1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Exclusivo: Simulado de Ciências da Natureza

Mateus Prado

segunda-feira 28/07/14

Para te ajudar a entender o cálculo da nota do ENEM pela TRI, reorganizamos as questões da prova de Ciências da Natureza de 2012 pela ordem de dificuldade.

Primeiramente, gostaríamos de agradecer a todos que participaram do projeto dos Simulados. Muitas pessoas fizeram a prova de matemática, foi um sucesso!

Para quem não leu o artigo da semana passada, explicamos: em parceria com a startup Evolucional, elaboramos um simulado que proporciona ao aluno a experiência de resolver a prova aplicada em 2012 na ordem de dificuldade das questões (das mais fáceis para as mais difíceis). A reorganização das questões foi feita com base na quantidade de acertos que cada questão teve na aplicação oficial (conforme os dados publicados pelo Inep). Essa experiência é importante pois torna possível a observação da variação da nota conforme a coerência do caminho percorrido pelo aluno ao resolver as questões (se ele acerta as primeiras questões – as mais fáceis – sua nota é maior na TRI). Outra vantagem é que, grosso modo, o simulado permite que o aluno identifique a partir de qual questão ele precisa estudar.

Quem não fez, ainda pode fazer a prova de Matemática. Você encontra o link no final dessa página. A partir do conjunto de resultados que já chegaram, pudemos elaborar o gráfico abaixo, que demonstra a variação da nota conforme a quantidade de acertos na prova de Matemática.

Perceba que, mesmo entre os alunos que acertaram a mesma quantidade de questões, há uma variação na nota obtida. Por exemplo, dentre os alunos que acertaram 20 questões, temos notas que variam entre 470 e 600. Essa variação acontece em decorrência de “quais” são as questões acertadas: se as questões corretas estiverem mais concentradas no início da barra de acertos do nosso simulado (veja imagem que publicamos na semana passada), a coerência das suas respostas é maior e por isso a sua nota é um pouco maior.

Alguns alunos mandaram mensagens para essa coluna, receosos com essa dinâmica do cálculo da nota, e aproveitamos para respondê-los aqui. É natural que, ao responder a prova, você acerte as questões mais fáceis e erre as mais difíceis. É bastante improvável que você erre muitas fáceis e acerte muitas difíceis, além disso, errar algumas fáceis não prejudica muito a sua nota. O gráfico acima mostra que, ainda que haja uma variação na nota dentro de cada grupo de acertos, essa variação não é tão grande a ponto de algum aluno ficar afastado da linha de tendência.

Para mostrar como ficaria a posição, no gráfico, de um aluno que acertou as 30 questões mais difíceis e errou as 15 mais fáceis, incluímos o ponto vermelho (com box indicativo). Esse ponto é a simulação da nota de alguém que preencheu o formulário com o gabarito divulgado pelo Inep, mas indicou (intencionalmente) a alternativa errada nas 15 primeiras. O teste calhou muito bem para utilizarmos como exemplo! Veja que, ao fazer esse percurso improvável, sua nota se afasta muito da tendência.

Mas vamos lá. Nessa semana, sua nova missão é resolver o simulado de Ciências da Natureza.

Para baixar o simulado de Ciências da Natureza, clique no link abaixo:

www.mateusprado.org.br/prova-enem-2012-nat-reordenada-dificuldade.zip

Fizemos, da mesma forma que na semana passada, uma simulação com as possibilidades mais extremas de agrupamento dos acertos. Veja só:

Vamos antecipar algumas discussões. A primeira é a seguinte: A mesma quantidade de acertos, em Matemática e em Ciências da Natureza, acarreta em notas diferentes. Observe que Luiza, que acertou as 20 mais fáceis em ambas as provas, obteve a nota 615,8 em Matemática e 573,8 em Ciências da Natureza. Já Rafael, outro extremo (acertou as 20 mais difíceis em ambas as provas), ficou com 301,5 em Matemática e com 333,2 em Ciências da Natureza. Raquel, aquela aluna que teve um padrão de acertos mais comum, obteve 587,1 em Matemática e 559,6 em Ciências da Natureza. Mas por que?

