1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Baseado ‘na’ história real

Luiz Carlos Merten

domingo 26/04/09

Estou aqui no jornal, onde vinm redigir os filmes na TV e a capa de terça do ‘Caderno 2′. Não vou ter muito tempo de postar – ontem também não tive –, mas quero dizer duas ou três coisas sobre ‘Evocando Espíritos’, que vi ontem à tarde, no Arteplex. Havia assistido ao treiler do filme [...]

Estou aqui no jornal, onde vinm redigir os filmes na TV e a capa de terça do ‘Caderno 2′. Não vou ter muito tempo de postar – ontem também não tive –, mas quero dizer duas ou três coisas sobre ‘Evocando Espíritos’, que vi ontem à tarde, no Arteplex. Havia assistido ao treiler do filme em Porto Alegre, no fim de semana de Páscoa, e confesso que aquele treiler me havia me assustado/incomodado, sei lá. Em princípio, sou tentado a acreditar que não existe mais nada a inventar nesse território específico da casa assombrada, que se constitui numa vertente do cinema de terror. Qual foi o último grande filme do gênero? “Desafio ao Além’ (The Haunting), de Robert Wise, de 1963? Ou então outro filme que surgiu exatamente dez anos mais tarde, ‘A Casa da Noite Eterna’ (The Legend of Hell House), de John Hough, com roteiro de Richard Martheson? Bem, me enganei (quanto ao fato de nada mais haver para inventar). ‘Evocando Espíritos’ continuou me incomodando (muito). O filme de Peter Cornwell – quem é? – me produziu o mesmo estranhamento de ‘O Exorcismo de Emily Rose’, por exemplo. Aquele ‘parecia’ um filme de exorcismo mas era de tribunal. Esse parece que vai ser terror, com todos aqueles fantasmas que habitam a casa onde ocorreram coisas brutais no passado. O clima é parecido com o de ‘Os Outros’, de Alejandro Amenábar, que é melhor (e tem uma das cenas mais assustadoras do cinema, que é a daquele fantasma dentro do armário). Aqui, não falta o padre exorcista, Elias Koteas, e ele está morrendo, como o filho de Virginia Madsen. No início, até se pode acreditar que os espíritos sejam alucinações provocadas pelos medicamentos que o garoto toma para combater o câncer, mas não. Quando o exorcismo falha, cabe à mãe desesperada lutar como uma loba, ou leoa, para proteger a cria. Me lembrei de Mia Farrow que vai matar o filho em ‘O Bebê de Rosemary’, de Polanski, mas o instinto materno fala mais forte do que a cultura repressora. Me lembrei do padre que tem de expulsar o Diabo a socos do corpo de Linda Blair em ‘O Exorcista’, de William Friedkin, justamente porque o exorcismo falhou. O tema de ‘Evocando Espíritos’ é a família, a mãe desesperada que enquadra o marido, que enfrenta os espíritos. Não foi perda de tempo assistir ao filme de Peter Cornwell, não. Os créditos anunciam que se trata de um filme baseado ‘na’ história real (on the true story). Não ‘numa’ – o caso deve ter sido muito forte. O filme não deixa de ser.