1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

MARCELO DE MORAES participa da cobertura de política e economia em Brasília desde 1993. Atualmente é o diretor da sucursal de O Estado de S.Paulo na capital, tendo trabalhado em outros importantes veículos de comunicação do País, como O Globo, Veja, Jornal do Brasil, Valor Econômico, Correio Braziliense, entre outros.
quarta-feira 23/07/14

TCU isenta Dilma de culpa e governo avalia que caso Pasadena perde peso eleitoral

O governo considerou uma importante vitória política a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de isentar a presidente Dilma Rousseff da responsabilidade pelos supostos prejuízos causados pela compra pela Petrobrás da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. Por ser ministra da Casa Civil, na época da negociação, Dilma era justamente a presidente do conselho quando metade da refinaria foi adquirida pela estatal, em 2006. Assim, existia o temor, dentro do Palácio do Planalto, que o TCU também a ...

Ler post
sexta-feira 18/07/14

Pesquisa mostra que rejeição a Dilma já chega a 43% no Sudeste e no Centro-Oeste

Duas regiões do País estão puxando para cima o elevado índice de rejeição da presidente Dilma Rousseff. Segundo pesquisa feita pelo Datafolha, Sudeste e Centro-Oeste pesam decisivamente para aumentar o número de pessoas que não estão dispostas a votar em hipótese alguma na candidata petista. se a rejeição total de Dilma indicada pelo Datafolha é de 35%, quando é levada em conta a opinião apenas dos entrevistados do Sudeste e do Centro-Oeste, esse total salta para 43%. Levantamento feito pelo mesmo ...

Ler post
quarta-feira 16/07/14

Pesquisa mostra aumento de apoio à Copa e grande decepção com seleção brasileira

Pesquisa de percepção feita pelo Ibope, comparando opiniões dadas antes do início da Copa do Mundo e dois dias depois da final do torneio, indica o aumento de apoio à realização e à organização do evento e uma enorme frustração com o desempenho da seleção brasileira. Provavelmente impactados pela goleada de 7 a 1 sofrida diante da Alemanha, nas semifinais, nada menos do que 78% dos entrevistados acharam que o time nacional teve um desempenho pior do que o esperado. ...

Ler post
segunda-feira 14/07/14

Candidatos querem atrair jogos do futebol olímpico para seus Estados em 2016

O sucesso das partidas da Copa do Mundo já faz com que candidatos aos governos reivindiquem que partidas do futebol das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, possam ser disputadas em seus Estados. Ao contrário da Copa, a Olimpíada tem uma sede fixa para a imensa maioria de suas competições. Mas algumas modalidades, como o futebol, são tratadas de forma diferente. Nos jogos de 2016, as partidas do futebol, masculino e feminino, serão realizadas em cinco cidades: Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Salvador.
Essa possibilidade de ter o futebol olímpico em outras cidades já despertou o interesse dos candidatos cujos Estados sediaram partidas da Copa. E a idéia seria expandir essas cinco cidades sedes para outras que receberam com sucesso jogos entre as seleções internacionais.
Pelo menos dois candidatos já defendem abertamente a ideia. No Paraná, a senadora petista Gleisi Hoffmann, ex-ministra da Casa Civil, articula para que o futebol olímpico tenha partidas em Curitiba.
“Vou conversar com o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, para levarmos alguns jogos da Olimpíada, masculino ou feminino, para Curitiba. Com Estado e prefeitura em colaboração, podemos ter um desempenho ainda melhor do que na Copa, que já foi bom” diz a senadora.
No Mato Grosso, o deputado estadual José Riva, candidato do PSD ao governo, também quer incluir Cuiabá na rota do futebol olímpico.
É importante lembrar que até hoje o Brasil persegue a inédita medalha de ouro olímpica, o que amplia o interesse do torcedor local pelas partidas do Brasil. Na competição, que reúne apenas 16 países – na Copa são 32 -,podem ser inscritos apenas jogadores com idade até 23 anos. Mas como são permitidas as presenças de até três jogadores com idade além dessa faixa, a seleção poderia incluir, por exemplo, destaques como Neymar e David Luiz. Outro destaque também deverá ser o futebol feminino, que tem na atacante Marta uma figura extremamente popular entre os torcedores.

Ler post
segunda-feira 30/06/14

Aliados de Dilma minimizam escolha de Aloysio e dizem ser plano B de Aécio

A opção feita pelo PSDB com a escolha do senador tucano Aloysio Nunes Ferreira (SP) para ocupar a vaga de vice presidente na chapa encabeçada pelo senador Aécio Neves foi vista com otimismo e alívio pelos aliados da presidente Dilma Rousseff. Para os governistas, Aécio sai mais fraco do processo porque tentou e não conseguiu atrair o nome que considerava ideal para compor a chapa com ele, que era o do ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles. Ex-tucano e presidente ...

Ler post
sexta-feira 27/06/14

Dilma blinda Mantega e não falará sobre sucessor na pasta até o fim da campanha

Para interlocutores, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, já repetiu que não planeja permanecer à frente do Ministério em 2015, na hipótese de a presidente Dilma Rousseff conseguir garantir sua reeleição. Na visão do ministro, sua missão já estaria completa no cargo, depois de mais de oito anos comandando a economia do País. A questão é que a eventual saída de Mantega abre espaço para o debate sobre quem irá sucedê-lo no Ministério, caso Dilma se reeleja. E o assunto fica ...

Ler post
segunda-feira 23/06/14

Alianças eleitorais viram um verdadeiro vale-tudo

Na reta final para a definição de todas as candidaturas pelo País afora, alianças e rompimentos inimagináveis estão sendo fechados pelos partidos políticos. Velhos adversários, considerados irreconciliáveis, se acertam e tradicionais parceiros se afastam. Tudo em nome de aumentar as possibilidades de vitórias nas eleições de outubro. Só essa necessidade explica, por exemplo, os acordos fechados no Rio de Janeiro. O PMDB local apóia oficialmente a reeleição da presidente Dilma Rousseff, mas já embarcou quase na sua totalidade na campanha do ...

Ler post
sexta-feira 02/05/14

Se oposição vencer, PSDB e PSB farão aliança dentro do Congresso para sustentar novo governo

O PSDB do senador Aécio Neves (MG) e o PSB do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos já têm um projeto para organizar uma base de sustentação política reunindo os dois partidos dentro do Congresso caso um dos dois candidatos consiga impedir a reeleição da presidente Dilma Rousseff. A ideia é juntar a bancada eleita por PSDB e PSB, agregar os parlamentares das legendas aliadas, como a Rede, de Marina Silva, DEM, Solidariedade e PPS, e formar com eles a espinha ...

Ler post
quarta-feira 30/04/14

Candidatos acirram disputa pelo voto do agronegócio

Na temporada de caça aos eleitores, os candidatos à Presidência da República apontam suas baterias para o agronégocio, setor estratégico em qualquer campanha nacional. E os representantes da oposição parecem estar conseguindo se mover melhor entre os representantes do setor do que fez até agora a presidente Dilma Rousseff. Nessa quarta-feira, isso ficou claro com o discurso adotado pelo senador mineiro Aécio Neves (PSDB) ao participar da Agrishow, em Ribeirão Preto, em São Paulo. Aproveitando que Dilma acabou não podendo ...

Ler post