1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Chernobyl, 25 anos depois

Natália Russo

terça-feira 26/04/11

No dia 26 de abril de 1986, a usina de Chernobyl, na então União Soviética, mostrou ao mundo o poder de destruição da energia nuclear da forma mais trágica possível. Originalmente chamada de Vladimir Lenin, a usina localizada na atual Ucrânia, foi palco do que é considerado o pior acidente nuclear da história. A consequência do desastre foi mantida em segredo por mais de 20 anos.

A radioatividade se expandiu como uma nuvem, chegando à outras áreas da União Soviética, Europa Oriental, Escandinávia e o Reino Unido. A explosão no reator 4, que espalhou partículas radioativas a mil metros de altura, foi considerada cem vezes mais potente que as bombas lançadas sob Hiroshima e Nagasaki, no Japão.

Bombeiros, jornalistas, técnicos e operários foram expostos à radioatividade sem proteção ou informação sobre as consequências. Pessoas que tiveram contato indireto com a radiação morreram ao longo dos anos e, oficialmente, somente na Ucrânia, 2,3 milhões de habitantes sofreram com as consequências do desastre.

Placa para alertar sobre a radiação al redor dos 30km da usina de Chernobyl. Ucrânia, 28/03/2006. Foto: Damir Sagolj/Reuters

Primeira foto tirada da usina de Chernobyl horas após a explosão. O fotógrafo, Anatoliy Rasskazov, relatou que qualidade da foto foi afetada após o contato do filme com as partículas radioativas do ar e falhas na máquina. 26/04/1986. Foto: Anatoliy Rasskazov/AP

Helicóptero joga concreto para sela o reator 4 da usina. 1986. Foto: Vladimir Repik/Reuters

Fotos e máscara de gás em jardim de infância na cidade de Pripyat, na Ucrânia. 13/04/2006. Foto: Gleb Garanich/Reuters

Memorial dedicado aos bombeiros que combateram os incêndios nos reatores em Chernobyl. Ucrânia, 26/04/2010. Foto: Konstantin Chernichkin/Reuters

Helicópteros e caminhões que foram utilizados para combater a explosão da usina continuam contaminados. Rossoha, 21/04/2001. Foto: Arquivo/Reuters

Trabalhadores comemoram o fim do primeiro estágio da selagem do reator 4 de Chernobyl. Novembro de 1986. Foto: Arquivo/Reuters

Mulheres dos bombeiros que combateram os incêndios em Chernobyl mostram as fotos dos maridos, vítimas da radiação, em Kiev. Ucrânia, 14/12/2007. Foto: Konstantin Chernichkin/Reuters

Imagem aérea do reator 4 de Chernobyl. Maio de 1986. Foto: Arquivo/Reuters

Irina Grigorovna é moradora ilegal da linha de exclusão ao redor de Chernobyl. 02/04/2006. Foto: Damir Sagolj/Reuters

Máscara de gás para crianças e uma boneca são vistas em jardim de infância abandonado na cidade de Pryppiat. 04/04/2011. Foto: Gleb Garanich/Reuters

Potro afetado pela radiação. Chernobyl, 25/04/1990. Foto: Reprodução

Centro de controle do reator 4, na usina. 24/02/2011. Foto: Gleb Garanich/Reuters

Combo de fotos tiradas em 1982 e 2011, em Prypiat. Foto: Vladimir Repik e Gleb Garanich/Reuters

Makar Krosovski visita sua casa abandonada pouco tempo depois da explosão de Chernobyl. 21/02/2011. Foto: Vasily Fedosenko/Reuters

Paciente com câncer em tratamento especial no hospital Donetsk. 05/04/2006. Foto: Alexander Khudotioply/Reuters

Em 1996, inspetores voltam a Chernobyl para verificar o nível de radiação. Março de 1996. Foto: Arquivo/Reuters

Usina de Chernobyl. 10/11/2000. Foto: Efrem Lukatsky/AP

Policial ucraniano descontamina ônibus para levar trabalhadores para selagem do reator 4, em Chernobyl. 1986. Foto: Vladimir Repik/Reuters

Cidade abandonada de Prypiat em 1992 e março de 2011. Foto: Vladimir Repik e Gleb Garanich/Reuters

Área ainda contaminada pela radiação do reator 4. 15/04/2011. Foto: Gleb Garanich/Reuters

Prypiat, 1992 e março de 2011. Foto: Vladimir Repik e Gleb Garanich/Reuters

Moradora de Kapachy, Anastasiya Chekalovets, 86, mostra a lápide de seu marido que faleceu com a radiação. 15/04/2011. Foto: Gleb Garanich/Reuters

Dois dias após a explosão do reator 4, em Chernobyl. 28/04/1986. Foto: Arquivo/AP

Ekaterina Kozel chora com vilarejo Tulgovichi praticamente abandonado. 22/03/2011. Foto: Sergei Grits/AP

Engenheiros inspecionam o único reator que ainda funcionava em 1999. Foto: Efrem Lukarsky/AP

Helicóptero espalha produto para tentar descontaminar a área afetada pela explosão do reator 4 de Chernobyl. 13/06/1986. Foto: Itar-Tass/Reuters

Yulia Kostina, 9, sofria de câncer na tireoide, causado pela radiação 14 anos depois do desastre de Chernobyl. Kiev, 30/11/2000. Foto: Efrem Lukatsky/AP

Fumaça ainda é emitida do reator 4, em Chernobyl. 27/04/1986. Foto: Vladimir Repik/Reuters

Jardim de Infância em Prypiat. 31/03/2006. Foto: Damir Sagolj/Reuters

Monumento de comemoração da Segunda Guerra Mundial, em Prypiat. 24/02/2011. Foto: Alexander Zemlianichenko/AP

Cemitério do vilarejo de Kapachy, na zona de 30km ao redor de Chernobyl. 15/04/2011. Foto: Gleb Garanich/Reuters

Hospital abandonado de Prypiat. 31/03/2006. Foto: Damir Sagolj/Reuters

Fotos dos bombeiros que detiveram o fogo no reator 4. 03/04/2006. Foto: Damir Sagolj/Reuters

Vika Chervinska, 8, mostra a foto com sua irmã antes de descobrir câncer de tireoide, em Kiev. Foto: Damir Sagolj/Reuters

Parque de diversões abandonado em Prypiat. 31/03/2006. Foto: Damir Sagolj/Reuters

Chernobyl. 15/04/2011. Foto: Gleb Garanich/Reuters

comentário(s)
Denunciar

Denúncia comentário feito por

Você pode digitar 600 caracteres.

Denuncie

comentário(s)
faca seu login no estadão

Entrar Esqueci minha senha

ou use o cadastro de outras contas:

Ainda não tem cadastro? Faça Agora!

Quero me cadastrar

Aviso:Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

comentário

Responder

Você pode digitar 600 caracteres.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.