Notícias de Tecnologia

Sábado, 22 de Novembro de 2014

04 de junho de 2014 14h54

Mundo terá mais linhas de celular do que pessoas em 2015

Pesquisa da Ericsson prevê que, até 2019, mundo tenha 7,6 bilhões de assinaturas de banda larga e 5,6 bilhões de smartphones

Por Agências

FOTO: Reuters

MADRID – O número de linhas telefônicas de celular irá superar o da população mundial em 2015, e a previsão é de que até o final de 2019, o mundo tenha 7,6 bilhões de assinaturas de banda larga e uma explosão do tráfego de dados devido, especialmente, ao consumo de vídeos e televisão a partir de telefones e tablets.

Assim informa o recente relatório do “Mobility Report” da multinacional Ericsson, por cujas redes circulam, atualmente, mais de 40% do tráfego móvel do mundo. A publicação, com dados de todas as regiões do planeta, foi apresentada nesta quarta-feira em entrevista coletiva, em Madri.

Só no primeiro trimestre deste ano, foram registrados 120 milhões de novas linhas telefônicas móveis. Além disso, 65% de todos os telefones vendidos nestes três meses foram smartphones.

Em 2016, esses telefones de última geração superarão os básicos. Para 2019, o número de assinaturas de telefones inteligentes será de 5,6 bilhões. Só na Europa, o número rondará os 765 milhões.

O relatório revela que as linhas de celular aumentam a um ritmo de 7% a cada ano, e as assinaturas de banda larga móvel representam mais de 80% do total da escala mundial.

Para essa data, na Europa a cobertura LTE/4G rondará 80% e o número de assinaturas com essa tecnologia será de 30%, contra 85% nos Estados Unidos, e o tráfego móvel na Europa superará em 2019 cerca de oito vezes o de 2013.

O aumento do uso de dados móveis se deverá, especialmente, ao consumo de vídeos, que representa 50% do total. O relatório destaca que a Europa é a região com maior nível de penetração móvel no mundo: a maioria de países alcançou esse marco há dois ou três anos. Além disso, 62% dos alemães usam tablets, computadores portáteis ou smartphone para ver televisão ou vídeo.

O habito é comum na Europa ocidental e, especialmente, na Suécia. Na França, um de cada quatro entrevistados assiste vídeos em um telefone inteligente por mais de três horas semanais. Já na Itália e na Espanha, os consumidores de vídeo em smartphone fazem isso por mais de quatro horas semanais.

/EFE