ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

19.fevereiro.2014 05:00:18

Isadora compete hoje para popularizar patinação artística no Brasil

Não é à toa que os Jogos de Vancouver/2010 foram marcados, para nós brasileiros, pela insistente transmissão e reapresentação de provas de patinação artística pela Record. A graciosidade dos movimentos, a plasticidade, a música, tudo isso cativa e faz da modalidade o xodó dos brasileiros nos Jogos Olímpicos de Inverno.

A partir desta quarta-feira, temos para quem torcer: Isadora Williams, que compete a partir das 12h de Brasília no programa curto. Se ficar entre as melhores 24 (de 30), volta na quinta, para a rotina livre. O resultado, porém, é o de menos. A garota tem uma responsabilidade muito maior: popularizar o esporte no Brasil, algo que, por razões óbvias, modalidades de neve e o bobsled não têm a menor condição de conseguir.

Não deixe de ler: Atletas vencem: COB muda estatuto e limita reeleições

Aos 18 anos (completados já em Sochi), a garota tem um defeito: mora nos Estados Unidos e mal fala o português – ainda que se esforce bastante. Estivesse sempre disponível, seria figurinha carimbada em programas de TV. É talentosa e, principalmente graciosa, além de muito dedicada.

Filha de uma brasileira radicada nos Estados Unidos, Isadora sequer falava o português em casa até pouco tempo atrás – atualmente, tem uma professora particular. Em 2009, antes mesmo da intervenção judicial na CBDG (Confederação Brasileira de Desportos no Gelo), ela enviou um vídeo à entidade, agradou, e passou a competir pelo Brasil. Recentemente, passou a receber Bolsa Atleta do Governo Federal – doze parcelas de  R$ 1.850, já quitadas.

Polêmica: COI defende russos após detenção de ativista gay: ‘Aqui não é o lugar’

A vaga olímpica poderia ter vindo pelo Mundial do ano passado, mas a brasileira foi a 25.ª colocada e as 24 primeiras, apenas, garantiam presença em Sochi. Ela não desanimou e garantiu uma presença inédita no Brasil na patinação artística por meio de um torneio que serviu como repescagem, em setembro – o vídeo lá em cima é a apresentação dela. Ficou no 12.º lugar e carimbou o passaporte.

Conversei com Isadora no Prêmio Brasil Olímpico, no ano passado. Apesar de treinar todo dia sobre patins, ela sofria para ficar em cima de um salto não tão alto assim depois de receber o prêmio de melhor atleta de esportes no gelo de 2013. Quando me identifiquei como jornalista, ela fez questão de conversar em português, ainda que tivesse um vocabulário restrito. Enrolava-se para dizer “patinação”, por exemplo.

Concorda?? Brasileiras do bobsled avisam: têm ‘direito’ de competir em Sochi

Ainda que sinta dificuldades no português, Isadora tem plena noção do seu potencial. Mais do que competitivo, potencial esportivo. Afinal, não faltam, no Brasil, potenciais patinadoras. Não que o Brasil vá se tornar potência olímpica na modalidade, longe disso. Mas com o exemplo de Isadora, a tendência é que mais e mais meninas (e meninos!) procurem aulas, ainda que no patins inline.

Curta o Olimpílulas no Facebook e siga no Twitter

Esse, lógico, é um trabalho à longo prazo. Isadora tem só 18 anos e tem todo um ciclo olímpico para ganhar popularidade no Brasil e fazer bonito nos Jogos de 2018, na Coreia. Cabe à CBDN saber aproveitar esse potencial e não medir esforços para tornar Isadora uma atleta cada vez mais competitiva a nível internacional. Chegou a hora de esquecer um pouco o bobsled.

Gostou do texto? Aproveita e visita o blog. Tem muita coisa legal ;)

Tags: , ,

1 Comentário | Comente! !

1 Comentário Comente também

Deixe um comentário:

  • Quem Faz

    Quem Faz

    Demétrio Vecchioli

    Demétrio Vecchioli formou-se em jornalismo em 2007, pela Faculdade Cásper Líbero, onde também se especializou em marketing. Desde sempre deixa tudo de lado (até o sono) por uma Olimpíada (Jogos Pan-Americanos também valem). Na Agência Estado desde 2011, iniciou o projeto do Olimpílulas ao fim dos Jogos de Londres. Quer provar que uma medalha olímpica não é ganha do dia para a noite.

Comentários recentes

  • Agnaldo Nunes Viana: ANDRÉ: Você está mais do que certo. Eu estou comprando uma arma , tudo certo, legalizado, já...
  • tadeu: Parabéns aos atiradores. É surpreendente ver esses brasileiro tão bem colocados em um pais onde o tiro é...
  • Rui Lima: Depois da campanha difamatória que o Ministério de Justiça e “et alii” fizeram contra quem põe as...
  • Marco Maciel: Não entendo bem tanto radicalismo. Será que no Judô, no Karatê, no Jiu-jitsu, até mesmo no MMA,...
  • Daniel: Faltou o contexto da equipe feminina de rugby sevens. A comparação com Dubai ou Barueri é injusta. A...

Arquivos

Blogs do Estadão

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo