Estado.com.br
Quinta-feira, 02 de Outubro de 2014
Cidade
Seções
Arquivos
Tamanho do Texto

Metrô recomenda cuidado com ‘crocs’

Categoria: Geral, Metrô, Turismo

CAIO DO VALLE
Adesivos colados nas escadas e esteiras rolantes da Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo recomendam aos usuários cuidado no uso de calçados de borracha. Exibindo a imagem estilizada de uma sandália que aparenta ser da marca Crocs, o texto do informe alerta que esses sapatos “podem causar acidentes”, sem, no entanto, especificar quais, ou como os passageiros podem se proteger. No ano passado, ao menos um incidente envolvendo o produto nesses equipamentos foi registrado em um shopping center da cidade.

Segundo a ViaQuatro, concessionária que opera a Linha 4, a medida é preventiva, já que ainda não houve acidentes do tipo em suas dependências – o ramal foi aberto no ano passado. O gestor de atendimento da empresa, José Luiz Bastos, diz que a peça, afixada no rodapé dos aparelhos, integra uma campanha para evitar que usuários se machuquem nas escadas. Ela inclui mensagens sonoras para que as pessoas não corram ou sentem nesses locais.

“Toda vez que você encosta o calçado na parte fixa (das escadas e esteiras), corre o risco de ele ficar preso (no vão). Num sapato com muita aderência, seja Crocs, Havaianas ou tênis, a tendência é prender entre o degrau e a parede.” Bastos afirma que a imagem de um Crocs foi escolhida devido à popularidade do calçado. “A gente achou que ilustraria melhor.”

Os passageiros divergem a respeito da iniciativa. O pedreiro Elizardo José de Oliveira, de 57 anos, calçava sandálias Crocs cinza escuro na tarde desta segunda-feira. Ele foi entrevistado na esteira entre as estações Paulista, na Linha 4, e Consolação, na 2-Verde. “Para mim, é exagero. Enquanto (o calçado) está novo, não tem problema nenhum. É leve e gostoso de usar.”

Já o publicitário Adriano Domingues, de 28 anos, que embarca na Estação Pinheiros, aprova o adesivo. “Eu acho interessante. Quando eu era criança, num shopping, meu tênis prendeu na escada rolante e o bombeiro teve que ir tirar.” Colega dele, o também publicitário Caio Aidar, de 29, opina que o alerta está escondido. “Você tem que andar olhando para o chão para ver. Se querem prevenir, poderiam anunciar no sistema de áudio. Além disso, estão usando só a imagem de um Crocs. Tinham que explicitar todos os calçados que dão problema.”

Na avaliação do ortopedista Antonio Egydio de Carvalho Junior, da Faculdade de Medicina da USP, a alta aderência de calçados como o Crocs – feito de uma resina chamada “croslite” – pode inibir o deslizamento normal dos pés em chãos ásperos. “É um calçado que não comprime o pé, mas, em certas situações, é inseguro para o tipo de piso da escada e da esteira rolante.” Para o especialista, Crocs são sapatos “de férias, praia, piscina e casa”. No dia a dia, ele recomenda o uso de tênis.

Em nota, a empresa Crocs diz apoiar “qualquer medida que possa esclarecer o consumidor” sobre cuidados nas escadas rolantes e que criou uma etiqueta de alerta nos produtos. O Metrô não informou quantos acidentes foram registrados neste ano nas escadas rolantes das outras linhas da rede.