Estado.com.br
Sábado, 25 de Outubro de 2014
Cidade
Seções
Arquivos
Tamanho do Texto

‘Raspadinha’ da Caixa: dinheiro e crédito

Categoria: Comportamento, Geral

A Caixa Econômica Federal lançou ontem uma nova linha da loteria instantânea, conhecida como “raspadinha”. A novidade é que o prêmio será composto por dinheiro e por um bem, que pode ser uma casa, um carro ou uma moto. Segundo Fábio Cleto, vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa, “o lançamento claramente se destina às classes C e D”.

Os prêmios serão pagos por meio de carta de crédito. Para casa, o apostador receberá carta de crédito no valor de R$ 100 mil e mais R$ 15 mil em dinheiro. Se for carro, carta de crédito de R$ 30 mil mais R$ 1,4 mil em dinheiro. E se sair a moto, carta de crédito de R$ 7 mil mais R$ 900 em dinheiro.

Cleto disse que há essa preocupação de aliar dinheiro e um bem com o objetivo de vincular o prêmio aos custos adicionais do bem. “Por exemplo, se a pessoa ganha um carro, precisa pagar IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor) e encher o tanque. O dinheiro vai dar condições para o apostador desfrutar do bem”, explicou.

Segundo Roberto Derzie, superintendente nacional de Loterias, com o novo produto a Caixa espera aumentar em 25% o total de vendas de raspadinhas, chegando a 15 milhões de apostas por mês. Em apenas três dias desta semana, as lotéricas já solicitaram quase 4 milhões de raspadinhas dessa nova linha.

A Caixa também lançou ontem a Quina de São João, com expectativa do prêmio é em torno de R$ 60 milhões. O sorteio será no dia 24 de junho (Dia de São João), em Caruaru (PE).

Derzie disse ainda que a Caixa tem planos de realizar um grande sorteio a cada três meses, com a inclusão da Lotofácil da Independência em 2012 e a Lotomania de Páscoa em 2013.

Mega-Sena na internet

A Caixa prevê lançar em março do próximo ano as apostas da Mega-Sena pela internet para toda a população, de acordo com Derzie. Hoje, a aposta online da Mega-Sena é possível só para correntistas da Caixa.

“A ideia é levar as apostas até as classes A e B, que não frequentam as casas lotéricas.” A estimativa da Caixa é que o número de apostadores duplique.

(Renan Carreira)