Ainda não sou cadastrado

Você está em: Paladar > Blogs > Blog do Paladar
Paladar
SEÇÕES
ARQUIVO
TAMANHO DO TEXTO

Paladar
  • Twitter
  • DIGG
  • Share
BUSCA NO BLOG

Receitas de café gelado

  • 27 de janeiro de 2015
  • 16h40
  • Por Redação Paladar

Embora não seja costume por aqui, o café gelado se tornou uma opção tentadora no calor que tem atingido o País nesse verão. Nossa equipe testou e provou várias receitas de café gelado para você experimentar nesse verão. Confira:

1. Café com gelo – Míriam Castro

Gelar o café recém-coado é um problema. Precisa colocar gelo, mas a bebida quente derrete as pedrinhas bem rápido e fica aguada. Testei diversas combinações para usar o mínimo de gelo, refrescar o café rapidamente e não dilui-lo muito. Em um copo americano comum, três pedras demoram quase dez segundos para atingir uma temperatura agradável (nesse ponto, o café já está insípido). Cinco pedras são demais para o copinho aguentar. A proporção ideal foi de quatro pedras de gelo médias para um copo americano de café bem quente. Demora entre três e quatro segundos para gelar. Beba imediatamente, pois o gelo derrete em um piscar de olhos e estraga tudo. Ou prepare um gelo de café com antecedência.

2. Gelos de café e gelo de leite – Heloisa Lupinacci

Para transformar as bebidas matinais em refrescantes frapês, coloquei leite e café na forma de gelo. O café eu fiz na cafeteira italiana, para que ficasse bem concentrado. Com os gelos prontos, é só usar a imaginação e o liquidificador.

3. Gelo de café e de leite batidos – Heloisa Lupinacci

Os gelos de café e de leite são ótimos para fazer café gelado sem correr o risco de ele ficar aguado. Você pode usá-los inteiros ou bater para que virem um frozen. Eu peguei duas pedras de cada e bati no liquidificador e depois coloquei o equivalente a uma xícara de café coado na hora. Deu um cremoso café com leite gelado.

4. Iced Latte caveirinha – Fernando Sciarra

Na briga com o calor, geralmente vou de Iced Latte. O do King of the Fork – que leva 2 doses de expresso, 3 pedras de gelo e uns 250ml de leite – me inspirou a criar minha versão caseira. Enchi uma fôrma de gelos em formato de caveira com café coado, coloquei no congelador e fiquei esperando o calor chegar. Quando ele chegou, meus brabos gelos de café estavam prontos. Enchi um copo baixo com leite gelado e despejei as caveiras dentro (na queda, um ossinho não tão brabo se quebrou). Aos poucos, os gelos de café derretiam e meu Iced Latte ia se formando. Se calor e sede não derem trégua e a segunda “formada” de café estiver demorando para virar gelo, o melhor é esquecer e pedalar até o King of the Fork.

5. Café gelado com mel e limão-siciliano – Marília Miragaia

É difícil encontrar café gelado para beber em São Paulo, então qualquer variação da receita em casa é bem-vinda. Essa receita é bem simples e como é feita na coqueteleira, tudo é misturado tudo lá mesmo. O mel deixa o resultado delicado e as raspas de limão-siciliano, refrescante. Você pode, aliás, tentar com o que tiver em casa (pode ser limão-tahiti) ou experimentar com galego, cravo e até cascas de outros cítricos, como grapefruit. Gosto de fazer o café coado normalmente: como o líquido só fica alguns segundos em contato com gelo, o resultado não é aguado.

Preparo (rende dois copos grandes)

7 colheres (sopa) de café rasas
3 copos de americanos de água quente (espere um minuto depois de ferver e use)
1 colher (sopa) de mel cheia
Raspas de limão-siciliano a gosto
Três cubos grandes de gelo ou o suficiente para chegar até a boca da coqueteleira (use o gelo em cubo maior possível para não derreter e o café ficar aguado)
Faça o café, coloque na coqueteleira com o gelo, as raspas e o mel. Bata até deixar a mistura bem gelada, coe e sirva.

