Estado.com.br
Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014
Cidade
Seções
Arquivos
Tamanho do Texto

Guincho da CET é mais caro

Categoria: Geral, Transporte

CRISTIANE BOMFIM

Quando foi informado por policiais militares, durante uma blitz na zona norte da capital, que seu carro seria guinchado por estar com o licenciamento vencido, o motorista Givaldo Barreto de Jesus, de 47 anos, não reclamou. “Ninguém quer ter o carro levado por um guincho, mas eu estava errado”, conta.

A reclamação veio no dia seguinte, quando descobriu que teria de pagar uma taxa de R$ 412,60 pelo guinchamento do automóvel. O valor chega a ser até quatro vezes mais caro que o cobrado por empresas particulares de guincho, de acordo com cotação feita pelo JT. O preço varia de R$ 100 a R$ 350 (quando é para atravessar a cidade).

“É mais caro que o valor que cobro por um frete com caminhão-baú de São Paulo a Jundiaí”, disse o motorista, ao retirar o veículo em um dos seis pátios que recebe os carros apreendidos na cidade. Pelo frete mencionado, ele cobra R$ 380. Além do guincho, Givaldo teve de pagar R$ 32,40 pela diária no pátio, a inspeção veicular e a taxa para o licenciamento de seu Voyage, no valor de R$ 254.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a Polícia Militar, foram guinchados 62 veículos, em média, por dia na capital em 2010: 14.414 carros e 8.171 motos. Para motos, a taxa cobrada pela Prefeitura é de R$ 137,55. O valor arrecadado no ano passado só com os guinchos foi de R$ 7,1 milhões. A CET explica que o dinheiro vai para o caixa da Prefeitura e que o valor é tabelado e atualizado pelo decreto 52.040/2010.

“O valor é absurdo. Levei um susto”, afirma a empresária Valquíria Augusto Bezerra, de 40 anos. Seu carro, um Zafira, foi recolhido em uma blitz na Avenida Presidente Wilson, no centro, porque estava com licenciamento vencido. “Acho que não precisa de um guincho tão caro, já que a ideia é regularizar a situação”, diz.

Travessia
Na Guincho Express, empresa da Vila Prudente, zona leste, a saída mais barata para a remoção de veículos custa R$ 100. “Isso, quando a locomoção é feita de um ponto a outro no mesmo bairro”, explicou um dos atendentes por telefone. 

O serviço mais caro, quando o guincho precisa, por exemplo, carregar um carro do extremo sul da capital até São Mateus, na zona leste, não passa de R$ 320. Na Capitão Guincho, empresa da Pompeia, zona oeste, o valor mínimo também é R$ 100. Para uma travessia entre Parelheiros, extremo sul, e Guaianases, no extremo leste, o serviço custa R$ 230.

A CET apreende automóveis estacionados em locais proibidos, em frente de garagens ou que atrapalhem o trânsito. Em 2010 foram 5.655. A PM pode aprender motos e carros, durante blitze, que tiverem, entre outros casos, com documentação irregular ou com motoristas sem habilitação. Foram 16.930 no ano passado.