A nota do ENEM é determinada pela Teoria de Resposta ao Item (TRI) que, por sua vez, utiliza o desvio padrão. A nota 500 é fixada como referência, ela representa a média dos alunos concluintes do Ensino Médio da rede pública brasileira em 2009 (quando foi implantado o novo ENEM), e a nota dos outros alunos varia a cada unidade do desvio-padrão. Ou seja, a nota é dada pela distância do valor de referência (fixado em 500). Como, em Matemática, os alunos costumam acertar menos questões, a média nacional nessa área do conhecimento foi menor que nas outras três. Para ter 500, em Matemática, é preciso acertar menos questões do que em Ciências da Natureza. Os alunos que acertam mais questões, em Matemática, acabam ficando com uma distância maior da média. Vamos dar um exemplo (esses valores não são exatos, cuidado): se a média nacional é 10 em Matemática e 15 em Ciências da Natureza, e um aluno acertou 40 questões nas duas provas, ele está a uma “distância” de 30 questões da média em Matemática e de 25 pontos da média em Ciências da Natureza. Portanto, sua distância da média é maior em Matemática e por isso ele terá uma nota maior nessa prova.

Para baixar o simulado de Ciências da Natureza, clique no link abaixo:

www.mateusprado.org.br/prova-enem-2012-nat-reordenada-dificuldade.zip

Avante à segunda discussão. Essa questão nós iremos somente problematizar. Ao responder a prova de Matemática, seus conhecimentos dessa área do conhecimento, junto de suas capacidades cognitivas, foram mobilizados. Até aí, ok. Já em Ciências da Natureza, você terá de mobilizar seus conhecimentos ligados às disciplinas de Biologia, Química e Física, além de outros que você aprende por aí. É claro, o ENEM cobra habilidades e competências (8 em Ciências da Natureza) e não exatamente essas 3 disciplinas, mas normalmente as habilidades são avaliadas a partir de alguns objetos de conhecimento e por isso vamos generalizar aqui que essa prova passa por essas 3 disciplinas. O objetivo do ENEM é justamente integrar esses três campos, torná-los mais palpáveis e ligados à vida real dos indivíduos, o que é excelente. Certo. Mas especificamente sobre esse simulado, vamos considerar que a maioria dos alunos ainda separa esses conhecimentos em “três caixinhas”.

Dito isso, ao considerar que classificamos as 45 questões na ordem da quantidade de acertos dos alunos que fizeram o exame (ordem de dificuldade) e que o aspecto “conteúdo relacionado” foi descartado na distribuição das questões ao longo da prova (ou seja, pode ser que as questões de uma disciplina tenham ficado mais no início e de outra disciplina mais no final), é possível pensar que outros fatores podem influenciar no agrupamento dos seus acertos ao longo da prova (mais pro início ou final), sendo o principal deles a afinidade que cada aluno tem com cada uma das três disciplinas (biologia, química e física). Hipóteses: Quem sabe um aluno que adora física, mas não estuda nada de biologia e química, fique com a nota menor caso as questões de física tenham ficado ao final do simulado (por terem sido mais difíceis para a média dos alunos testados em 2012)? Ou quem sabe a distribuição ao longo da prova (e da escala de dificuldade) contemple igualmente as três disciplinas? Quem sabe a correlação entre a distribuição dos acertos ao longo da nossa barra e a nota final obtida não seja tão forte em Ciências da Natureza como em Matemática? Vamos ver!

Boa resolução!

Para baixar o simulado de Ciências da Natureza, clique no link abaixo:

www.mateusprado.org.br/prova-enem-2012-nat-reordenada-dificuldade.zip

Para ler o primeiro artigo da série e resolver a prova de Matemática (ainda dá tempo), acesse o link abaixo:

http://blogs.estadao.com.br/mateus-prado/o-primeiro-simulado-que-te-ajuda-a-entender-o-calculo-da-nota-do-enem/

Para nos enviar as suas respostas e receber a sua nota calculada conforme a TRI, acesse:

http://cursinhohenfil.evolucional.com.br/

Ana Paula Dibbern

É formada em História pela Universidade de São Paulo (USP), atua na área editorial e é assessora pedagógica do Cursinho Henfil.

Orientação: Mateus Prado