6. Drinque Lulu – Heloisa Lupinacci

A Lulu inventou esse drinque e ele virou um clássico dos encontros das minas. É café, bastante gelo, um pouco de açúcar ou de leite condensado e uísque. O ideal é ir testando as proporções até chegar àquela que agrade. Nos dias mais formiguinha, mais leite condensado. Nos dias mais alcoólicos, mais uísque. E assim vai. Como tinha feito esses gelos de leite e café, testei a receita usando dois de cada, uma colher de sobremesa de açúcar e uma dose de uísque e deu bem certo. E coloquei gelo de café para mantê-lo fresco.

7. Cold brew – Marcel Miwa

Cafés feitos com extração à frio normalmente precisam de muitas horas de preparo. Já que não há calor no processo, as receitas para fazer café em água fria normalmente pedem mais de 12 horas de infusão do grão moído. Pensei se seria possível abreviar este tempo utilizando a aeropress, um êmbolo com pressão manual (lembra o funcionamento de uma injeção). Moí 15 gramas de café (um catuaí amarelo do sul de Minas) com uma granulação média/fina e coloquei em 150 ml de água mineral gelada. Daí testei duas formas: o primeiro deixei 15 minutos em infusão antes de passar pela aeropress e o segundo deixei por 30 minutos (em um copo na geladeira). Depois seguiram para o aparelho.

No caso da infusão mais curta, embora a acidez e os aromas tenham ficado bastante intensos, o amargor e os aromas tostados ficaram mais evidentes. No caso da infusão de 30 minutos, minha favorita, a textura ficou mais untuosa, o amargor desapareceu e acidez, um pouco menor, ainda deixou uma ótima sensação de frescor. Servi com gelo para manter a bebida fria.

Tópicos relacionados

Senac abre inscrições para curso universitário de Cozinheiro Chefe Internacional

  • 26 de janeiro de 2015
  • 18h34
  • Por Redação Paladar

O Senac abriu inscrições para o curso de Cozinheiro Chefe Internacional. O curso de extensão universitária não exige conhecimentos prévios de cozinha e tem 80% da carga horária voltada a aulas práticas, tem 800 horas de duração e apresenta um programa que aborda habilidades básicas de cozinha, confeitaria, panificação, bufês, cozinhas italiana, francesa e mediterrânea, além de brasileira, asiática e mexicana e até relações interpessoais no trabalho. Já passaram pelo curso chefs como Jefferson Rueda e Marcelo Ozi.

As inscrições vão até dia 30 de janeiro para turmas que iniciam em fevereiro e agosto, e acontecem em três unidades: duas na capital, em Santo Amaro e na Aclimação, e uma no interior, em Águas de São Pedro.

Com 800 horas de duração, o curso é voltado para ex-alunos e alunos de graduação em qualquer área, não é necessário ter conhecimentos de gastronomia. O programa apresenta um repertório completo que aborda habilidades básicas de cozinha; confeitaria; panificação; bufês; cozinha francesa; italiana; mediterrânea; brasileira; asiática e mexicana; segurança alimentar; estrutura e organização em serviços de alimentação e relações interpessoais no trabalho.

SERVIÇO | SENAC: Cozinheiro Chefe Internacional
Informações e inscrições: www.sp.senac.br

Tópicos relacionados

Inspetores encontram baratas na cozinha do Maze, de Gordon Ramsay

  • 26 de janeiro de 2015
  • 17h49
  • Por Redação Paladar

Fiscais da vigilância sanitária londrina encontraram baratas na cozinha do restaurante Maze, do chef Gordon Ramsay. O Maze, que tem uma estrela no Guia Michelin, recebeu duas de cinco estrelas na classificação de ‘higiene’ feita pelos fiscais.

De acordo com o relatório, os inspetores encontraram “pelo menos sete baratas” nas áreas de preparo da comida e de lavagem de louças. Um porta-voz de Gordon Ramsay disse que os insetos foram “um incidente isolado” e que a equipe do restaurante tomou medidas imediatas para contornar o problema. “Em acréscimo às nossas medidas internas, trabalhamos com um auditor independente que inspeciona regularmente todos nossos restaurantes”, diz o comunicado.


FOTO: Divulgação

Gordon Ramsay ficou famoso com o reality show Kitchen Nightmares, em que ele resgatava restaurantes – frequentemente com problemas sanitários – da falência.

