ir para o conteúdo
 • 

Luiz Zanin

22.fevereiro.2011 09:22:44

Trabalho Interno

Você quer saber tudo sobre a crise econômica de 2008, inclusive os nomes de alguns figurões por ela responsáveis, e em geral poupados pela mídia? Se a resposta é sim, seu filme é Trabalho Interno, de Charles Ferguson, cotado como favorito para o Oscar de documentários. Se o seu negócio for apenas espetáculo cinematográfico puro, bem, nesse caso, a recomendação não pode ser tão enfática.

De fato, o filme começa como um exercício cinematográfico visualmente bem apurado, que conduz o espectador até a pequena Islândia. Mas essa imaginação visual desparece ao longo do filme, quando então Ferguson se concentrará no assunto sem qualquer preocupação de ordem estética. Passa então a acumular entrevista sobre entrevista, com enquadramentos semelhantes, e a desfilar dados e estatísticas – alarmantes. Quer dizer que o filme se torna monótono? Nada disso. A não ser que você não tenha qualquer interesse pelo mundo real, manterá os olhos pregados da tela. E conservará ouvidos bem abertos. O que lá se mostra e diz é do interesse de cada um de nós. Além de ser um dos filmes mais esclarecedores sobre a crise global de 2008, por meio dele o espectador terá uma visão de conjunto da estrutura do capitalismo mundial dos anos 1980 para cá.

Por que começa na Islândia? Porque esse pequeno país europeu, com sua população reduzida, boa seguridade social, baixos índices de criminalidade, educação de ponta, alta tecnologia, foi levado à bancarrota através de um processo pudicamente chamado de “desregulamentação”. Com a flexibilização de regras de investimentos, o que encheu os bolsos dos especuladores, o país foi à ruína. A Islândia era um país socialista? Nada disso. Capitalista, social-democrata. Porém representava, dentro do capitalismo, um sonho de desenvolvimento e bem-estar, ponto final de um processo civilizatório.

A Islândia será, portanto, uma espécie de estudo de caso ideal para entender como o capitalismo financeiro se descolou da base econômica real e desenvolveu-se de forma autônoma, tornando-se um cassino global. Ilha da fantasia virtual, o tal cassino produz efeitos que nada têm de virtuais; retornam ao mundo real e o degradam.

Algumas das constatações de Ferguson são acacianas. Outras nem tanto. Por exemplo, que o motor do desastre é a infinita ambição dos agentes econômicos, todo mundo sabe. Mas como domar esse impulso, se a própria natureza do sistema leva a ele e o estimula? Ferguson mostra como o mercado foi se tornando especulativo além da conta e sujeito a riscos até então inéditos, sob a desregulamentação iniciada nos anos 1980, os anos Ronald Reagan e Margareth Thatcher.

Menos óbvia é a promiscuidade revelada entre governos – em especial o dos EUA – e os especuladores. Além disso, o mundo acadêmico norte-americano, maior concentração dos prêmios Nobel de economia do planeta, parece colaborar alegremente com sua inteligência para os tubarões da especulação. Muitos deles são chamados a dar seus depoimentos. Alguns se recusam. Por fim, o próprio governo Barack Obama, saudado e badalado por seu progressismo em seu início, sai chamuscado. Alguns dos mesmos nomes que trabalhavam para Bush continuam a operar para Obama. Como se o “sistema” tivesse lógica própria e poder para atravessar governos de ideologias em aparência tão diferentes. O que Trabalho Interno sugere é que nada mudou e pessoas envolvidas na crise foram reconduzidas a cargos importantes depois que a poeira baixou.

