Estado.com.br
Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014
Seu Bolso
Seções
Arquivos
Tamanho do Texto

Cartões de lojas não seguem regras do Banco Central

Categoria: Bancos, comércio, Crédito, Serviços

A consumidora Cintia Silmara teve problema com o cartão de crédito da Magazine (Foto uiza JB NETO/AE)

A consumidora Cintia Silmara teve problema com o cartão de crédito da Magazine (Foto uiza JB NETO/AE)

CAROLINA MARCELINO

Cartões de crédito de estabelecimentos comerciais de varejo – chamados private label – não são obrigados a seguir as novas regras estabelecidas pelo Banco Central (BC), que entraram em vigor em 1º de junho deste ano. Mas o alto número de reclamações indica que o setor precisa ser mais fiscalizado pela instituição.

Consumidores enfrentam cobranças indevidas de emissão de fatura, mudança nas datas de vencimento sem aviso prévio, cobrança de taxas não previstas na hora da compra, entre outras práticas abusivas e proibidas.

De maio de 2010 a abril de 2011, o Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec) registrou 20.497 reclamações somente contra cartões de lojas, número semelhante ao registrado entre maio de 2009 e abril de 2010. Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Cartões e Serviços (Abecs), dos 684.382 cartões de créditos emitidos entre janeiro e julho de 2011, 247.402 (36% do total) são de lojas – 10% a mais do que no mesmo período de 2010.

As novas regras para o dinheiro de plástico surgiram a partir de um relatório do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça. Por meio de uma análise nos dados do Sindec, foram constatadas práticas abusivas relacionadas a instituições financeiras. “O consumidor era induzido a se endividar”, afirma a diretora do DPDC, Juliana Pereira.

As normas valem apenas para instituições financeiras. O valor do pagamento mínimo da fatura aumentou para 15% – antes os bancos cobravam apenas 10%. Em dezembro esse valor saltará para 20%. Além disso, as tarifas foram limitadas a cinco e padronizadas – antes havia mais de 80 cobranças na fatura. Outra determinação é a clareza nas informações que estão no contrato. De acordo com o DPDC, esse é o principal item a ser colocado em prática.

Cartões de lojas sem parceria com qualquer instituição financeira não seguem essas regras, pois, por lei não têm obrigação de obedecê-las. “Não temos como controlar. O Brasil não tem um órgão fiscalizador de cartão de crédito, quanto mais dos cartões específicos das lojas”, diz Juliana.

Sem uma fiscalização eficaz, o consumidor que se sentir lesado pelas empresas deve procurar o SAC da emissora do cartão, o Procon de sua cidade e até mesmo o BC para registrar a sua reclamação. Em alguns casos, a Justiça é a única saída.

A analista de importação Cíntia Silmara Gomes de Souza, de 27 anos, teve problemas com o cartão do Magazine Luiza. A empresa incluiu em uma única fatura o valor de dois meses. “Não tinha como pagar”, conta.

A Lojas Marisa mudou a data no vencimento da fatura da artista plástica Shirley Prado S. Reis, de 37 anos. Pela determinação do BC, não pode haver um contrato unilateral, em que a empresa modifica os artigos sem fazer um aviso prévio ao consumidor.

De acordo com o diretor de autorregulação da Abecs, Marcelo Noronha, 95% dos cartões de lojas seguem as regras do BC. “A maioria das lojas tem parceria com alguma instituição financeira. Mas sempre tem uma parcela de estabelecimentos que não obedece a proposta”, diz Noronha.

Para a gerente jurídica do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Maria Elisa Novaes, o consumidor deve ficar de olho nas faturas dos cartões de crédito. “São armadilhas para os clientes. As taxas são altíssimas, maiores que as do cheque especial”, explica a gerente.

Em resposta ao JT, o Magazine Luiza informou que o valor da fatura foi corrigido e que a empresa “está em constante busca para que situações semelhantes não voltem a ocorrer”. A Lojas Marisa afirmou que prestou esclarecimentos ao consumidor e que o problema foi solucionado.

Consumidor deve prestar atenção aos contratos
Pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) mostrou que os cartões de lojas oferecem risco à saúde financeira dos consumidores. A entidade analisou 14 cartões de crédito – entre lojas de roupa, supermercados e drogarias – e em todos eles foram identificadas cláusulas abusivas e práticas indevidas, entre elas os cancelamento do cartão por inatividade e vencimento antecipado de débito.

Segundo a gerente jurídica do Idec, Maria Elisa Novaes, as atitudes são inaceitáveis. A maioria desses plásticos está vinculada a uma instituição financeira, ou seja, deve se adequar às normas do Banco Central (BC).

“Mesmo as lojas que não têm qualquer vínculo com bancos, também devem respeitar o cliente, já que o Código de Defesa do Consumidor (CDC) garante um relacionamento saudável entre ambas as partes”, diz a especialista. Ela acrescenta ainda que a facilidade na obtenção de crédito, aliada a taxas e juros, podem levar o consumidor à inadimplência, transformando o sonho de consumo num pesadelo.

De acordo com o diretor de autorregulação da Associação Brasileira de Empresas de Cartões e Serviços (Abecs), Marcelo Noronha, todos os varejistas tendem a seguir as normas, ou as do BC ou as do CDC. “As empresas encontraram no private label um modo de fidelizar o cliente”, afirma Noronha. Ainda segundo ele, uma forma de otimizar esse serviço é aderir à bandeira de uma instituição.

É que plásticos que têm bandeiras podem ser utilizados em outras lojas. Assim, o consumidor não precisa andar com vários cartões. Mas o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça ressalta os cuidados nesse segmento. “O acesso ao crédito tem de vir junto com uma informação adequada”, explica a diretora do DPDC, Juliana Pereira.

Regras Estabelecidas Pelo Banco Central
Todas as regras abaixo só valem para cartões emitidos a partir do dia 1º de junho de 2011. Para os cartões emitidos até 31 de maio, a medida começa a valer em 1º de junho de 2012
 
Redução das mais de 80 tarifas para cinco: anuidade, segunda via de cartão, saque, pagamento de conta e avaliação de limite
 
Proibição do envio de cartão sem a solicitação do consumidor
 
Criação de um cartão “básico” com anuidade mais baixa que a dos oferecidos atualmente; esse cartão não pode estar ligado a programas de benefícios (como programa de milhagens) e sua anuidade tem de ser menor que a dos demais cartões do mesmo emissor
 
O valor do pagamento mínimo aumentou para 15% – antes os bancos cobravam apenas 10%. Em dezembro de 2011 esse valor irá para 20%
 
Clareza nas informações estabelecidas nos contratos