Tópicos relacionados

Papa Francisco ganha diploma de sommelier

  • 26 de janeiro de 2015
  • 16h46
  • Por Redação Paladar

Na última semana, o papa Francisco ganhou uma designação honorário de sommelier. O diploma foi concedido durante a visita de Franco Maria Ricci, presidente da Associação Italiana de Somemeliers, e de uma delegação composta por 180 produtores de vinho, sommelier e críticos. “Eu bebo um pouco de vinho italiano e de outros países. Mas só um pouco”, disse o papa ao site Breitbart, que já disse em um evento no último ano que “sem vinho, não há festa. Imagine terminar um banquete só com chá!”.


FOTO: Andreas Solaro/AFP

Ricci teve a ideia de pedir uma reunião com o papa depois das inúmeros declarações de Francisco falando bem da bebida. “É uma honra e encorajamento para nosso trabalho”, disse ele. Na Bíblia, há 224 referências a vinho – talvez por isso, Francisco não seja o único papa a falar sobre a bebida. Seu antecessor, Bento XVI, também falava constantemente sobre vinho e mencionou a bebida em seu primeiro discurso como sumo-pontífice – ele disse “sou um simples e humilde trabalhador na vinícola do Senhor”.

Tópicos relacionados

Chef Rodolfo de Santis sai da Tappo Trattoria

  • 23 de janeiro de 2015
  • 19h01
  • Por Míriam Castro

Rodolfo de Santis não é mais o chef da Tappo Trattoria. Ele deixou o posto há dois meses, mas o restaurante ainda não tinha divulgado sua saída. Benny Novak, proprietário da casa, confirmou hoje a mudança: “Foi uma decisão conjunta.”

Quem assume o comando da casa é o subchef Danilo Moreira, com supervisão do próprio Novak.

Santis passou 10 meses no comando da casa. Procurado pelo Paladar, o italiano disse que tomou a decisão por motivos pessoais e, em breve, fará uma viagem.

FOTO: Daniel Teixeira/Estadão

Serviço – Tappo Trattoria
R. da Consolação, 2.967, Cerqueira César
Tel.: 3063-4864

Tópicos relacionados

Exposição ‘Alimentário’ chega à Oca no domingo

  • 23 de janeiro de 2015
  • 18h34
  • Por Míriam Castro

Depois de passar uma temporada no MAM-Rio no ano passado, a exposição Alimentário chega a São Paulo no domingo, 25. O objetivo da mostra, que ocupa a Oca até março, é relacionar arte à cultura alimentar brasileira.

Pinturas, esculturas, instalações e registros históricos são mostrados ao lado de imagens de pratos criados por chefs e utensílios de cozinha. Três núcleos compõem a mostra: Prelúdio, com as impressões de exploradores sobre o País; Raízes, com as tradições indígenas e a relação dos povos brasileiros com a mandioca; e Brasilidade, com a miscigenação e incorporação de ingredientes estrangeiros.

FOTOS: Gabriela Bilo/Estadão

LEIA MAIS:
+ As relações entre cozinha e arte 

Quatro chefs brasileiros têm seus pratos retratados na exposição: Alex Atala (D.O.M.), Helena Rizzo (Maní), Rodrigo Oliveira (Mocotó) e Thiago Castanho (Remanso do Bosque). Entre os artistas, Taunay, Vik Muniz, Marc Ferrez e Caetano Dias.

Com curadoria de Jacopo Visconti, a exposição foi concebida por Felipe Ribenboim, que é chef e já passou pelo El Bulli e o Arzàk, na Espanha, e do produtor cultural Rodrigo Villela.

SERVIÇO – Alimentário
Oca – Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, Parque do Ibirapuera, portão 3
De 25/1 a 29/3
Horário de funcionamento: 9h/18h (fecha 2ª)
Tel.: 3241-1081
Grátis

Tópicos relacionados

Sabores de Mi Tierra oferece almoço típico colombiano

  • 23 de janeiro de 2015
  • 18h04
  • Por Redação Paladar

No próximo dia 31, o Sabores de Mi Tierra, da chef Magdalena Torres, vai promover um almoço típico colombiano. O evento segue a tradição da casa, que normalmente só abre no jantar, de oferecer uma refeição típica do país nos almoços todo último fim de semana do mês.

O meu especial inclui prato principal, sobremesa e bebida por R$ 40. Nessa edição, o cardápio vai contar com ajiaco, uma sopa com diferentes tipos de batata, galinha, coentro e milho doce, que já foi considerado o prato nacional da Colômbia. Para acompanhar, a chef serve arroz, alcaparras, nata e uma fatia de abacate. Limonada com rapadura para beber e figo com doce de leite como sobremesa completam o menu.

