Estado.com.br
Domingo, 21 de Dezembro de 2014
Cidade
Seções
Arquivos
Tamanho do Texto

Autoescolas querem acabar com aulas noturnas

Categoria: Segurança

Por Marici Capitelli

Com a alegação de que falta segurança para funcionários e alunos, donos de autoescolas e instrutores estão tentando acabar com as aulas noturnas de direção ou pelo menos diminuir a carga horária delas. Patrões e empregados afirmam que estão acontecendo roubos nas aulas práticas, que normalmente são feitas em ruas pouco movimentadas. O treinamento noturno entrou em vigor em maio do ano passado.

Apesar de reclamarem dos crimes, trabalhadores e proprietários de autoescolas não têm estatísticas sobre essas ocorrências. Nas ruas, os instrutores afirmam que sentem medo de trabalhar à noite. Como medida de proteção, costumam ficar sempre próximos. Também dão sinais para os colegas quando consideram que alguém suspeito se aproxima.

“Se chego com o aluno para treinar baliza e não tem outro carro de autoescola, eu não paro. Continuo dando voltas”, diz uma instrutora que trabalha na zona norte.

Patrões e empregados estão usando estratégias diferentes para acabar com a obrigatoriedade atual de quatro aulas noturnas. Dos 10 sindicatos de trabalhadores do Estado, quatro estão apoiando um projeto de lei em Brasília pedindo o fim das aulas. O autor da proposta é o deputado federal Vicentinho (PT).

“Temos muitas denúncias de instrutores que sofrem violência à noite, mas a maioria não registra boletim de ocorrência”, diz Valdir José Lima, presidente do Sindicato dos Trabalhadores, Instrutores e Diretores de Autoescolas (Sindradete). Para ele, as aulas deveriam ser facultativas. “Não se pode obrigar se não há segurança.”

Laércio Pinhal da Silva, presidente do sindicato dos trabalhadores de Campinas, diz que, no interior, o medo é tanto que muitas autoescolas estão burlando as aulas noturnas. “Os governos estão virando as costas para isso.”

A Federação Nacional das Autoescolas e Centros de Formação de Condutores (Feneauto) pretende pedir ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que o treinamento noturno seja reduzido para uma aula. “Entendemos que a aula noturna é importante. O que queremos é que a quantidade seja revista”, diz Magnelson Carlos de Souza, presidente da entidade.

Já o presidente do Sindicato das Auto Moto Escolas e Centros de Formação de Condutores do Estado, José Pereira Guedes, diz que a quantidade de aulas noturnas precisa ser adequada. “Mas não podemos usar a questão de segurança para acabar com elas.”

O Detran afirma que não há registro de denúncias de auto escolas que estejam burlando as aulas noturnas. Já o Contran informa que, assim que receber a solicitação feita pela Feneauto, irá analisar a proposta por meio das câmaras temáticas do conselho.