1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

Prof. Dr. JOEL RENNÓ JR Ph.D em Ciências. Professor Colaborador Médico do Departamento de Psiquiatria da FMUSP. Diretor do Programa de Saúde Mental da Mulher do Instituto de Psiquiatria da USP (IPq-USP). Coordenador da Comissão de Estudos e Pesquisa da Saúde Mental da Mulher da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Médico do Corpo Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein - SP.
segunda-feira 06/10/14 22:55

O fenômeno do exorcismo praticado nas igrejas neopentecostais

AUTORES: Joel Rennó Jr e Sérgio de Oliveira Pedro (aluno do último semestre de psicologia e estagiário do Programa de Saúde Mental da Mulher do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP). Esse artigo foi elaborado a partir de um Seminário realizado na Faculdade de Medicina da USP. ARTIGO

Ler post
quinta-feira 25/09/14 17:19

Maconha e Paranóia

Em minha prática clínica atual, tem sido cada vez mais comum jovens usuários de maconha apresentando quadro de paranóia, um delírio de conteúdo persecutório entre outros sintomas psicóticos graves. Alguns indivíduos parecem vulneráveis à paranóia induzida pela exposição ao tetrahidrocanabinol (THC) presente em cannabis e o mecanismo para este efeito é pouco compreendido. Confesso que

Ler post
quinta-feira 18/09/14 01:32

Podemos prevenir comportamentos violentos ou de risco no adulto?

Intervenções precoces em crianças com desvios de conduta podem se manter até a idade adulta, segundo vários estudos científicos relevantes atuais. Um impactante estudo publicado no American Journal of Psychiatry (2014) e intitulado “Impacto da Intervenção Precoce na Psicopatologia, Crime e bem-estar aos 25 anos” comprova isso O Projeto selecionava crianças  agressivas e com desvios

Ler post
quarta-feira 03/09/14 09:37

Decisão polêmica da liberação de moderadores de apetite

  Na última terça, 02/09/2014, o Senado Federal liberou a venda de derivados anfetamínicos (femproporex, mazindol e anfepramona) que estavam proibidos pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) desde 2011. Essas drogas agem no hipotálamo, região do cérebro que controla a fome e a saciedade influenciando a circulação de mensagens químicas que regulam o apetite

Ler post
sexta-feira 29/08/14 04:52

TV brasileira e o estereótipo feminino

As telenovelas, os programas de entretenimento e séries televisivas brasileiros têm dedicado grande parte de seu tempo à comédia.  Muitos desses programas acabam, voluntaria ou involuntariamente, reforçando certos estereótipos tradicionais femininos- em plena segunda onda do feminismo. Há geralmente três tipos de papéis de gênero para as mulheres: a mulher tradicional, a mulher liberada e

Ler post
segunda-feira 18/08/14 23:09

Crise econômica e risco de suicídio nos jovens

O número total de suicídios teve aumento significativo no Brasil. Passou de 6.743 para 10.321 no mesmo período, uma média de 28 mortes por dia. As taxas de suicídio são muito superiores às mortes associadas à depressão porque, na maioria dos casos, o atestado de óbito não traz a doença como causa associada. No período

Ler post
sexta-feira 01/08/14 23:40

Ocitocina é o hormônio do bem ou do mal?

Há muito tempo o hormônio ocitocina foi caricaturado como a fonte de toda a bondade humana – a confiança, o altruísmo, o amor e a moralidade. Várias descobertas contribuiram para esta imagem como o efeito positivo da ocitocina sobre a confiança, a generosidade em jogos financeiros e no reconhecimento de faces. As mulheres ficaram sempre

Ler post
quarta-feira 23/07/14 01:28

O efeito da tristeza na personalidade

Todos sempre esperam que determinados traços de personalidade se mantenham estáveis ao longo da vida, excetuando-se, é claro, extremos de doença ou trauma. De fato, o aspecto central da definição de personalidade é que ele descreve tendências difusas no comportamento de uma pessoa e as formas de se relacionar com o mundo. No entanto, um

Ler post
quarta-feira 09/07/14 16:53

É injustiça vilanizar o Felipão

Que o futebol brasileiro vem sendo mal administrado e gerenciado há muito tempo todos nós sabemos. A CBF precisaria ter a coragem, isenção e atitude de fazer um amplo processo de reestruturação e reformulação. Os dirigentes dos grandes clubes brasileiros são coniventes também. O Brasil, desde as categorias de base, não vem formando mais atacantes

Ler post