Ajiaco, prato principal no cardápio, acompanha arroz, nata, alcaparras e abacate. FOTO: Divulgação

SERVIÇO | Almoço colombiano no Sabores de Mi Tierra
Onde: Rua Lisboa, 971, Pinheiros
Tel: 3083-3114
Quando: sábado, 31/1

Tópicos relacionados

Minhocão recebe evento gastronômico

  • 23 de janeiro de 2015
  • 16h05
  • Por Redação Paladar

No próximo domingo, dia 25, o Minhocão recebe o Ver o Parque Minhocão, que além de atividades como yoga, alongamento, empréstimo de bicicletas, também vai contar com atrações gastronômicas. A seleção é da Benê Food des Arts, a feira que acontece aos finais de semana na praça Benedito Calixto.

O Furikake vai servir o Frango Shoyuyaki. FOTO: Divulgação

Para comemorar o 461 anos da cidade e os 44 anos do Minhocão, o elevado recebe expositores de comida de rua com valores entre 5 e 25 reais. Entre os pratos, estarão disponíveis comida japonesa, hambúrgueres, sorvetes e cerveja. Veja a lista de expositores:

7 Comiveis e Bebiveis
A Próxima Taça
Bárbaros Burguer
Candy Crush Ice Cream
Cervejaria Votus
Cheese Cake no Palito
Com Amor, Por Favor!
Coxinhas Mini Mini
Dolcemee
Eat Chocolates
Eat Street Food
Eskenta Gourmet
Furikake Japanese Daily Food
Gastrorock Hamburgueria
Good Food Brasil
Jk Gastronomia
Los Mexicanos
Made In Ceará – Tapiocas
Mermeleia – Geleia Caseiras
Mister China
My Food Service
Pasta di Via
Taps For Craft Beer Truck
True Coffee Brasil
Original Brownie
Vem Pra Kafta
Vivi Express

SERVIÇO | Ver o parque Minhocão
Onde: Minhocão (Elevado Costa e Silva) entrada pela alça de acesso em frente a estação de metrô Marechal Deodoro
Quando: 25 de janeiro, das 12h às 22h
Quanto: de R$5 a R$25

Tópicos relacionados

Jean-Louis Neichel encerra atividades no fim de janeiro por causa da crise

  • 23 de janeiro de 2015
  • 15h28
  • Por Redação Paladar

Por Débora Hap
EFE

Jean-Louis Neichel, o único que chef da Espanha que, junto com Juan Mari Arzak, mantém uma estrela Michelin há 40 anos, fechará no dia 31 de janeiro o restaurante que leva seu nome, “porque a crise continua e, na gastronomia, não parece que vai passar; e eu me nego a abaixar a qualidade”, disse Neichel.

Depois de passar pelos fogões do elBulli, onde conseguiu sua primeira estrela Michelin, Neichel abriu seu restaurante em 1981 no bairro residencial de Pedralbes, em Barcelona, e rapidamente o restaurante se tornou em um lugar de culto para os amantes da alta cozinha mediterrânea.

FOTO: Alejandro García/EFE

Em entrevista à Efe, o chef francês garante que o restaurante permanecerá fechado pelo menos até maio e que vai usar esse tempo para refletir sobre o futuro: se vai ou não reabrir o restaurante no mesmo local, mas com outro conceito, pois seu filho Mario “quer seguir na gastronomia, mas tomando conta de um barco um pouco menor.”

O anúncio do fechamento provocou uma disparada nas reservas no restaurante, que faz algumas semanas está operando lotado. Muitos dos clientes, reconhece o chef com um pouco de ironia, “agora vêm chorar” sem se lembrar dos meses em que ele precisou manter a casa com menos da metade das mesas ocupadas.

De acordo com Neichel, algumas grandes empresas se aproveitam da crise obrigando os restaurantes a reduzir os preços pelo serviço enquanto os gastos fixos do local continuam os mesmos e os ingredientes de qualidade só sobem de preço. Ainda que nos últimos dois anos ele tenha ajustado os preços e elaborado menus mais competitivos para grupos, o chef confessa que não poderia mudar o perfil ou a qualidade de seu restaurante e, por exemplo, servir sardinhas como nos restaurantes de tapas.

Outro argumento que colabora para o fechamento é que, aos 68 anos, o chef tem vontade de fazer outras coisas: “gosto de pintar aquarela, mas não deixarei de estar ligado à gastronomia e aos fogões porque é minha paixão.”

Neichel conseguiu sua primeira estrela Michelin no elBulli em 1976, e diz com orgulho que foi ele quem revolucionou a gastronomia na época, quando o elBulli não era tão famoso, anos antes de receber Ferran Adrià. Ele conta que nunca se arrependeu de sair do elBulli e de se estabelecer em Barcelona por sua conta.

O chef diz que, hoje, se fala menos de guias e estrelas, e que os clientes “querem comer bem mas sem tantas firulas como talheres de prata, toalhas de fios e pratos exclusivo.” Para ele, os outros restaurantes da mesma categoria do seu também passam pelo mesmo problema, mas seguem funcionando diminuindo os gastos e fazendo dívidas.

Tópicos relacionados

Leão Vermelho lança novos menus degustação

  • 21 de janeiro de 2015
  • 19h24
  • Por Míriam Castro

O Leão Vermelho, restaurante de apenas quatro lugares em São João da Boa Vista, a 239 km de São Paulo, volta às atividades nesta sexta-feira, 23. Gabriel Vidolin, dono e chef, prepara menu a quatro mãos com Leo Gonçalves (@querosercozinheiro, no Instagram). É o início do projeto Somos um Céu Cheio de Estrelas, que apresentará um jovem cozinheiro por mês até maio.

Com 12 tempos, o menu é resultado do tempo que Gonçalves passou hospedado n’O Leão. Desde a semana passada, o cozinheiro acompanhou Vidolin em visitas a produtores regionais – uma das propostas do restaurante é trazer tudo de perto. O vinho servido, por exemplo, é da Guaspari, da vizinha Espírito Santo do Pinhal.

LEIA MAIS:
+ Restaurante de uma mesa só
+ Vinho de primeira, feito na Mantiqueira

Gabriel Vidolin. FOTO: Reprodução

Outra novidade é Atlas, novo cardápio autoral de Vidolin, cujas reservas começam a ser vendidas nesta quinta, 22. O primeiro jantar será no dia 7 de fevereiro. A inspiração para o nome vem da mitologia grega: Atlas é o titã que carrega o firmamento nos ombros. Um reflexo dos sentimentos do chef em relação ao pequeno restaurante – tudo na casa é preparado somente por Vidolin, que também recebe os comensais e conduz a experiência. “O universo d’O Leão Vermelho é muito desgastante e grandioso”, diz. “Ele é insustentável financeiramente, mas é algo tão lindo. Eu sou obrigado a carregar nas costas essa existência.”

O funcionamento não mudou. Apenas quatro pessoas por noite, com reservas antecipadas. As fases da lua e a disponibilidade de ingredientes nos arredores influenciam o cardápio surpresa. Quem reservou só descobre o que vai comer no momento do jantar. O endereço do restaurante, por sua vez, é revelado pouco antes da hora da refeição. Celulares são “confiscados” na entrada e devolvidos após o jantar.

As novidades, diz Vidolin, são na cozinha e na experiência. “Tive um salto na técnica”, afirma. Houve alterações no processo culinário e no jardim, que agora recebeu o composto biodinâmico chifre-sílica. E o cozinheiro-garçom-mestre-de-cerimônias-artista, que antes conversava com os comensais, agora permanece mudo durante os 24 tempos do jantar. Ao fim, todos podem fazer perguntas e conversar com o chef. “Ou apenas ir embora. É uma escolha possível.”

SERVIÇO – O Leão Vermelho
São João da Boa Vista, SP
E-mail:  contato at oleaovermelho.com
Tel.: (19) 3633-3514
O endereço é revelado minutos antes da refeição

Menu Somos um Céu Cheio de Estrelas (com Leo Gonçalves)
Quando: 23 e 24 de janeiro
Quanto: R$ 185 por pessoa (inclui água, chá e café)
Reservas: (19) 3633-3514 ou (19) 3622-2286

Menu Atlas
Quando: Sábados a partir de 7 de fevereiro, até setembro
Preço e reservas a partir de 22/1 no foodpass.com.br

Tópicos relacionados

Blogs do Estadão