1. Usuário
Assine o Estadão
assine

furacão, tempestade, chuva ou borrasca?

Marcelo Rubens Paiva

quarta-feira 22/05/13

BORRASCA é aquela chuva que parece que vai arrasar a cidade, mas dura pouco. Uma tempestade rápida. Eu não sabia disso. Quando o MARIÃO [BORTOLOTTO] falou da sua peça nova, explicou o título. O cara é bom de título… Nossa história se confunde: pode ser um toró ou uma chuva passageira, que ilude. A ideia [...]

BORRASCA é aquela chuva que parece que vai arrasar a cidade, mas dura pouco.

Uma tempestade rápida. Eu não sabia disso.

Quando o MARIÃO [BORTOLOTTO] falou da sua peça nova, explicou o título. O cara é bom de título…

Nossa história se confunde: pode ser um toró ou uma chuva passageira, que ilude.

A ideia do espetáculo é genial.

Vários atores estão mobilizados para fazê-lo, em duplas, apesar de ter apenas 2 personagens: Diego, que chega do velório de um amigo, e Gabriel, escritor bebum, cuja ex-mulher o traiu com o amigo morto.

Cada ator tem que decorar os 2 personagens. São várias opções [e espetáculos], que ficarão em cartaz.

Eles decidem quem fará o que e quando. O mesmo texto, a mesma marcação, luz, trilha. Representações distintas. Jogo distinto. Teatro visto por vários filtros.

Se o ator é a alma do teatro, aí está a chance de ouro para nos deliciarmos.

Com a chama que incendeia nossa alma: o teatro.

 

 

Mas Paulo de Tharso, o nosso PICANHA [acima], morreu na semana passada.

Ele ia também fazer a peça.

Uma BORRASCA com jeito de furacão passou sobre nós.

PT era aquele cara que não entediava a vida. Podíamos passar horas com ele. Repertório, é o segredo. O tempo voava. Humor.

A morte é quando o sujeito dá adeus a si mesmo.

E aos amigos.

Picanha era inquieto e extremamente culto. Falávamos em francês, e ele vivia me corrigindo. Seu sotaque era perfeito.

Fazia 40 coisas ao mesmo tempo [entre elas, tocava a revista do sindicato da Polícia Federal]. Tocou no mesmo festival da TV Cultura que eu. Era músico, poeta, ator, jornalista.

Tinha a minha idade.

A juventude termina. A inocência, idem.

Quando vira rotina enterrarmos os amigos.

BORRASCA está em cartaz no Teatro Cemitério de Automóveis (Rua Frei Caneca, 384)

Sextas e sábados, às 21h30. Domingos, às 20h30. Até 30 de junho.

 

+++

 

 

Nessa sexta, às 20h30, no Sesc Pinheiros, estreia o solo EU CÃO EU, com direção do Rodolfo García Vázquez, dos Satyros.

É uma parceria entre Parlapatões e Satyros, num texto que HUGO POSSOLO fez para Satyrianas.

 

 

+++

 

Visitei tantas vezes este lugar quando era presídio.

Amigos em cana que precisavam do nosso apoio.

Agora, irei como biblioteca, parque, espaço ao ar livre…

Falar na BSP.

Sobre a borrasca que é a vida.

 

+++

 

E tem também.