1. Usuário
Assine o Estadão
assine

A pizza do papai e o amor à distância

Ricardo Brandt

29 agosto 2014 | 15:23

Quatro anos atrás eu tinha a certeza que o mais importante a fazer era ficar mais tempo em casa para acompanhar e cuidar das minhas filhas nos primeiros anos de vida. A Beatriz e a Helena não passavam de uma ideia na cabeça do papai e dois grãos, do tamanho de um feijão, na barriga da mamãe.

Por conta, tirei um sabático de quase um ano: pedi demissão do jornal, voltei a morar no interior, troquei o apartamento por um quintal-churrasqueira-piscina, deixei de lado a correria de redação, as viagens em cima da hora e os dias longe de casa.

As gêmeas nasceram há três anos: 10 de agosto de 2011. Data em que o papai também nasceu de novo. Não vão te contar isso durante a gravidez, mas quando nascem os filhos,  abrimos uma nova contagem no cronômetro da vida.

Descobri que sou tão criança quanto a Bia e a Lelê. E que tenho que aprender muita coisa nessa nova vida. Uma delas é lidar com a saudade e a ausência. Na semana que antecedeu o Dia dos Pais, as gêmeas tiveram um dia do papai no colégio. Juntas, ajudaram a montar uma pizza, que deveria ter sido feita pelo homenageado: o papai ausente.

Não ligo para a data. Não sou comerciante que vive de venda. Sou papai 365 dias por ano. O que me fez rebolar, para não desabar à distância, foi minha ausência. A mamãe virou papai. Em casa de gêmeos, papai é mamãe, mamãe é papai e vovós e vovô também servem de papai e mamãe.

Cheguei de Recife (PE) no sábado. Domingo, era dia 10 de agosto. Mais que Dia dos Pais, foi aniversário de 3 anos da Beatriz e da Helena – e do papai e da mamãe, em suas novas vidas. As pequenas voaram no pescoço quando entrei em casa, as duas ao mesmo tempo. Preencheram num segundo o espaço imenso de amor que existe entre o papai bebê e suas gêmeas – algo que transcende distâncias e presenças físicas.

Uma em cada braço, me arrastaram aos beijos e apertos para o congelador para mostrar a pizza que fizeram em homenagem ao papai. A mais saborosa pizza que comi em todas essas minhas duas vidas.