ir para o conteúdo
 • 

Luiz Zanin

18.julho.2008 16:04:05

Mudanças na sociedade brasileira

Vivemos um momento interessante de passagem do informal para o formal na sociedade brasileira. Notei isso da maneira a mais tola possível. O médico me passou, por telefone, a recomendação de tomar um determinado medicamento, injetável. É a coisa mais inocente deste mundo, uma vitamina. Como foi por telefone, não tenho receita. Comprei o remédio e não consigo ninguém para aplicá-lo. Nem no ambulatório da empresa e nem em farmácias. Parece que estou pedindo para me injetarem heroína na veia. Sei, sei…é para o bem de todos, a segurança, etc. Mesmo assim…

O sentimento de estar sendo vigiado se espalha. Você toma um elevador e um auto-falante se dirige a você: “Seu Zanin, tem encomenda para o senhor na portaria”. Claro, há uma câmera lá dentro, que flagra a minha presença da garagem ao apartamento. É assim em casa, na firma, no banco, na academia. Big Brother é pouco….Também sei: é tudo em nome da segurança.

A onipresença de radares nas ruas pede uma nova maneira de dirigir. Antes, um carro em excesso de velocidade era detectado pela polícia no olhômetro. E você sempre podia discutir com o guarda. Agora, como fazer quando chega em sua casa a foto do seu carro (só falta a sua cara de otário ao volante) comunicando que foi multado porque a velocidade máxima no local era de 80km/h e você estava, digamos, a 84 km/h? Já fui multado na entrada de Santos porque andava a inacreditáveis 45 km/h, sendo que o permitido no local era 40km/h. Aqui a pegadinha é a seguinte: mudar bruscamente o limite de velocidade para que o incauto não perceba e incorra em erro. Adotei como norma andar sempre 10k abaixo do limite. É 80? Ando a 70. É 40? Ando a 30. Só que outro dia um caminhão quase me apanhou pela traseira na Imigrantes. Fora o que escutei do motorista. Mas ouço que os acidentes diminuíram com a presença universal dos radares. Então, não há argumentos contra eles.

O máximo do momento é essa lei anti-alcoólica, que vem como decorrência lógica da criminalização anterior dos fumantes. Ambas vêm ao encontro do moralismo crescente no Brasil, antes um país mais tolerante, informal e agradável de viver. É claro que bêbado ao volante tem de ser punido mesmo. Ninguém deve defendê-los, pois colocam em risco a vida alheia. Agora, entre isso e criminalizar o cara que bebe um chope, uma taça de vinho, ou come um bombom de licor, acho que vai certa distância. Sim, me dizem, só que com a lei os acidentes diminuíram em 57% ou coisa que o valha.

Então, em nome da segurança nós mais uma vez toleramos um controle abusivo sobre nossas vidas. E ainda temos a coragem de dizer que a nossa bela sociedade se caracteriza pelo culto das liberdades. Faz-me rir.

comentários (11) | comente

  • A + A -
11 Comentários Comente também
  • 18/07/2008 - 17:02
    Enviado por: Cláudia

    Não, Zanin, sua interpretação está errada. A lei não criminaliza o uso da bebida. Beber você pode até cair se quiser. O que não pode é beber e dirigir. E não tem que poder mesmo. Não tem cabimento juntar as duas coisas, ainda mais em um país com motoristas como os nossos, que não precisam de nem uma gotinha de álcool para cometer uma série de barbaridades.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 18/07/2008 - 17:29
    Enviado por: luizanin

    Acho só meio exagerado, Claudia. E não estou defendendo bêbado no volante, como aliás escrevi. abs

    responder este comentário denunciar abuso

  • 18/07/2008 - 17:47
    Enviado por: Emília

    Não sei como vc encontrou vitamina injetável na farmácia. Fui com receita da veterinária e após percorrer algumas farmácias, soube que a vigilância sanitária retirou tudo para coibir os drogados… Pelo visto, só pensam na segurança deles, dos drogados, para continuarem alimentando este rentável negócio, não na saúde da população e dos animais. Drogado usa vitamina para quê?

    Acho que estamos sendo vigiados, sim, algo como foi o mccarthismo: o governo impõe a lei e os cidadãos vigiam uns aos outros, a terceirização do terror, a começar das pequenas patrulhas como o cigarro.

    Talvez porque alguns tenham perdido a vergonha, então a forma de domínio que resta é pelo medo, e este atinge a todos.

    Logo teremos uma sociedade esquizofrênica: uma parte vivendo em plena ansiedade persecutória e outra feliz da vida por não precisar decidir, tudo já vem decidido.

    Mas se você for vítima de algo e precisar de uma testemunha, esqueça: ninguém viu, ninguém se compromete.

    Pior que uma sociedade de alienados que jamais questionarão, teremos uma de covardes.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 18/07/2008 - 19:34
    Enviado por: Nino

    Um pouco de humor:

    Li em outro blog um cara muito estressado com a lei seca que imaginou o Daniel Dantas tomando todas para comemorar o seu último habeas corpus e depois sendo pego ao volante numa blitz. Imediatamente o Gilmar Mendes concederia outro habeas corpus e seria criada uma nova jurisprudência: ninguém mais ficaria preso por dirigir bêbado!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 20/07/2008 - 13:08
    Enviado por: Fabio

    Acho que o Zanin apontou muito bem que estamos passando de uma sociedade caótica para uma sociedade organizada (ou de informal para formal, nas expressões dele). Isso se faz de uma forma sempre cheia de pequenos erros, abusos e desequilíbrios. Por exemplo, se todos dirigissem respeitando a lei de trãnsito, um único motorista que não a respeitasse ficaria tão exposto que seria fácil pegá-lo. Mas hoje, no Brasil, se a polícia prender um sujeito que tomou 2 chopps e deixar algum motoqueiro dirigir em alta velocidade sobre as calçadas (o que acontece o tempo todo, em toda a cidade), o sujeito que foi preso se sentirá revoltado, principalmente porque o risco potencial dele atropelar alguém após ter tomado 2 chopps é menor do que um motoqueiro pegar um transeunte ao pilotar onde não deve

    Qualquer pessoa que já tenha tido a oportunidade de morar em algum país desenvolvido, seja na Europa, na América do Norte ou mesmo na Austrália, terá observado que a lei é sempre muito mais rígida do que aqui (em todos os aspectos) e sua aplicação idem. Experimente deixar de pagar imposto de renda nos EUA. Sonegar impostos dá cadeia com direito a algemas. Experimente ensacar comida em saco de lixo específico para plásticos. A empresa que coleta o lixo lhe devolve o saco e manda vc colocar a comida no saco certo (como acontece na Bélgica). Experimente atravessar a rua, à meia noite, em Londres, fora da faixa de segurança. Aparecerá um guarda do nada e lhe aplicará um sermão. Experimente oferecer propina a qualquer guarda, em qualquer país. Vc irá imediatamente para cadeia, sem direito à fiança

    Nada disso ocorre aqui. O que aqui ocorre é um desrespeito generalizado da lei tanto por parte da população quanto por parte da polícia. E também um determinado conjunto de leis que parece que foram feitas para não ser cumpridas. Passar de país social e culturamente subdesenvolvido para um país de primeiro mundo irá demorar muito ainda e muita choradeira acontecerá no meio do caminho

    responder este comentário denunciar abuso

  • 20/07/2008 - 14:15
    Enviado por: GUILHERME CIMINO

    Boa, Nino!

    Zanin, primeiramente, esqueça os bombons de licor! Eles praticamente não existem!
    Bem, eu já tomei multas demais! Reeduquei-me, tenho guiado mais devagar e estou muito satisfeito com isso.
    A “Lei Seca” também reeducará a sociedade.
    Acho que ela tem muitas boas facetas! Por exemplo, diminuirá o número de BABACAS com o som no talo, querendo chamar atenção nas ruas; eles ficarão “pianinhos” porque, óbvio, tomaram “umas e outras”.
    O negócio é andar na PAZ! A polícia não vai ficar parando qualquer carro, perdendo seu (o dela) tempo, ela vai pegar quem estiver chamando atenção.

    Ih…
    tanta coisa que não pode e o pessoal faz…
    é só saber QUANDO, COMO e ONDE!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 21/07/2008 - 13:13
    Enviado por: Mário Latino

    Gostei dessa dos bombons de licor, Cimino. É, caro Zanini. Há um preço para ser civilizado. E em nosso caso, pais de trogloditas que nos achamos no direito de fazer o que bem entender sem nos preocupar com as conseqüências de nossos atos, é na marra mesmo. Não me incomodo com não poder dirigir depois de beber, mesmo que seja uma taça de vinho. Mas, agora a possibilidade de me deparar com um bêbado ao volante agora é bem menor. Bem vindo ao mundo real!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 19/03/2010 - 17:32
    Enviado por: Clarise

    Eu amei o texto só que não
    me ajudou valeu!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 17/09/2010 - 16:48
    Enviado por: Badu

    Mano,pode crer seu texto é massa.Mas olha, essas leis são reflexo da falta de educação do brasileiro pow!
    Na escola eu aprendi a não comprar remédio sem prescrição médica,todo mundo aprende isso,mas sempre tem alguém pra ir lá e comprar.
    Não roubar,além de ser um mandamento bíblico,é cultural,aprendemosem casa isso,mass tem sempre alguém pra roubar,e beber no volante é questão de senso,
    não se deve beber no volante,e bombom de licor só naquela música “Sonho de ícaro”
    tipo mas sempre tem um mongol,pra beber até cair e dirigir caído.
    Venhamos e convenhamos,que determinadas pessoas ,sempre compram remédios com receita,outras morrerão sem ter roubado um chiclete, e outras não bebem ao volante por que tem consciência!

    Essas leis são pra proteger os corretos,dos sem noção…

    nadamais é que um tratamento de choque,mesmo que alguns corretos re revoltem!
    Doa a quem doer!

    Firmeza?!

    vlw galera!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 22/05/2011 - 12:13
    Enviado por: brenda

    vcs soa pessimo detestei,perdi tempo lendo isso

    responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

*

Arquivo

Seções

Blogs do Estadão

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo