Olhar Sobre o Mundo


Vale do São Francisco

28 de dezembro de 2010 0:02 por Nilton Fukuda
  • A + A -

A existência de vinícolas no Vale do Rio São Francisco, região do semi-árido, seria encarada anos atrás como uma espécie de lenda, um mito, como o Nego d´água, a Rasga Mortalha e a Mãe da Lua, esses personagens que habitam a memória dos antigos moradores das barrancas do rio. Mas de fato elas existem, as primeiras instalaram-se nos anos 80 na região, próximas à cidade de Petrolina, no estado de Pernambuco, favorecidas por um projeto de irrigação utilizando as águas do Velho Chico.

Conhecer as vinícolas, da região de Petrolina, é um privilégio para o visitante. Alimento para os olhos e a alma observar o viço das frutas e provar a doçura das uvas retiradas dos parreirais na hora. Além de conhecer a produção de vinhos do Vale, o viajante tem a oportunidade de conhecer a orla do Rio São Franciso e atravessá-lo de barco entre as cidades de Petrolina e Juazeiro, divisa entre Pernambuco e Bahia.

Maria do Socorro, de 44 anos, colhe uvas do tipo cabernet sauvignon enquanto ouve seu radinho de pilhas. Vinícola Terroir do São Francisco, bairro de Vermelhos, Lagoa Grande, Pernambuco. 19/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Imagem aérea mostra a quantidade de plantações ao longo do curso do rio São Francisco, na região de Petrolina, Pernambuco. 19/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Djalma de Sousa, o "Codó", de 41 anos, mostra com orgulho uma cesta cheia de uvas do tipo regner. Vinícola Santa Maria, Lagoa Grande, Pernambuco. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Plantações no Vale só foram possíveis graças ao sistema de irrigação das águas do Rio São Francisco. Região da cidade de Petrolina, Pernambuco. 13/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Mulheres fazem a "pinicagem" no parreiral de uvas de mesa itália da Terroir do São Francisco. Pinicar é o processo de retirar o excesso de uvas dos cachos para os frutos cresçam mais e fiquem mais vistosos nos mercados e feiras onde serão vendidos. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Garrafas de vinhos Rio Sol que são vendidas em loja dentro da Vinícola por preços bem abaixo do mercado, Lagoa Grande, Pernambuco. 18/11/2010. FOTO TIAGO QUEIROZ/AE

Estrada entre a cidade de Petrolina e Lagoa Grande, no estado de Pernambuco, emoldurada pela paisagem do semi-árido, bioma único, existente apenas no Brasil. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Entrada do "Bodódromo", ponto turístico da cidade de Petrolina, onde vários restaurantes servem carne de bode ou carneiro com baião de dois, mandioca e farofa. 13/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Mesa de um dos restaurantes do "Bodódromo"' embaixo de uma mangueira frondosa e carregada de frutos. 13/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Jegues protegem-se do sol forte embaixo de um umbuzeiro. Ao fundo a plantação de uvas da Vinícola Santa Maria, Lagoa Grande, Pernambuco. 19/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Cabra atravessa estrada para o bairro de Vermelhos, na cidade de Lagoa Grande, Pernambuco. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Moça atravessa o Rio São Francisco de barca, entre as cidades de Petrolina, Pernambuco e Juazeiro, Bahia. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Rio São Francisco na cidade de Juazeiro, Bahia. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Menino vendedor de milho verde e mungunzá. Juazeiro, Bahia. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Meninas voltam da escola e protegem-se com sombrinhas do sol forte do semi-árido. Bairro de Vermelhos, Lagoa Grande, Pernambuco. 19/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Imagem aérea das plantações no Vale do São Francisco. 19/11/2010 Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

A pausa para o café na Vinícola Santa Maria, produtora dos vinhos Rio Sol, na cidade de Lagoa Grande. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Detalhe do viço das uvas. Parreiral da Vinícola Terroir do São Francisco. Lagoa Grande, Pernambuco. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Eliane Maria, trabalhadora da Vinícola Terroir do São Francisco, faz a chamada "desfolha" que é o processo de retirar o excesso de folhas das parreiras, para que os cachos de uvas absorvam mais sol. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Parreiral carregado de uvas em fazenda da Vinícola Terroir do São Francisco. Lagoa Grande, Pernambuco. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Trabalhador da Vinícola Terroir do São Francisco protege-se do sol forte do semi-árido com panos e camisetas. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Processo de "pinicagem" é feito com as uvas no início de seu crescimento. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Colheita de uvas na vinícola Terroir do São Francisco. Lagoa Grande, Pernambuco. 19/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Funcionário da Terroir deposita uvas cabernet sauvignon na desengarçadeira. Essa máquina separa as uvas de seu lingaço, o "esqueleto" que sustenta o cacho. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Barricas de carvalho francês e americano armazenam produção da Vinícola Santa Maria. Lagoa Grande, Pernambuco. 18/11/2010. FOTO TIAGO QUEIROZ/AE

Trabalhadores encerram mais um dia de trabalho nas colheitas do Vale do São Francisco. Ao fundo da paisagem, montanhas com seus cumes de rocha branca. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

Igreja Matriz de Juazeiro, Bahia, próxima às águas do Rio São Francisco. 18/11/2010. Foto: TIAGO QUEIROZ/AE

56 Comentários Comente também
  • 28/12/2010 - 07:02
    Enviado por: Jaqueline M Oliveira

    otimo ver as fotos do lugar de onde vem as uvas que comemos aqui, na Alemanha! ficaria ainda mais contente se visse fotos onde se mostre que o Sao Francisco esta conservado, sem o perigo de ter seu leito ressecado, pondo em risco a vida de pessoas e animais ribeirinhos.

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 29/12/2010 - 01:28
      Enviado por: Bernardo

      Acho que vc já está na Alemanha há muito tempo… Lá, só se ouve crítica do Brasil: que desmatamos a Amazônia, que temos trabalho escravo, que matamos aos bispos deles no Xingú, que queremos eletricidade nas casas em vez de ficarmos nas árvores como debemos, já que somos todos macacos aqui…..

      O Brasil está melhor do que nunca! Veja só estas fotos, acho que vc não tem ideia o que era essa região uma geração atrás!

      Bernardo

  • 28/12/2010 - 07:07
    Enviado por: Andre

    Parabéns ao fotógrafo Tiago Queiroz.
    Uma realidade que eu desconhecia.
    Este é o meu Brasil que sempre sonhei.

    Feliz Ano Novo!

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 28/12/2010 - 19:45
      Enviado por: Anti PT

      Sim, é o nosso Brasil, sem as mãos sujas do governo. Isto é fruto da iniciativa privada, dos colonos do sul do Brasil e das grandes empresas.

    • 29/12/2010 - 08:32
      Enviado por: RPM

      Ao contrário do que disse o tal “Anti-PT” abaixo esse processo de colonização do Vale do São Francisco e produção frutífera na região de Petrolina e Juazeiro tem sim financiamento estatal de vários programas do governo, via Banco do Brasil e Banco do Nordeste, como Pronaf, etc.
      Não existe desenvolvimento desse porte sem a presença do Estado.
      Isso não é fruto de um só governo, apesar de que o atual governo apostou muito no Pronaf e em outras formas de financimento, aumentando o crédito para a produção e exportação.

      Sugiro que o fotógrafo Tiago Queiroz, que fez um belo trabalho, vá também ao Vale do São Francisco em Minas, começando pela nascente, na Serra da Canastra e desça o Rio, passando pelos projetos de colonização e assentamento no Norte de Minas, região de Jaíba, Janaúba, Unaí, Paracatu.
      Ali também tem grandes projetos de assentamento que desenvolveram e desenvolvem a região, aumentando a riqueza das cidades, do Estado e do País.
      Tem muita coisa linda nesse Brasil profundo que os brasileiros precisam conhecer.

  • 28/12/2010 - 07:14
    Enviado por: Nilton

    Linda reportagem.
    As fotos dão uma boa idéia da produtividade dessas terras e dessa gente.
    Há uns 15 anos atrás, indo de avião para Recife, com escala em Petrolina, pude observar algumas dessas vistas, que já naquela época sinalizavam para esse imenso potencial local.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 08:13
    Enviado por: Euzir Baggio

    Parabéns pela reportagem.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 08:41
    Enviado por: Osiris Silva

    As belíssimas fotos do Tiago Queiroz retratam o produto de um milagre: o milagre das águas e da tecnologia desenvolvida pela Embrapa naquele semi-árido de Petrolina,PE/Juazeiro, BA. Petrolina demonstra claramente que o Brasil, se o governo não atrapalhar, está se tornando o maior produtor de alimentos do Planeta. Estive na região em 2008, fui ao Bodódromo, lavei o rosto com água do Velho Chico (quanta emoção para um amazonense!), colhi uva, tomei o excelente vinho Rio Sol. Além de uva e manga, registre-se, Petrolina produz goiaba, cajú, melão, e daqui a pouco estará produzindo comercialmente caqui, pera e morango. Em pleno sertão nordestino. Estava certo Euclides: o sertanejo é de fato antes de tudo um forte. Sou produtor de citros na zona rural de Manaus e o que se vê naquela região enche qualquer produtor brasileiro de muito orgulho. Um feliz Ano Novo a todos.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 08:49
    Enviado por: OSCAR

    REPORTAGEM MARAVILHOSA, FOTOS SENSACIONAIS, A GENTE QUE SEMPRE PASSA POR CIMA DO VELHO CHICO NÃO TEM NOÇÃO DE ALGO TÃO INUSITADO.
    SÓ TENHO QUE PARABENIZAR O CONTEÚDO DESSA REPORTAGEM ESCLARECEDORA NÃO SÓ A MIM COMO MUITOS OUTROS.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 08:55
    Enviado por: Brasileiro

    Em 1500 Pero Vaz de Caminha escreveu ao Rei de Portugal: “A terra em si é de muito bons ares frescos e temperados. Águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo”. Após 510 anos, Caminha continua atual!

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 09:33
    Enviado por: benicio peixoto

    parabéns ao povo nordestino. Com certeza com a vinda das águas da transposição do Rio São Francisco muitos outros parreirais aparecerão com certeza, para glória de todos nós. Abênção.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 09:43
    Enviado por: Marina Pontual

    Será que esses trabalhadores são bem tratados? ganham e vivem bem? se assim for, a Vinícola está de parabéns.

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 21/07/2012 - 00:06
      Enviado por: SanttO's

      Salário Mínimo.

  • 28/12/2010 - 09:46
    Enviado por: marlos

    Parabéns pela reportagem! O Velho Chico ainda tem muida vida para dar ao povo nordestino, mas cadê a recuperação das nascentes dos rios que o alimentam? Quando se falou novamente na transposição das águas, nosso governador foi contra até que se fizesse a recuperação das nascentes, o governo ferderal calou a boca dele, não sei como, e o projeto está em execuç!ao. Se não começarem já com a recuperação das nascentes o Velho Chico vai pedir desculpas a este povo querido e sofrido e vai secar.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 09:55
    Enviado por: Joselito Miranda

    Parabéns ao Olhar sobre o Mundo e ao fotógrafo Tiago Queiroz por essas belas imagens.
    A gente vê nessa reportagem que é pela oportunidade de trabalho que os sertanejos encontram seu lugar no mundo.
    As diversas instâncias governamentais e a inciativa privada precisam, cada vez mais, incentivar ações como esta.
    Pequenas indústrias do agro negócio são a chave para levar o desenvolvimento ao interior do país. Grandes empreendimentos construtores, como a tal ferrovia nordestina, só dão emprego por algum tempo e tem mais, ela servirá apenas para os interesses das corporações; os moradores sertanejos ao longo dessa rodovia continuarão a depender do bolsa-miséria.

