Notícias de Tecnologia

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

30 de maio de 2014 19h26

Motorola fechará fábrica de Moto X aberta há um ano nos EUA

Unidade no Texas, aberta em 2013 e dedicada à fabricação de modelos Moto X, fechará as portas até o fim do ano; vendas baixas teriam motivado a decisão

Por Murilo Roncolato

Fábrica emprega atualmente 700 funcionários, mas já teve 3,8 mil. FOTO: Lm Otero/AP

SÃO PAULO – Uma fábrica da divisão móvel da Motorola deve ser fechada até o final deste ano nos Estados Unidos. Aberta em maio de 2013 pelo Google, que havia comprado a companhia dois anos antes, a unidade tinha por objetivo produzir dispositivos Moto X, mas, segundo o Wall Street Journal, não vingou pois as vendas do aparelho foram abaixo do esperado e não pagaram os altos custos de produção local.

Baseada na cidade de Fort Worth, no Texas, a fábrica da Motorola Mobility contava inicialmente com 3,8 mil empregados. Atualmente são apenas 700 funcionários. Segundo números da analista de mercado Strategy Analytics, a Motorola vendeu 900 mil unidades do Moto X ao redor do mundo; em comparação, a Apple – que produz seus aparelhos em fábricas terceirizadas na China – vendeu 26 milhões de iPhones 5S no mesmo período.

A empresa adotou como estratégia a venda de aparelhos de qualidade comparável a de celulares mais elevados como iPhone e Samsung Galaxy S, mas a um baixo custo. Em entrevista ao Link no início do mês, o presidente da Motorola, Rick Osterloh, afirmou que a empresa vinha sendo “surrada pesadamente” pelas demais fabricantes do setor, mas acreditava que o quatro havia se revertido. “Estamos crescendo a um ritmo duas vezes mais rápido que a indústria, 61% contra 29%. E com poucos produtos, dois praticamente, o Moto X e o Moto G. Esse portfólio, incluindo o Moto E, é o que precisamos para realmente crescer.”

O Moto X começou a ser vendido nos Estados Unidos por US$ 600, mas seu preço passou para US$ 400 após o anúncio de uma promoção levantada pelo Google. Na Apple Store, um iPhone 5S é vendido por US$ 650. O Moto G, que contou com três milhões de unidades vendidas no primeiro trimestre – principalmente em mercados emergentes –, sai por US$ 220; já recém-lançado Moto E é vendido por US$ 130.

No ano passado, o antigo presidente Dennis Woodside havia dito que instalar a fábrica nos Estados Unidos seria “desafiar o senso comum”, tendo em vista os altos custos de se produzir no país. Hoje, Rick Osterloh conclui o pensamento do seu antecessor e amarga a dificuldade de inserir novos modelos aos consumidores de lá. “Descobrimos que o mercado nos Estados Unidos é excepcionalmente resistente”, disse ao WSJ.

A empresa chegou à conclusão de que fecharia as portas da fábrica quatro meses depois de o Google anunciar a venda da Motorola Mobility à chinesa Lenovo por US$ 2,9 bilhões, acordo que deve chegar a um desfecho também no final deste ano. O fechamento da fábrica, disseram fontes ao jornal, é uma decisão que não sofreu influência da venda para a Lenovo.

Segundo o vice-presidente de operações Mark Randall, a Motorola continuará fabricando o modelo de configurações mais elevadas da empresa no Brasil e na China.