A conclusão de Ferguson nem de longe poderia ser classificada de esquerdista ou qualquer coisa do tipo. Pelo contrário; no subtexto vem embutido um elogio ao capitalismo mais controlado, que se perdeu, segundo ele e muitos analistas, a partir da desregulamentação feroz dos mercados. Alimentado por uma ambição sem medidas, o sistema foi levado à beira da falência. E só foi salvo por uma injeção sem precedentes de dinheiro do governo – isto é, do contribuinte. No entanto, passada a tempestade, a bomba relógio foi montada, mais uma vez. O cassino global é conduzido com lógica própria e independe de governos. Ou conta com a conivência deles. É alarmante.

comentários (9) | comente

  • A + A -
9 Comentários Comente também
  • 22/02/2011 - 17:51
    Enviado por: Marcio AR

    Zanin, li uma resenha sobre a contundência e convincência do filme. Parece que questiona a tudo e todos e alerta que o ovo da serpente de 2008 não foi eliminado. Portanto, como diria o velho e hoje retrô Vladimir Ilitich Ulianov, as crises do capitalismo são cíclicas e inevitáveis.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 23/02/2011 - 12:19
    Enviado por: Antonio Nahud Júnior

    Tô sempre acompanhando o seu blog, Zanin. Gosto muito.
    Abraços

    http://www.ofalcaomaltes.blogspot.com

    responder este comentário denunciar abuso

  • 24/02/2011 - 12:12
    Enviado por: Luiz Fernando

    Fui ver o filme ontem. Perdi pelo menos 50% do texto, por conta da legenda branca sobre fundo branco o tempo todo, tornando impossível a leitura. De dar nos nervos, além de um baita desrespeito ao público. Deveria haver uma advertência no cartaz: “Para assistir este filme é indispensável o perfeito domínio do inglês narrado pelo Matt Damon”. No mais, o filme é um documento histórico, didático e acessível até para quem nunca ouviu falar de mercado financeiro. Pretendo comprar o DVD, esperando que a questão da legenda seja melhor tratada.

    responder este comentário denunciar abuso

    • 28/02/2011 - 12:25
      Enviado por: Mário Kawai

      Concordo com você, Luiz Fernando.
      Apesar da boa dicção de Matt Damon, é necessário bom domínio da língua inglesa para apreender todo o conteúdo do caudaloso texto lido pelo ator.
      São raríssimos os casos em que para resolver o problema de legibilidade de legendas nas seqüências com fundo claro são impressos textos com forte contorno preto ou a cor da legenda é invertida (para preto) ou mesmo deslocados para uma posição que permita leitura.
      No caso do filme “Trabalho Interno” o exibidor deveria devolver a cópia para correções (se quisesse, naturalmente), pois isso é previsto na lei de proteção ao consumidor. Trata-se de uma cópia com ‘defeito’.
      Ainda mais agora que com o Oscar de melhor documentário o filme deve atrair um público maior (no sábado a sala 2 do cine Livraria Cultura estava relativamente vazia).
      Quanto ao filme, trata de um assunto importante, relevante e que deveria ser assistido por todos. Mas não creio que seja grande cinema. Seria mais efetivo se fosse exibido na televisão, atingindo um público maior.
      O mesmo poderia ser dito do filme “Uma Verdade Inconveniente” – sobre aquecimento global – que também ganhou o Oscar de melhor documentário em 2007.

      responder este comentário denunciar abuso
  • 12/03/2011 - 21:23
    Enviado por: Solange Mello

    Também concordo com os comentários sobre a legenda.
    Parabéns Luiz pelo blog!
    Sou cinéfila sem conhecimento técnico e fiz um blog simplório sobre cinema. Também escrevi minha opinião sobre o filme “Trabalho Interno”.
    http://www.maisqueasinopse.blogspot.com
    Abraço,
    Solange Mello

    responder este comentário denunciar abuso

  • 11/04/2012 - 03:10
    Enviado por: Filme de CTS III: Trabalho Interno (Inside Job) | Central ECT

    [...] Muito interessante de Luiz Zanin, escritor do blog do Portal Estadão. Clique aqui e [...]

    responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

*

Arquivo

Seções

Blogs do Estadão

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo