Estado.com.br
Quinta-feira, 31 de Julho de 2014
Variedades
Seções
Arquivos
Tamanho do Texto

Chiara, uma italiana com sotaque português

Categoria: Música

Cantora italiana Chiara Civello (Foto: Divulgação)

Cantora italiana Chiara Civello (Foto: Divulgação)

Felipe Branco Cruz

Chiara Civello nasceu na Itália e foi criada nos Estados Unidos. Nos últimos dias, porém, ela tem se considerado quase uma brasileira. Tanto é que seu terceiro disco, “7752″, tem esse título em referência à distância em quilômetros entre Nova York e Rio de Janeiro.

De Roma, falando em português fluente, a cantora conversou por telefone com o JT e contou detalhes do novo álbum. “Mais do que a distância entre as duas cidades, “7752″ é a contagem de um percurso feito de forma apaixonante”, diz a cantora, de 35 anos.

No disco, ela canta em inglês, italiano e português. A brasilidade é forte no CD. Das 11 canções do álbum, três foram feitas em parceria com a brasileira Ana Carolina: “8 Storie”, “Dimmi Perche” e “Resta”, que também entraram no disco “Nove”, de Ana, só que em português. Ainda no disco da brasileira, Chiara fez uma participação, gravando “I Didn’t Want”. Do Brasil, Chiara também fez parcerias com Antonio Villeroy e Dudu Falcão. Em português, a italiana de voz firme e suave canta “Simplesmente Aconteceu”, dela e Dudu Falcão.

Chiara Civello foi apresentada a essa turma toda por Daniel Jobim, neto de Tom Jobim. Eles se conheceram no bairro de Little Italy, em Nova York, por intermédio do produtor Russ Titelman. “Daniel tocou piano no meu primeiro disco. Num dia, conversando com Daniel por telefone, ele me convidou para conhecer o Brasil, e eu fui”, conta ela. Alguns dias depois de Chiara chegar ao País, Daniel a levou nos saraus organizado pelos músicos Dudu, Villeroy, Jorge Vercilo e Ana Carolina.

“O violão estava passando de mão em mão na roda. Quando chegou para mim, eu toquei uma música e Ana Carolina gostou. Depois, ela me pediu para fazer uma canção inédita para ela”, lembra.

Antes desse encontro, o processo de composição de Chiara era completamente solitário. Só depois, descobriu que no Brasil os músicos trocam muitas figurinhas antes de compor. Como ela e Ana Carolina escreveram as músicas juntas, foi natural fazer versões para italiano e português. “Simplesmente aconteceu”, diz ela, citando involuntariamente o título de uma de suas músicas. O disco sai no Brasil pelo selo de Ana Carolina, o Armazém, com distribuição da Sony Music.

Chiara diz que aprendeu português sozinha, ouvindo músicas brasileiras de mestres como Milton Nascimento, Caetano Veloso e Chico Buarque. “Sabia as letras de João Gilberto de cor, mesmo sem saber o que significava. Para mim foi fácil aprender, já que o idioma é latino, próximo do italiano”, diz. Ao chegar ao País pela primeira vez, depois de percorrer os 7.752km, ela pousou no aeroporto internacional do Rio de Janeiro, batizado com o nome do avô do seu amigo: Antônio Carlos Jobim. De lá, foi direto para um ensaio do Jobim Trio, formado por Daniel, Paulo Jobim (pai de Daniel) e Paulo Braga.

“Viver viajando tem uma vantagem. Você sai do lugar antes de se cansar e volta quando está com saudade”, brinca. Aliás, a saudade do Brasil está batendo, mas ela vai logo ser matada. No mês que vem, Chiara abrirá o show da amiga Ana Carolina, no Citibank Hall, no Rio de Janeiro.

Download Ouça um trecho da música ‘Resta’