Estado.com.br
Sexta-feira, 29 de Agosto de 2014
Seu Bolso
Seções
Arquivos
Tamanho do Texto

Varejistas inventam o ‘vendedor virtual’

Categoria: comércio, Internet, Tecnologia, Trabalho

Marina Gazzoni
Fernando Scheller

O Magazine Luiza começou a recrutar ontem internautas para vender seus produtos nas redes sociais. Desde agosto do ano passado, a varejista testa o programa “Magazine Você”, que adaptou para o Facebook e para o Orkut o modelo de venda porta a porta. Até então, apenas um grupo de mil familiares de funcionários poderiam ser “vendedores virtuais” da rede.

Cada internauta ganha uma loja virtual personalizada do Magazine Luiza, que pode oferecer até 60 itens disponíveis no site oficial da varejista. Eles recebem entre 2,5% e 4,5% de comissão pelas vendas, dependendo do produto. A meta da empresa é abrir 10 mil lojas nas redes sociais até o final do ano.

“Queremos pessoas que escrevam resenhas relevantes, que tenham uma quantidade grande de amigos e que gerem elogios, comentários. Avaliamos não só o desempenho das vendas”, disse o diretor de marketing e vendas do Magazine Luiza, Frederico Trajano.

A dona de casa Elys Bertoni, 27 anos, foi umas das selecionadas para o projeto-piloto do programa. Casada com um funcionário da empresa e ex-empregada da rede, Elys parou de trabalhar há um ano para cuidar de duas filhas e hoje se dedica à loja virtual. “O computador fica ligado o dia inteiro. Mas eu faço o almoço, brinco com as meninas e, quando tenho um tempo, publico uma oferta no Facebook”, disse a dona da loja Magazine Magia, nome que reúne as iniciais das filhas Maria, Giovana e o “A”, de “anjo”, palavra que representa seu terceiro bebê – ela está grávida de cinco meses.

A motivação para se tornar uma “vendedora virtual” foi a possibilidade de ter uma renda sem sair de casa. Só em janeiro, a dona de casa vendeu R$ 11 mil — o que lhe renderá entre R$ 275 e R$ 495 no mês. Um dos segredos para vender é pedir desconto para o Magazine Luiza quando o cliente encontra preço menor na concorrência. “Eles mudam momentaneamente o preço na minha loja, só para eu não perder a venda”, diz Elys.

Pioneiro
Mas o Magazine Luiza não foi a primeira grande varejista a criar um modelo de venda direta nas redes sociais. O site Compra Fácil lançou em julho um sistema de afiliados para vender seus produtos na internet, tanto em redes sociais quanto em blogs e até por e-mail. Hoje, eles somam 15 mil colaboradores e uma venda mensal conjunta de R$ 1 milhão. Até o fim do ano, a meta é chegar a 35 mil vendedores.

“Algumas pessoas são menos ativas. Mas temos casos de pessoas que venderam até R$ 300 mil em um mês. Quem souber usar suas redes de contato pode faturar alto”, afirmou o diretor de Marketing do Compra Fácil, Leandro Siqueira.

Na prática, a empresa criou a figura do “vendedor” para o e-commerce. A inspiração para esse modelo veio do próprio acionista da empresa, o grupo Hermes, um dos maiores em vendas diretas do Brasil, com cerca de 500 mil consultores.

“O que está por trás desse negócio é a rede de relacionamento dos vendedores. Os clientes tendem a comprar o que seus amigos compram ou recomendam”, disse Siqueira. /COLABOROU SUZANA INHESTA