Um projeto do município visava a alterar o zoneamento para transformar o bairro em área de proteção ambiental, mas a empresa recorreu à Justiça – o processo ainda não foi julgado.

AUTORIZADA – A MSX Minerais informou que o empreendimento não vai gerar resíduos que possam contaminar mananciais e está distante das áreas agrícolas. A lavra foi autorizada pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DPNM) e a empresa já requereu licença à Cetesb. Segundo a MSX, a extração de granito vai gerar impostos e criar 70 empregos no município na fase inicial.

Além disso, garantirá à prefeitura durante dois anos o fornecimento gratuito de brita para recuperar as estradas rurais. Produtores alegam que o movimento de caminhões vai prejudicar as vias de escoamento da produção agrícola e o pó afetará a qualidade das verduras. Ambientalistas esperam colher dez mil assinaturas contra a mineração. O abaixo-assinado será entregue ao Ministério Público Estadual e órgãos ambientais do Estado.