12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




José Paulo Kupfer
Filtro
Tamanho de texto: A A A A

Realidade “invisível”

4 de setembro de 2012 | 9h45

José Paulo Kupfer

Não há mais muitas dúvidas de que a economia brasileira se encontra numa etapa de transição. É só observar a curva do crescimento econômico trimestral para visualizar esse fato. O nível de atividades está saindo de um ciclo de baixa, relativamente longo, que começou no primeiro trimestre de 2010 e se estendeu até o primeiro trimestre de 2012. Agora, parece ter iniciado um movimento de reversão, de moderada intensidade e chances de se prolongar por algum tempo.

É justamente neste momento peculiar que a economia doméstica está sendo sacudida por estímulos fiscais e monetários de variada abrangência e intensidade. Alguns, como as reduções de IPI para bens duráveis e material de construção, são de fôlego mais curto e caráter conjuntural. Mas, outros, como a redução dos juros básicos e a desvalorização cambial, são de natureza mais estrutural e com potencial para revirar alguns modelos de produção construídos exatamente para tirar vantagem de juros altos ou câmbio valorizado.

Os juros básicos vêm sendo derrubados há um ano, já acumularam cortes de cinco pontos porcentuais e, mesmo que ocorram repiques em futuro próximo, dissemina-se a convicção de que uma taxa real inferior a 3% ao ano veio para ficar. Do mesmo modo, a taxa de câmbio, pouco acima de R$ 1,50 por dólar também há um ano, parece ter encontrado, com a ajuda de intervenções do Banco Central, um ponto de ancoragem em torno de R$ 2 por dólar.

São mudanças com óbvio impacto nas cadeias de produção, ainda não detectadas com nitidez pela maior parte dos sismógrafos econômicos. Até porque alguns desses equipamentos não foram ainda calibrados para captar as novidades.

Sistemas de medição fora do ponto podem induzir analistas a considerar como erros de diagnóstico, que levariam a resultados negativos, o que pode ser o começo de um promissor novo tempo. Fenômeno semelhante ocorreu com o fim do descontrole inflacionário e as profundas mudanças advindas do Plano Real.

É natural que, numa primeira etapa, como no Plano Real e a inflação, a reversão do ambiente de juros altos e câmbio valorizado produza choques e perdas. A economista Zeina Latif, experiente analista de conjuntura, recentemente, chamou a atenção para o fato de que a indústria tem perdido com a redução dos juros. Parece um contrassenso, mas faz todo o sentido.

Sim, historicamente, para se defender dos juros altos, o setor trabalha com caixa elevado, muito acima do padrão internacional. Trata-se de uma defesa para compensar, com ganhos em aplicações financeiras, os custos de produção inflados pelos altos juros. Com juros mais normais, no entanto, é de se supor que, aos poucos, as fábricas aproveitarão os custos menores para se reorganizar e buscar eficiência no que de fato produzem.

Não está sendo diferente com os impactos de um câmbio mais desvalorizado. Empresas com dívidas antes “baratas” em dólar têm sido negativamente afetadas. Idem para as que passaram a importar mais do que seria conveniente, relaxando na eficiência e produtividade internas, para aproveitar os preços “baixos” dos importados. Mesmo aquelas empresas que não podem escapar de importações terão, com o tempo, de reequilibrar os processos produtivos, podendo aproveitar oportunidades que, fatalmente, se abrirão no mercado doméstico.

Até os bancos, campeões de rentabilidade com os juros altos, diante das perdas dos últimos trimestres, já descobriram que não é mais possível viver na sombra e na água fresca dos certificados de depósito interbancários (CDI), e na zona de conforto exclusiva dos papéis de renda fixa flutuante. A novíssima palavra de ordem no setor, com a redução de margens e receitas, é eficiência – o que, pelo menos nas comparações internacionais, sempre faltou às instituições brasileiras.

