Notícias de Tecnologia

Sábado, 25 de Outubro de 2014

19 de fevereiro de 2012 17h01

Fácil como telefonar

Chamada em vídeo entra na rotina do usuário comum, que elege tablet para a tarefa

Por Carla Peralva

Chamada em vídeo entra na rotina do usuário comum, que elege tablet para a tarefa

Ao vivo via Skype. Wes Anderson recebe convidados de abertura de exposição via videoconferência. FOTO: Michael Nagle/The New York Times

SÃO PAULO – O cenário é um jantar para 80 pessoas na galeria Lehmann Maupin Gallery em Nova York. Um dos anfitriões, o artista plástico Sandro Kopp, circula com a namorada, a atriz Tilda Swinton, ao lado e um notebook no colo. Na tela, o segundo anfitrião, o cineasta Wes Anderson, recebe os convidados via Skype.

—-
Siga o ‘Link’ no Twitter, no Facebook e no Google+

Eles celebram a exposição das últimas obras de Kopp e não poderiam estar mais à vontade: são usuários assíduos do serviço de videoconferência e mantém uma relação próxima com ele. Kopp só pinta retratos. Só de amigos. E só via Skype.

No evento, em 31 de janeiro, o pintor disse ao New York Times: “Uso a tecnologia para criar uma forma antiquada de arte. O Skype permite que você fique muito íntimo das pessoas. Os retratos são sobre estar presente”.

Estar presente. Esse é o grande chamariz das tecnologias de videoconferência, que não são mais privilégio de salas empresariais bem equipadas. Segundo Sudahakar Ramakrishna, diretor geral de desenvolvimento da Polycom, a adoção das chamadas em vídeo por consumidores comuns é tendência já percebida há algum tempo. Ela seria motivada principalmente por dois motivos: a popularização de aparelhos móveis, sobretudo tablets, e a diminuição da fronteira entre consumidor empresarial e comum – as mesmas tecnologias permeiam a vida profissional e pessoal dos usuários.

De acordo com levantamento da GigaOM, até 2015, 140 milhões de pessoas usarão videoconferências como principal forma de comunicação em aparelhos móveis. Para Ramakrishna, cabe à indústria desmitificar a tecnologia e simplificar seu uso. “Acreditamos que, em alguns anos, uma chamada em vídeo será tão fácil de ser feita quanto um telefonema”, diz ele.

As principais redes sociais já entenderam a demanda por chats em vídeo e incluíram o serviço em seus sistemas: Twitcam, uma parceria do Twitter com o Livestream, Skype integrado ao Facebook e o Hangout, função nativa do Google Plus.

O lançamento de tablets com câmeras na frente e a criação de aplicativos de videoconferência (veja no quadro) também contribuíram para a popularização do serviço, que tende a avançar cada vez nos aparelhos móveis.

Dessa tendência surge a preocupação: a internet móvel brasileira tem qualidade suficiente para suportar bem serviços de chamada em vídeo? Ramakrishna acredita que sim e que a deficiência de infraestrutura brasileira pode, na verdade, ser um fator de ajuda para a evolução da qualidade da rede no País. “O Brasil não tem um forte legado de infraestrutura, o que possibilita pular gerações de tecnologia. Por exemplo, a penetração de banda larga sem fio é muito mais rápida em países como o Brasil. Nos EUA, há diversas gerações de serviços e infraestrutura com que temos que nos preocupar.”

—-
Leia mais:
Link no papel – 20/02/2012