1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Kruger Park – safári e preservação

Nilton Fukuda

segunda-feira 05/07/10

O Kruger Park, em Mbombela, é o maior dos parques nacionais sul-africanos (19 mil km²). São 1.885 funcionários permanentes, 202 temporários e 64 estagiários. Esses são os funcionários do governo. Além deles, há os empregados das oito empresas que mantêm hotéis dentro do parque e das três que operam restaurantes, lojas e áreas de piquenique.

Os parques nacionais sul-africanos não têm os problemas usuais das reservas brasileiras – garimpo, extração de madeira e pesca ilegais. Seu desafio são as quadrilhas de caçadores clandestinos e traficantes de chifres de rinoceronte, assim como de carne de antílopes. No caso dos chifres, elas atingem a sofisticação do narcotráfico, empregando helicópteros, armas e munições soníferas, de uso controlado para veterinários.

De janeiro para cá, cerca de 100 rinocerontes foram mortos nos parques nacionais – 33 só no Kruger Park. Em todo o ano passado, haviam sido 122, o que indica um crescimento. Os criminosos imobilizam os rinocerontes com os soníferos – ou com munição convencional -, arrancam seus chifres e os abandonam a uma morte lenta e dolorosa. Este ano foram presos 25 suspeitos. O marfim do chifre tem diversas aplicações. No Oriente Médio, é usado nos cabos de punhais e facas de luxo. Na China e noutros países asiáticos, é moído, e o pó, utilizado em remédios tradicionais.
Leia matéria.
Veja vídeo.

Texto: Louriva Sant’Anna
Fotos: Evelson de Freitas

Carona: pássaros são observados em cima de uma zebra. 01/07/2010. Foto: Evelson de Freitas /AE

Carona: pássaros são observados em cima de uma zebra. 01/07/2010. Foto: Evelson de Freitas /AE

Kruger Park, maior reserva estatal da África do Sul tem uma área de 19 mil km², é estruturado com vários hotéis e tem inúmeras opções de safáris. 02/07/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Kruger Park, maior reserva estatal da África do Sul tem uma área de 19 mil km², é estruturado com vários hotéis e tem inúmeras opções de safáris. 02/07/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

As zebras são vistas facilmente durante o dia, nas estradas que cruzam o parque. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

As zebras são vistas facilmente durante o dia, nas estradas que cruzam o parque. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Os visitantes não podem sair dos carros mas podem circular por todo o parque. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Os visitantes não podem sair dos carros mas podem circular por todo o parque. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

A preservação dos animais no parque aponta um aumento no números de várias espécies, como as girafas, que somam mais de 4 mil espalhadas pela área de preservação. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

A preservação dos animais no parque aponta um aumento no números de várias espécies, como as girafas, que somam mais de 4 mil espalhadas pela área de preservação. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Em jipes Isuzu e Land Rover, os safáris percorrem a região levando os turistas para passeios, que normalmente duram 3 horas. O motorista e guia são treinados para saber aonde e como encontrar o maior número de animais.2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Em jipes Isuzu e Land Rover, os safáris percorrem a região levando os turistas para passeios, que normalmente duram 3 horas. O motorista e guia são treinados para saber aonde e como encontrar o maior número de animais.2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

As saídas são noturnas ou às 5:30 da manhã. Faz muito frio na carroceria e muitas vezes o turista tem que enfrentar a chuva. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

As saídas são noturnas ou às 5:30 da manhã. Faz muito frio na carroceria e muitas vezes o turista tem que enfrentar a chuva. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

A maior população de animais é sem dúvida de veados de várias espécies como gazelas e impalas. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

A maior população de animais é sem dúvida de veados de várias espécies como gazelas e impalas. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Os vários rios e lagos do parque abrigam os hipopótamos. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Os vários rios e lagos do parque abrigam os hipopótamos. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

As girafas cativam os visitantes. Elas se aproximam muito das estradas e são facilmente vistas pela sua altura. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

As girafas cativam os visitantes. Elas se aproximam muito das estradas e são facilmente vistas pela sua altura. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Os macacos andam em bandos e cruzam as estradas em busca de frutas. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Os macacos andam em bandos e cruzam as estradas em busca de frutas. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Os guias, além de encontrar os animais, dão informações sobre as espécies. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Os guias, além de encontrar os animais, dão informações sobre as espécies. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Quinus são sempre vistos juntos com as zebras e girafas. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Quinus são sempre vistos juntos com as zebras e girafas. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

O pássaro Southern Groud Hornbill esta entre as três espécies de aves ameaçadas de extinção na Africa do Sul. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

O pássaro Southern Groud Hornbill esta entre as três espécies de aves ameaçadas de extinção na Africa do Sul. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

As gazelas são os animais mais vistos no parque e andam em bandos. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

As gazelas são os animais mais vistos no parque e andam em bandos. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Elefantes não se incomodam com os carros, entretanto, muitas vezes, o visitante espera por muito tempo até que o elefante cruze a pista e volte para a savana. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Elefantes não se incomodam com os carros, entretanto, muitas vezes, o visitante espera por muito tempo até que o elefante cruze a pista e volte para a savana. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Baduínos também andam em grupos e são vistos no final das tardes. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Baduínos também andam em grupos e são vistos no final das tardes. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Casal de alemães durante um dos safáris, numa madrugada fria e chuvosa. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Casal de alemães durante um dos safáris, numa madrugada fria e chuvosa. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

Pássaro durante o amanhecer. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

Pássaro durante o amanhecer. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

Os búfalos fazem parte dos "big five" que são os cinco maiores animais mais apreciados pelos sul-africanos. 2/7/2010. Foto: Evelson de freitas / AE

Os búfalos fazem parte dos "big five" que são os cinco maiores animais mais apreciados pelos sul-africanos. 2/7/2010. Foto: Evelson de freitas / AE

As atividades econômicas como os hotéis, safaris, venda de artesanaos geram arrecadação e ajudama prservar os parque e os animais. Na África do Sul exixtem 19 parque nacionais privados. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

As atividades econômicas como os hotéis, safaris, venda de artesanaos geram arrecadação e ajudama prservar os parque e os animais. Na África do Sul exixtem 19 parque nacionais privados. 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

A caça é proibida em todos os parques nacionais, mas permitida, de forma controlada, em reservas privadas. Para abater um animal paga-se uma espécie de imposto. Apesar de seu aspecto brutal, a caça também tem impulsionado a criação de reservas e a expansão do número de animais. Os preços variam, mas, na média, para caçar um leão pagam-se 500 mil rands (US$ 67 mil); um leopardo, 75 mil rands (US$ 10 mil); um rinoceronte branco, 650 mil rands (US$ 87 mil). 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

A caça é proibida em todos os parques nacionais, mas permitida, de forma controlada, em reservas privadas. Para abater um animal paga-se uma espécie de imposto. Apesar de seu aspecto brutal, a caça também tem impulsionado a criação de reservas e a expansão do número de animais. Os preços variam, mas, na média, para caçar um leão pagam-se 500 mil rands (US$ 67 mil); um leopardo, 75 mil rands (US$ 10 mil); um rinoceronte branco, 650 mil rands (US$ 87 mil). 2/7/2010. Foto: Evelson de Freitas/AE

O desenvolvimento sustentável é aplicado em todo o paque, inclusive empregando a população em torno do local e vendendo artesanatos das comunidades vizinhas. 1/7/2010.  Foto: Evelson de Freitas / AE

O desenvolvimento sustentável é aplicado em todo o paque, inclusive empregando a população em torno do local e vendendo artesanatos das comunidades vizinhas. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

Nos parques nacionais, o governo entrega concessões para empresas privadas operarem hotéis, safáris, restaurantes e lojas. Muitos fazendeiros visinhos aos parques estão deixando o setor da agropecuária e investindo no ecoturismo. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

Nos parques nacionais, o governo entrega concessões para empresas privadas operarem hotéis, safáris, restaurantes e lojas. Muitos fazendeiros visinhos aos parques estão deixando o setor da agropecuária e investindo no ecoturismo. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

Segundo o último censo feito em 2005, Os elefantes, por exemplo, aumentaram de 7.454, em 1980, para 12.470. São os preferidos dos turístas. 1/7/2010.  Foto: Evelson de Freitas / AE

Segundo o último censo feito em 2005, Os elefantes, por exemplo, aumentaram de 7.454, em 1980, para 12.470. São os preferidos dos turístas. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

Para ver os felinos o turista tem que contar com a sorte. Normalmente só são vistos a noite. Em compensação as girafas podem ser vistas em todos os horários. 2/7/2010. Foto Evelson de Freitas/AE

Para ver os felinos o turista tem que contar com a sorte. Normalmente só são vistos a noite. Em compensação as girafas podem ser vistas em todos os horários. 2/7/2010. Foto Evelson de Freitas/AE

Os javalis também podem ser vistos pelo local. 1/7/2010. Foto Evelson de Freitas/AE

Os javalis também podem ser vistos pelo local. 1/7/2010. Foto Evelson de Freitas/AE

O número de visitantes do parque subiu 7,8% no último ano, de 1,32 milhão para 1,43 milhão. Os hotéis estavam praticamente todos lotados essa semana, nas férias de inverno. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

O número de visitantes do parque subiu 7,8% no último ano, de 1,32 milhão para 1,43 milhão. Os hotéis estavam praticamente todos lotados essa semana, nas férias de inverno. 1/7/2010. Foto: Evelson de Freitas / AE

Animais cruzam a estrada, durante passagem de turistas. Foto: Evelson de Freitas/AE

Animais cruzam a estrada, durante passagem de turistas. Foto: Evelson de Freitas/AE

comentário(s)
Denunciar

Denúncia comentário feito por

Você pode digitar 600 caracteres.

Denuncie

comentário(s)
faca seu login no estadão

Entrar Esqueci minha senha

ou use o cadastro de outras contas:

Ainda não tem cadastro? Faça Agora!

Quero me cadastrar

Aviso:Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

comentário

Responder

Você pode digitar 600 caracteres.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.