A defasagem de tempo entre a adoção das medidas e a disseminação de seus efeitos pela economia conspira contra os impacientes. Reconhecer que a economia brasileira encontra-se numa etapa de transição é, nas atuais circunstâncias, parte relevante do roteiro para análises mais sintonizadas com a realidade “invisível” do momento e, principalmente, para projetar com mais probabilidade de acerto o futuro de médio prazo.

 

Tópicos relacionados

134 Comentários Comente também
  1. Enviado por: Neimar

    Procurei os comentários e encontrei: “Sem comentários”.
    O interessante é que é exatamente o que eu ia dizer: Sem comentários, o Kupfer acertou na mosca!

  2. Enviado por: Giovanni

    Como ser eficiente com uma teia tributária que sufoca uma infra-estrutura que leva o frete de santos para são paulo custar mais do que do brasil para a china ? Sem levar em conta essa CLT arcaica que faz com que custo por trabalhador alcance mais do que dois salários. Sob qualquer ótica comparando com nossos concorrentes estrangeiros perdemos em competitividade, e grande parte dessa perda é do poder público que se comporta mais como um parasita do que como um parceiro estratégico do empreendedor.

  3. Enviado por: Abstêmio

    Queira mesmo que não seja uma transição do ruim pro pior …agora “engolir”…”que a indústria tem perdido com a redução dos juros” para “juros mais normais” só com um duplo JW black…desculpe!

  4. Enviado por: Ricardo

    Mas existe um índice que antecipa as mudanças econômicas, sejam positivas ou negativas, que é o índice da bolsa de valores. E apesar da queda da selic o ibovespa também vem caindo. O que a princípio sinaliza um cenário não tão favorável para a economia.

    • Enviado por: José Paulo Kupfer

      Prezado Ricardo,

      A Bolsa mudou muito nas últimas décadas. No tempo em que os animais falavam, de fato, juros baixos favoreciam as ações. Hoje, é uma mistura de outras coisas, operações robotizadas, day trade pra todos os lados etc. etc. Os fundamentos foram para o espaço. Quem sabe, agora, em que a rentabilidade ficou menos moleza de obter, a Bolsa volte a representar um pouco o que vai pela economia real.

      Abrs

      • Enviado por: José Espinoza

        No curto prazo, a bolsa de valores pode ser independente aos fundamentos econômicos ,entretanto no médio e longo prazo a correlação entre os dois é bastante alta. Cabe ressaltar, que o ibovespa, encontra-se em tendência de baixa desde 2010, acompanhando o crescimento pífio de nossa economia.
        Tudo pode acontecer em se tratando de previsões econômicas, mas as probabilidades não estão ao nosso favor.

        • Enviado por: Alexandre

          O Brasil de maneira nenhuma é descolado do exterior, quem inventou esta besteira foi este governo. Aliás se fossemos nos posicionar dentro de alguma bolsa nossa situação seria de vendidos…..apesar de todo o mercado interno ainda para ser desenvolvido e abastecido adequadamente, com industria pelo menos instalada aqui, pois a nacional já era, com a ajuda nossa mesmo….

          Se este governo fosse mais decente e preocupado com nosso futuro trataria de fortalecer as pequenas industrias, criar milhares delas como em outros países, 100% nacionais.

          Mas não, não cansa de subsidiar os campeões nacionais e internacionais.

  5. Enviado por: elie r. levy

    Não faz sentido empresas que tenham aplicações no mercado financeiro tenham ao mesmo tempo financiamentos em moeda nacional que onerem seus custos de produção. Faz mais sentido que essas aplicaçoes tenham como comtrapartida emprestimos do exterior ( seja como aplicação parcial provisoria até o seu reembolso, ou com contrapartida cheia em operações especulativas de dolar vs. real.
    A desvalorização do real, não fez nada mais de que recolocar a aposta no marco zero, eliminando os ganhos anteriores da diferença de juros. Os empresarios em geral e especialmente os banqueiros, deveriam se conscientizar de que a juros básicos moderados devem corresponder rentabilidadse sobre negocios de qualquer natureza tambem moderados, porque os juros condicionam e balizam as metas de rentabilidade. Taxas de retorno de 20-25% são coisas do passado. O investidor empresario deve se contentar hoje com algoem torno de 15%.
    Esta é a nova realidade ainda invisivel aos olhos dos empresarios

    Realidade “invisível”
    Realidade “invisível”

  6. Enviado por: Tetsuo Shimura

    Como brasileiro razoavelmente bem informado, nutro por decadas uma dúvida cruel que insiste em não me deixar tranquilo. Nos anos 1950-70 o Japão trilhava os mesmos caminhos da China atual e de forma mais antecipada, a Coreia; por diversas vezes já lí materias onde se comentava que em 1953, ano do armistício entre as Coreias, o Brasil desfrutava de desenvolvimento econômico devido à exportação do café bem como do surgimento de uma nascente indústria com amplo leque de atuação. A China enquanto na era Mao Tse Tung – o grande timoneiro, bufava, bravateva e cometia todas as besteiras que vemos em líderes sindicalistas como Lula e o bufão Hugo Chavez; timoneiro morto, timoneiro posto e desta vez uma nova liderança compostos de pessoas mais inteligentes e sensatas entenderam que não mais era “diplomático” receber visitantes do exterior tendo o líder um urinol usado como escarradeira colocada ao lado de sua cadeira e então procuraram atrair sino-americanos com graduações, pós-graduações e mestrados, principalmente aqueles que já detinham experiências em tecnologia e produção e isto ocorreu em pouco mais de trinta e cinco anos. Hoje, temos uma Coreia que desponta como um grande país detentor de tecnologias próprias, a mesma Coreia que em 1953 era tida como mais atrasada que o Brasil; vemos uma China que chega a posição de segunda maior economia do mundo em menos de trinta anos. O Brasil ufanista barato, bravateador e bufão ainda não foi liquidado da nossa sociedade, certamente ainda estará forte nas eleições deste ano e provavelmente estará também em 2014 deixando a dúvida cruel que insiste em não me deixar tranquilo e me fazendo pensar por que não conseguimos sequer copiar a Coreia e a China. Seríamos tão incompetentes até para seguir modelos que deram certos? Quando teremos um país que fará bom uso de suas riquezas naturais produzindo tecnologias e bens de consumos cobiçados pelo mundo? Será que no projeto de Deus nos foi destinado ser meramente exportador de minérios de ferro, frango, carne suína, suco de laranja e café? Será que a ausência de furacões, nevascas e terremotos nos fazem mais preguiçosos?

    • Enviado por: Alexandre

      Otimo desabafo Tetsuo…concordo, um país é feito por pessoas. Sofremos um problema sério de custos e produtividade. Por que custos? Porque não produzimos o suficiente e aquilo que produzimos 40% são do estado.

      Então vamos atacar a produtividade, como? Começa acabando com os feriados……já que, se ficarmos esperando pelas escolas os outros já nos passaram novamente.

      È, inflação de preguiça….

    • Enviado por: Jr.

      Tetsuo,

      A sua impaciência e a sua dúvida são compartilhadas por muitos.

      Acho que nessa equação do desenvolvimento dos países entra um fator que se chama “sorte”. As condições para o surgimento do capitalismo surgiram na China vários séculos antes delas se manifestarem na Europa. Na Idade Média, a China tinha uma esquadra que percorreu o Oceano Pacífico e Oceano Índico, quando nem as caravelas portuguesas existiam ainda. Mas por uma série de fatores a China não desenvolveu o capitalismo naquela ocasião e somente vários séculos depois, com a ascensão do mandarim comunista Deng Xiaoping, a maquinaria capitalista (paradoxalmente) começou a operar de forma lubrificada naquele país.

      A Coréia e a China demoraram muito tempo para encontrar seu caminho. Talvez o Brasil e outros países ainda não tenham dado essa sorte. O Brasil já deu sorte em 1992, quando uma briga de irmãos propiciou o impeachment de Collor, que ensejou a edição do Plano Real, o fim da inflação e a defenestração da direita incompetente, corrupta e atrasada que governava o País há décadas.

      Talvez agora estejamos no encaminhando para outro ponto de inflexão na história econômica do País. O título do post do Kupfer é muito apropriado. Se tivermos sorte das decisões corretas serem tomadas nos próximos anos, talvez daqui a 10 ou 20 anos olharemos para trás e concluiremos que estamos no mesmo caminho da Coréia. Vamos torcer para que isso aconteça e fazer a nossa parte.

      Abs.

    • Enviado por: Speridião

      Sorte Jr.? Que é isso?

      O que lhe aconteceu? Está fora de seu estilo.

      A Coréia investiu pesado em educação, a China tem sacrificado sua população com remuneração pífia até apelidados de escravos alguns até suicidas e o Japão com toda aquela hierarquia e disciplina e que mantém os mais velhos nos cargos para não perder a experiência deles…..

      Sorte? Nada disso! É dedicação e muito trabalho e investimentos de até 7% do PIB (Japão) em pesquisa e desenvolvimento.

      Estou aqui dedilhando num teclado de marca americana made in china, lá dentro um processador de marca americana também mas feito nas Filipinas e na minha frente um belo monitor etiquetado em Manaus e feito na Coréia…..uma beleza!

      É claro que existem muitos brasileiros( e não são poucos) que trabalham muito até muito mais que europeus e que não obtém o retorno merecido nessa terra que apóia marchas pela maconha e onde o “homem público” delinquente filmado levando propina nega tudo na frente do juiz….e ainda pede habeas corpus!…….e eventualmente consegue.

      A corrupção que é algo tão grosseiro ainda é tolerada e considerada normal por parcela significativa da população formadora de opinião.

      Sorte? Vai esperando sentado e tire o cavalo da chuva . Quando ela chegar já estará demodé.

      Aliás já chegou: viu que para evitar competição externa foram sobretachados os produtos siderúrgicos? Ferro dá na terra….ainda comemos o que anatureza plantou para nós e ainda precisamos dessa proteção. É a sorte unida com a incompetência que na soma dá AZAR! O destino do ferro e petróleo já está traçado pela substituição por polímeros e carros elétricos.

      Não basta ter sorte, há que ser competente!

      • Enviado por: Alexandre

        Bem colocado Speridião, a coisa esta ficando espiritual, o Tetsuo ate já esta no pelo amor de Deus……. e o Jr. na sorte……

    • Enviado por: Jr.

      Speridião,
      Você não entendeu o que eu quis dizer. Sorte é a confluência de fatores que viabilizam um determinado curso da história.

      Sorte para o Brasil foi o Collor ter assediado a cunhada e esse fato ter gerado toda a confusão familiar que resultou no seu impeachment. Se esse acontecimento rasteiro e pequeno não tivesse acontecido, provavelmente ainda hoje estaríamos chafurdando na lama da inflação galopante.

      Sorte para a Coréia do Sul foi ela se vir mergulhada em um ambiente de Guerra Fria, onde os americanos se empenharam arduamente em investir no País para se contrapor à Coréia do Norte. As circunstâncias históricas colocaram no poder na Coréia do Sul uma brutal ditadura que, todavia, investiu pesadamente em educação e infra-estrutura, lançando as bases para o atual estado sócio-econômico daquele país.

      Note que a ditadura corrupta de Suharto na Indonésia, também apoiada pelos Estados Unidos na mesma época, não conseguiu mover o país adiante como a ditadura coreana o fez.

