Notícias de Tecnologia

Domingo, 26 de Outubro de 2014

08 de julho de 2014 13h07

Moscou acusa EUA de ‘sequestrar’ hacker russo

País teria prendido um acusado de invadir sistema de informática de lojistas norte-americanas para roubar dados de cartões de crédito.

Por Agências

FOTO: Reuters

WASHINGTON/MOSCOU – A Rússia acusou os Estados Unidos nesta terça-feira, 8, de violar um tratado bilateral e de “sequestrar” um hacker russo acusado de invadir sistema de informática de lojistas norte-americanas para roubar dados de cartões de crédito.

O Departamento de Segurança Doméstica dos EUA disse na segunda-feira que o Serviço Secreto prendeu Roman Valerevich Seleznev, de 30 anos, em 5 de julho por ilegalidades cometidas de 2009 a 2011.

A imprensa russa publicou reportagens dizendo que o homem preso pode ser o filho de um membro do parlamento, Valery Seleznev. O deputado disse à agência de notícias russa Itar-Tass que ele não foi capaz de falar com seu filho, mas acrescentou: “Esta é uma mentira monstruosa e um ato de provocação.”

O homem foi apreendido em um aeroporto nas Maldivas, disse o Ministério de Relações Exteriores da Rússia.

“Consideramos isso como a mais recente ação de inimizade vinda de Washington”, disse o ministério em seu website. “Essa não é a primeira vez que os EUA, ignorando um tratado bilateral… sobre assistência mútua em assuntos criminais, prosseguiram com o sequestro de um cidadão russo.”

Roman Seleznev foi indiciado no Estado norte-americano de Washington em março de 2011 sobre acusações de fraude bancária, por causar danos a um computador protegido, obter informações de um computador protegido e falsidade ideológica, disse a agência dos EUA em comunicado.

O processo disse que Seleznev invadiu websites gerenciados pela Phoenix Zoo e também de muitos outros pequenos restaurantes e casas de entretenimento no país.

As relações entre EUA e Rússia estão no nível mais baixo desde a Guerra Fria durante o terceiro mandato de Vladimir Putin no governo russo, com os antigos rivais divididos sobre os conflitos na Síria e na Ucrânia, assim como em questões de direitos humanos, democracia e defesa nacional.

/ REUTERS