1
Modo Arcade

Você tem medo do que?

Fobias não são coisas simples, apenas “medos”, como muita gente acredita. O problema é sério e quem sofre com esses distúrbios tem verdadeiros bloqueios a objetos ou situações específicas que despertam pânico. Por isso os fóbicos são muito cuidadosos com o que consomem e onde vão.

Andrew Rasmsussen teve problemas com isso. Ele queria um game sem aranhas para que sua esposa, aracnofóbica, pudesse jogar. Paul Mayfield estava enfrentando um problema diferente com sua namorada, o que levou os dois a se unirem para criar o GamePhobias.com, um banco de dados na internet que aponta “conteúdos ofensivos” em games. É como um guia que aponta quais jogos podem ser jogados sem problemas por quem lida com determinadas fobias.

Mas o que é “conteúdo ofensivo”? Depende da fobia de cada um. O site lista, por exemplo, jogos que têm agulhas, pois há gente que não pode ver esse objeto, que para outros é insignificante e não desperta nada. Claro que há categorias mais incisivas, como racismo, tortura e suicídio, mas tudo o que provoca fobia pode ser listado. O site, então, mostra o que o título tem que pode ser ofensivo, em que situação ou cena e se esse conteúdo pode ser evitado.

Obviamente o site não lista tudo de todos os jogos, e é aí que a comunidade de jogadores entra. O GamePhobias é gerenciado apenas pena dupla e, consequentemente, é impossível jogar e relacionar tudo. Por isso eles pedem a ajuda aos que puderem incrementar o banco de dados.

“Aqui no GamePhobias, nossa principal preocupação é ter a certeza de que os jogos são um ambiente seguro e confortável para os jogadores e seus entes. Por isso criamos esse site, para ajudá-los a saber quais tipos de conteúdo os games tê. Assim, eles têm como saber qual título jogar e qual evitar com base no tipo de conteúdo com os quais se sentem confortáveis”, diz o texto de introdução do site.

Mesmo que você não tenha fobia, vale a pena dar uma olhada para conhecer o trabalho de Mayfield e Rasmsussen – é simples, mas de grande valia para a comunidade de jogadores. Ou até mesmo ajudá-los, por que não? O site é colaborativo e tem até um manual que explica como especificar os conteúdos dos jogos (clique aqui).

Fonte: GamesIndustry

Tópicos relacionados