    Parabéns!

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 10:05
    Enviado por: Menelli

    Maravilhosa reportagem. Entusiasma ver essa transformação do nordeste graças à ação governamental e privada. Sugestão: fazer trabalho igual sobre a construção da Transnordestina e sobre a transposição do Rio São Francisco. Obrigado pela emoção!

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 10:32
    Enviado por: Edemir Golfi Andreazi

    Há que se fazer mais publicidade sobre nossas coisas. O Nordeste precisa mostrar sua cara. Muita gente não sabe o que é isso aqui.
    Parabéns pela reportagem.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 10:53
    Enviado por: José Coelho

    Tiago, é uma injustiça designar apenas como “árvore do semi-árido” o velho umbuzeiro da foto b017.jpg. Por favor, corrija a legenda.

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 28/12/2010 - 17:42
      Enviado por: Fernando Silva

      Concordo com o José Coelho. Mais respeito com o umbuzeiro. Não é apenas “uma árvore do semi-árido”.

    • 28/12/2010 - 17:44
      Enviado por: Nilton Fukuda

      Obrigado pela informação. Vamos alterar a legenda.

  • 28/12/2010 - 11:26
    Enviado por: Bruna Locardi

    Sera que esses trabalhadores provam e apreciam o produto do seu trabalho? Eu espero que sim!

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 11:43
    Enviado por: Paulo

    Prabéns pela ótima reportagem. As fotos enchem os olhos e o desenvolvimento da região enchem de orgulho nosso coração brasileiro.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 11:49
    Enviado por: Nivaldo Nereu Caliman

    Em 1992 eu e minha esposa Jaqueline subimos o São Francisco de barco (Juriti se não me engano), fomos de Januária a Petrolina, a viagem durou 10 dias. Levamos 3 dias somente para atravessar o lago de Sobradinho. Descemos a eclusa e paramos em Petrolina/Juazeiro, uma viagem sensacional. Visitamos plantações irrigadas de manga/banana/coco/cebola mas infelizmente não visitamos as plantações de uva por falta de tempo. Fizemos várias paradas, começando por Bom Jesus da Lapa, depois Xique Xique e muitas outras, vimos todas as cidades citadas nas músicas de Sá e Guarabira (Remanso, Casa Nova, Cento Sé, Pilão arcado que realmente o rio engoliu). Passei horas agradáveis conversando com o senhor Martins (o dono do barco). Já na época ele dizia que o rio estava moribundo, já existiam muitos bancos de areia, tinha que tomar um cuidado muito grande para não encalhar e que ninguém de nenhum dos estados banhados pelo rio estava preocupado. Vimos muitas dragas nas margens do rio mas não creio que tivessem algum controle sobre estas dragas. O dono do barco disse que faziia este percurso a 42 anos e que a algumas décadas eram muitos os barcos mas que somente ele e alguns outros de transporte de gado sobreviveram. Uma viagem que tentarei realizar novamente com meus filhos para mostras-lhes a beleza do interior brasileiro. Realmente uma viagem fantástica.

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 29/12/2010 - 08:18
      Enviado por: THIAGO SANTANA

      Gostei do seu depoimento, sou de Xique-Xique e sai de lá em 92 e hoje moro em Londrina-Pr.

      minha cidade é muito legal, minha casa era na primeira rua do rio.

      abraços.

  • 28/12/2010 - 11:51
    Enviado por: Odinovaldo Dino Bueno

    Divulgar as riquezas do Brasil é gratificante. Sim, gratificante pr’a quem divulga e entusismante p’ra quem as lê. Pois só a visão de uma pessoa sapiente pode entender o que o assinante e o internauta que quer aprender, ter conhecimento para comentar com os seus a importância do nosso torrão brasileiro. Portanto, parabéns a vocês de admirável jornal – que também é um orgulho para nos, leitores e assinantes, ter acesso aos vários cadernos do ESTADÃO.
    Assim sendo, colocamo-nos, nós e nossos blogs:saberladino; xadrezdinobueno.blogspot.comnossosaberladino.blogspot.com – à disposição para ajudar a chegar a todos – essas importantes informações…
    Felicissimo ano 2011 – que com certeza – teremos mais sorte do que esses sofríveis oito anos – quando o nosso ESTADÃO – foi – uma vez mais censurado – censura esta – que mesmo no tempo da ditadura – não perdurou tanto… Mas tudo passa… isto vai passar E, com certeza, O ESTADÃO – como sempre, vai poder bem INFORMAR!

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 11:56
    Enviado por: Wanderley Gouveia Louza

    É o tipo de reportagem que deixa a nós brasileiros orgulhosos. É uma pena que na TV esse tipo de documentário não da IBOPE e quando tem é passado em horários para que poucos possam assistir.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 12:20
    Enviado por: Tweets that mention Fotografia > Vinicultura chegou ao Vale do São Francisco (27 imagens) . -- Topsy.com

    [...] This post was mentioned on Twitter by estadao, Thaise Carvalho, PAULO VICTORINO and others. PAULO VICTORINO said: Fotografia > Vinicultura chegou ao Vale do São Francisco (27 imagens) . http://is.gd/jCZUU [...]

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 12:40
    Enviado por: lilita cavalcanti feitosa

    Petrolina _ terra dos meus familiares. Louvado seja o espírito empreendedor que retira da aridez do solo o suco perfumado e nutritivo das uvas!

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 13:50
    Enviado por: jandy alves licarião

    É o fruto do trabalho do povo nordestino, mas mostra a falta de zelo com rio que muitos não querem transposto.Não se vê nada de vegetação ciliar, e as reservas?3HEB

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 17:05
    Enviado por: clovis

    belas fotos,,,porém
    pode-se ver o rio completamente destruido pela erosao nas margens
    o rio esta cheio de terra e areia que é levada pelas chuvas pra dentro do rio
    em varias fotos se ve tambem a fumaça das queimadas o que tambem é lamentavel,,,fumaça toxica pra nossas crianças? lamentavel, a fumaça das queimadas contem +de 4700 substancias toxicas , nao exitem níveis seguros para tais substancias

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 18:31
    Enviado por: Bebedouro

    Esse vinho é ruim pra daná. Se puder, compre um chileno.

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 29/12/2010 - 12:43
      Enviado por: MAICON

      Gosto é GOSTO .

    • 16/01/2011 - 22:53
      Enviado por: Especialista em Vinhos

      Respeito à ignorância! Esse tipo de comentário não retira as premiações nacionais e internacionais obtidas em concursos diversos aos quais os vinhos do Vale do São Francisco têm sido submetidos, nem muito menos desqualifica os vinhos escolhidos pelo Papa para consumo durante a estadia no Brasil, assim como os vinhos selecionados pelo Itamaraty para uso durante as cerimônias realizadas no Palácio. Melhor nem continuar os comentários sobre outras realidades que comprovam a qualidade dos produtos!

  • 28/12/2010 - 18:33
    Enviado por: Roberto C.M.

    Moro entre a Itália e os Estados Unidos e, sempre que vou ao Brasil, procuro descobrir e experimentar os vinhos brasileiros. Das últimas vezes, experimentei vinhos produzidos no Vale do Rio São Francisco – entre os quais, alguns ótimos -, ao contrário de muitos amigos brasileiros, que os ignoram e são capazes de gastar uma fortuna com vinhos importados que valem muito pouco. Eh, povinho suburbano e preconceituoso, que gosta de levar gato por lebre!

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 28/12/2010 - 19:52
      Enviado por: Anti PT

      Roberto C.M. eu tambem tomo vinho nacional, mas não estamos com essa corda toda. O vinho nacional é muito ácido, para melhorar o sabor e acidez , é misturado com 50% de vinho estrangeiro. A uva vai do Vale do São Francisco para o RS que é onde o vinho é elaborado.

    • 28/12/2010 - 20:14
      Enviado por: Roberto C.M.

      Anti PT, obrigado pela observação. Há muitos vinhos italianos e franceses ácidos também, que circulam pelas adegas e as prateleiras de vinhos dos supermercados brasileiros e que não deixam, por isso, de custar o dobro – se não o triplo – de alguns vinhos brasileiros de qualidade superior.

    • 29/12/2010 - 01:32
      Enviado por: Bernardo

      A maioria dos vinhos tintos franceses que se vende no Brasil (e no resto do mundo, alias) é bem ruim tambem, e é misturado com vinho produzido baratíssimo da Argelia para dar mais cor e corpo….

  • 28/12/2010 - 18:38
    Enviado por: José Altmann Dantas

    Parabéns pela reportagem e por fotos tão belas!

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 20:39
    Enviado por: Al Martin

    Lindas fotos. Queria fazer só um reparo.

    Uma foto-reportagem que usa termos como “terroir” não deveria se contentar em dizer “uva tipo Cabenet Sauvignon”, nem “uva tipo Regner”. Há uma palavra bem mais nobre e muito mais adaptada para se designar um “tipo” de uva. É a palavra casta. Dizer “tipo de uva” é mais ou menos como dizer “pé de laranja” em vez de laranjeira. É insosso.

    “Uva da casta Cabernet Sauvignon” ou “uva da casta Regner” cai bem melhor. Tem mais sabor.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 22:19
    Enviado por: Ana Teressa

    Aos filhos deste solo, desta mãe não tão gentil, não só de Pernambuco e da Bahia mas sim, de todo este Brasilzão de meu Deus, nossos agradecimentos por cada tijolo ou enxada levantada, pelos versos ou notas musicais escritas; pedidos de perdão, pelos olhares tristes, vozes tímidas, sonhos e esperanças guardadas, pelas saudades, às escondidas, choradas que, descuidada ou egoisticamente, não foram, por todos, brasileiros, apercebidas e respeitadas. Ainda, que consigam voltar, fortes, saudáveis e confiantes, ao paraíso que desejam viver e, por fim, pela, incontestável, fé que têm em Deus, abençoados sejam, irmãos Nordestinos e Nortistas !!!

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 28/12/2010 - 23:28
    Enviado por: Mara Chaves

    Tamanha a beleza pude contemplar através do trabalho destas lentes fotográficas . Parabéns continue mostrando a riqueza de nosso país. boa sorte.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 29/12/2010 - 06:27
    Enviado por: JAIR ALVES SOBRINHO

    Parabéns, gostei muito do que vi nas fotos, fantástico este nosso Brasil.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 30/12/2010 - 14:22
    Enviado por: João Paulo

    Como morador da região venho aqui falar que no final desse ano de 2010 já começaram as produções em grande escala de Maçãs, Pêras e Caquis por aqui, o que ampliará a lista de frutas produzidas no pólo Petrolina/Juazeiro. Parabéns pela reportagem, acho que o brasileiro precisa conhecer as potencialidades do país que vive. Estamos acostumados a ver na Tv sobre o semi-árido e apenas mostram o lado ruim, a seca e a miséria. Sim, estamos no semi-árido porém graças ao rio São Francisco, que por sinal é o maior inteiramente brasileiro, fazemos a diferença. A exportação de frutas e vinhos andam em ritmo acelerado, além do couro animal que aqui também é bastante requisitado em países como China. Um feliz 2011, e que esse tipo de trabalho percorra todo o Brasil.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 30/12/2010 - 14:22
    Enviado por: marly

    As fotos não seriam tão belas se não existice o lugar.O Pernambucano merece tudo isso .E nos brasileiros temos orgulho disso tudo.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 30/12/2010 - 15:29
    Enviado por: Ivo Borges

    O progresso é bom, mas notem o imenso assoreamento do rio São Francisco, é preciso ter cuidado..

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 30/12/2010 - 19:47
    Enviado por: farnesio Silva

    Dizer que foi um belo ensaio fotográfico, e mesmo que reconhecer a cruz como símbolo da cristandade. Me encheu de orgulho as imagens, mesmo convivendo com elas tão próximo, pois sou jornalista a 30 anos na região. Que o restante do país possa conhecer nossa potencialidade. Tudo isso é resultado de um trabalho memorável de cientistas da Embrapa Semi árido, aqui em Petrolina, que adaptaram as variedades. Aguardem !! ! Vem aí maçã, pêra e Oliveira ( azeite de Oliva ), produzidos no vale do São francisco. Obrigado por abrir os olhos do Brasil para esse rincão que produz com alta tecnologia, fato inimaginável para muitos.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 30/12/2010 - 20:11
    Enviado por: Paulo Lima

    Fico super feliz quando vejo algo desse tipo,parabéns a esses dois profissionais super competentes que juntos estão mostrandos esse
    belissimo trabalho desenvolvido no Vale do São Francisco,Nilton Fukuda e Tiago Queiroz continuem assim,belissimas fotos e reportagem.

    Paulo
    Guarulhos – SP

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 13/01/2011 - 03:35
    Enviado por: Gustavo

    Todo mundo falou das belezas das fotos, das uvas lindas e vicosas, das belas paisagens e imponencia dos rios.

    O olhar de voces que estao dentro desse “redemoinho” chamado Brasil nao os faz prestar atencao em outros detalhes que sao muito mais importantes do que a “composicao” fotografica.

    Eu acredito que somente quando deixamos o pais e comecamos a viver outra realidade conseguimos nos pegar nesses detalhes. Voce precisa estar fora do circuito para comecar a enxergar coisas que, se estivessemos de dentro, nao conseguiriamos ver. Vou citar alguns exemplos abaixo:

    Na foto “Menino vendedor de milho verde e mungunzá” vemos um menino de uns 12, 13 anos exposto na rua a noite, pois pelo amarelado da luz da foto e nos arredores percebe-se que ou eh um entardecer e comeco da noite. Sera que esse menino eh o dono do carrinho de Milho? Esse menino estuda? Voces nao acham que um menino desses, a uma hora dessas nao deveria estar no aconchego do seu lar com sua familia fazendo a licao de casa?

    Tipos de situacoes como essa que ninguem nessas dezenas de comentarios reparou e falou da “grandiosidade” e das “belezas” das fotos nao tiveram sensibilidade para ver que o menino esta ali, passando perrengue, tendo que trabalhar na parte da noite – provavelmente deve receber uma merreca para estar ali ao invez de estar em casa. Isso ja nao choca mais voces.

    Nesta mesma foto, olhem atras do menino, do outro lado da rua, onde ha um fusca com o adesivo da estrela “13″ do PT. Vejam a quantidade de lixo que se tem no chao. Isso eh outra coisa que tambem nao choca mais o povo brasileiro, pois estao tao acostumados em ver esse tipo de situacao que passa despercebido.

    Agora deixo um dever de casa: vao passando em cada foto e tentem reparar nos detalhes, mas tentem ver de uma forma diferente. Se imaginem vivendo em um pais mais justo, onde o Trabalhador da Vinícola Terroir do São Francisco protege-se do sol forte do semi-árido com panos e camisetas, nao use como seu instrumento de trabalho um galao cortado ao meio, amarrado com fio e um cano de eletricidade para nao ferir seu ombro. Tentem desenvolver essa visao e vejam com seus proprios olhos que ainda falta muito para que consigamos ter mais dignidade e igualdade nesse pais lindo e maravilhoso como voces estao falando ai em cima.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 25/01/2011 - 13:38
    Enviado por: Antonio Norberto

    Lendo a reportagem e vendo as fotos cujas imagens dão vida ao texto e cotejando ambas com as mais variadas opiniões aqui blogadas, observo que o jornlista Tiago Queiroz, cumpriu sua missão de bem infiormar ao leitor. Até aí, nada de mais, é seu trabalho e ele o fez bem feito. O que me chamou atenção foi -o mais- há ALMA nesse trabalho e é isso o que fez e faz a diferença.

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 26/01/2011 - 11:27
    Enviado por: maria amelia duarte flores

    Olá, já visitei o Vale, eu adorei. É a cara do Brasil. As tuas fotos estão espetaculares. Sucesso!

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 02/02/2011 - 19:16
      Enviado por: tiago queiroz

      Olá Maria Amelia, muito obrigado pelo comentário. Os parreirais, as duas cidades, o rio… valem mesmo ser visitados e conhecidos! um grande abraço

  • 03/02/2011 - 21:14
    Enviado por: Valdir Sanches

    Tiago, grandes fotos, belo texto. Gostaria de ter feito matéria com você no Velho Chico. Você ia adorar navegar nas “gaiolas” a vapor, como aquelas do Mississipi. Pena que, naquela época, você não tinha nasciido…

    responder este comentáriodenunciar abuso
    • 05/02/2011 - 18:39
      Enviado por: tiago queiroz

      Fala Valdir, muito obrigado pelas palavras! Gostaria de ter tido esta experiência de ter navegado pelo São Francisco à bordo de uma dessas “gaiolas” a vapor. É uma pena o rio estar tão assoreado do jeito que está, fato bastante mencionado nos comentários por aqui escritos. Por essa valia a pena ter “nascido antes”. Grande abraço e boas materias esse ano pra você!

  • 19/03/2012 - 20:40
    Enviado por: BACCHUS IN TROPICS – THE WINE WOMEN WORKERS IN SÃO FRANCISCO VALLEY – BRAZIL | baconostropicos

    [...] “A existência de vinícolas no Vale do Rio São Francisco, região do semi-árido, seria encarada anos atrás como uma espécie de lenda, um mito, como o Nego d´água, a Rasga Mortalha e a Mãe da Lua, esses personagens que habitam a memória dos antigos moradores das barrancas do rio. Mas de fato elas existem, as primeiras instalaram-se nos anos 80 na região, próximas à cidade de Petrolina, no estado de Pernambuco, favorecidas por um projeto de irrigação utilizando as águas do Velho Chico.” - Matéria no Estadão, fonte: http://blogs.estadao.com.br/olhar-sobre-o-mundo/vale-do-sao-francisco/ [...]

    responder este comentáriodenunciar abuso
  • 17/04/2012 - 08:34
    Enviado por: Baco nos Tropicos » BACCHUS IN TROPICS – THE WINE WOMEN WORKERS IN SÃO FRANCISCO VALLEY – BRAZIL

    [...] “A existência de vinícolas no Vale do Rio São Francisco, região do semi-árido, seria encarada anos atrás como uma espécie de lenda, um mito, como o Nego d´água, a Rasga Mortalha e a Mãe da Lua, esses personagens que habitam a memória dos antigos moradores das barrancas do rio. Mas de fato elas existem, as primeiras instalaram-se nos anos 80 na região, próximas à cidade de Petrolina, no estado de Pernambuco, favorecidas por um projeto de irrigação utilizando as águas do Velho Chico.” - Matéria no Estadão, fonte: http://blogs.estadao.com.br/olhar-sobre-o-mundo/vale-do-sao-francisco/ [...]

    responder este comentáriodenunciar abuso

Deixe um comentário: