Notícias de Tecnologia

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

03 de setembro de 2014 12h48

Samsung apresenta nova Galaxy Note 4

Nova versão do smartphone de tela grande da Samsung conta com extras como caneta e óculos de realidade virtual

Por Agências

galaxy note 4Homem testa versão do Galaxy Note 4 em evento de lançamento da Samsung em Nova York. FOTO: AFP

BERLIM – A Samsung Electronics, maior fabricante de celulares do mundo, anunciou novas versões de seu smartphone Galaxy Note 4 nesta quarta-feira, depois que equívocos anteriores no projeto a prejudicaram no mercado de telefones de tela grande, no qual é pioneira.

O novo Galaxy Note 4 possui um nítido display de 5,7 polegadas em uma armação de metal, refletindo a mais recente estratégia de design da Samsung para manter o ritmo em relação às rivais, incluindo a Apple, que deverá lançar seus primeiros telefones de tela grande na próxima semana.

O novo modelo oferece acessórios projetados para atrair os interessados em jogos e uma melhorada caneta com softwares relacionados como alternativa de escrita a mão em detrimento do teclado.

O Note 4 é a chave para uma recuperação da Samsung Electronics, que enfrentou menosprezo inicial sobre a ideia de que os usuários de telefones usariam equipamentos com telas gigantes.

Desde a introdução do Note em 2011, o aparelho fez das telas com 5 polegadas ou mais o modelo para telefones de ponta, à medida que o uso dos smartphones foi deslocado amplamente para leitura e escrita de textos, e-mails e documentos, utilização de aplicativos, para assistir filmes ou jogar jogos ao invés de realizar ligações.

Analistas do setor disseram que, embora cheio de centenas de recursos e muitas das mais recentes especificações de hardware, há pouco no Galaxy Note 4 para animar novos usuários.

“Eu acho que essa é principalmente uma mudança incremental”, disse o analista da Forrester Thomas Husson.

O lucro operacional da Samsung Electronics caiu para o menor patamar em dois anos no segundo trimestre, com a empresa perdendo participação de mercado apesar de ainda responder pelo embarque de quase um terço de todos os smartphones em todo o mundo.

/ REUTERS