1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Herdeiro de Baloubet refuga e Brasil fica sem medalha no Mundial

Demétrio Vecchioli

quinta-feira 04/09/14

Bogeno, uma das crias de Baloubet, derrubou Duda no primeiro dia das provas de saltos do Mundial da Normandia e Brasil terminou em quinto

Pedigree é algo fundamental na hora de se comprar um cavalo de raça. Por isso, Alvaro de Miranda Neto pagou uma nota em 2011 para adquirir AD Rahmannshof’s Bogeno. Nos genes do animal de 14 anos, muitos dos atributos que fizeram do seu pai, Baloubet du Rouet, o melhor cavalo de todos os tempos. Doda só não esperava que Bogeno também fosse refugar no melhor momento da sua carreira.

Baloubet dispensa apresentações para quem tem mais de 25 anos. Os mais novos talvez não saibam que o cavalo refugou três vezes na última pista dos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000. Baloubet era o melhor cavalo do mundo, montado pelo melhor cavaleiro do mundo na época, Rodrigo Pessoa. O Brasil chegava ao último dia dos Jogos sem medalha de ouro e todas as esperanças estavam no conjunto, que acabou fora do pódio.

Gira o relógio em 14 anos e chegamos em 2014. Lá está Doda, um dos melhores do mundo, montando “Bogeno”, com enormes chances de ser campeão mundial nos Jogos Equestres Mundiais, na Normandia (França). Primeira pista, nono obstáculo, Bogeno refuga e joga Doda no chão. Literalmente, o brasileiro caiu do cavalo e não tinha mais chances de título mundial individual.

Isso foi na terça, quando a pista rápida punia em pontos quebrados quem estourava o tempo. Doda, dentre os brasileiros, tinha o cavalo mais rápido e a melhor expectativa por resultados. Com o resultado dele descartado, o Brasil fechou o dia com 12.95 pontos perdidos, em décimo.

Gira o relógio mais dois dias. Nesta quinta, Doda/Bogeno derrubou um obstáculo na final (quatro pontos perdidos), Pedro Veniss também, o Brasil terminou o Mundial com 16.95 pontos e ficou a 0.23 da medalha de bronze. Difícil brincar de “se”, mas, “se” o cavalo de Doda não tivesse refugado, o descarte do Brasil teria sido outro no primeiro dia e a disputa da medalha de ouro com a Holanda (12.83 pontos perdidos) teria sido absolutamente viável.

Eliminado da disputa individual, Doda continuou competindo por equipes para o Brasil. Zerou o percurso na quarta, mas perdeu 4 pontos nesta quinta. Pedro Veniss foi mal: 3.39 no primeiro dia, 4 pontos ontem (descartados) e 4 hoje. Marlon Zanotelli e Rodrigo Pessoa zeraram as duas últimas pistas.

Estes dois ainda se apresentam mais duas vezes. Rodrigo, com Status, tem 4.10 pontos perdidos e ocupa a quinta colocação. Marlon, com AD Clouwni (o AD significa que o cavalo pertence a Doda e Athina), ocupa o 11.º lugar, com 5.46 pontos perdidos. No sábado, os dois se apresentam mais duas vezes cada na briga por medalhas. Pedro Veniss, na 33.ª colocação, acabou eliminado nesta quinta – só 30 passaram. Cassio Rivetti, brasileiro que compete pela Ucrânia, é o 17.º.