      Perceba também que quando eu falo em sorte (ou azar) estou me referindo a circunstâncias históricas que propiciaram a instalação de regimes anacrônicos e autoritários como os de Franco e Salazar na Espanha e Portugal, respectivamente, que represaram o desenvolvimento desses dois países por décadas.

      Por fim, note que a sorte e o trabalho duro e árduo necessitam estar conjugados. Evidentemente, que de nada adianta ter sorte se não há esforço, visão, trabalho e disciplina.

      Entendeu agora ?

    • Enviado por: Jr.

      Speridião,
      Só para tentar ser mais claro em relação ao meu comentário.

      Você diz acima: “A Coréia investiu pesado em educação, a China tem sacrificado sua população com remuneração pífia até apelidados de escravos alguns até suicidas…”

      Você usa os sujeitos “Coréia” e “China”, mas, na prática, você sabe que esses sujeitos deveriam, a rigor, ser substituídos por “O governo da Coréia” o “O governo da China”. Note que esses dois governos são (ou foram, como é o caso da Coréia) regimes autoritários, não eleitos pelo povo. Então, perceba que o “investimento pesado da Coréia em educação” e o “sacrifício da população chinesa”, citados por você no seu comentário, não foram decisões tomadas pelos povos sul-coreanos e chineses, mas sim por ditaduras que se instalaram e se mantém (ou se mantiveram) no poder pela força.

      Note que, como citei acima, outros regimes autoritários como os de Suharto, Franco, Salazar – ou até mesmo os mais recentes como os de Mubarak no Egito – não tomaram decisões semelhantes.

      Percebe agora o que eu quero dizer quando cito a palavra “sorte” ?

      • Enviado por: Renato

        Caro Jr., fica difícil melhorar a educação no Brasil, pois num daqueles governos do passado, foi criada a tal “progressão continuada”, que é uma maneira de reduzir custos com a educação do aluno, já que o aluno gasta menos tempo para se formar e por consequência a despesa para fazer este aluno aprender fica menor, mais barata e de qualidade duvidosa, ou seja: ensino vagabundo. Coisa de governo vigarista neoliberal.

        Pode-se esbravejar o quanto quizer, dizer que o ensino é uma droga no Brasil, mas temos que ver que a educação básica não é da alçada federal e sim dos estados e municípios.

        De quem é a competência para se acabar com essa safadeza de “progressão” continuada?

        Na minha opinião, progressão continuada só serve para baixar custos, cortar custos, coisa de gente do mercado financeiro ou coisa de neoliberal.

    • Enviado por: Jr.

      Prezado Renato,
      Concordo. Enquanto os governos brasileiros (em todos os níveis) tratarem a educação sem a devida atenção, continuaremos limitados, sem poder alçar vôos mais altos.
      Abs.

    • Enviado por: Sellba

      É Jr, não aprendemos muito não com com o impedimento do Collor. Não podemos nos esquecer que recentemente um certo presidente permitiu a montagem de uma quadrilha especializada em assaltar o estado numa sala ao lado da sua, não sou eu quem está afirmando isso, mas nosso STF. E tem a cara de pau de continuar afirmando que não sabia de nada, como se fosse um pateta. Num país medianamente desenvolvido o que teria acontecido? Estaria no olho da rua. Por aqui virou herói. Incrível não?

    • Enviado por: Jr.

      Sellba,
      Um grande mal da gestão Lula foi ele ter frustrado a expectativa de que a ascensão do PT ao poder seria marcada pelo império da ética na administração da coisa pública. Com o episódio do Mensalão, o PT, que outrora fazia da ética sua bandeira principal, tornou-se igual aos outros partidos nesse aspecto.
      Concordo com você. É lamentável.

    • Enviado por: speridião

      Boa noite Jr. e Javier.

      Jr. é óbvio que não tive a intenção de desqualificá-lo e sim foram ativados meus anticorpos políticos quando mencionou a palavra “sorte” assim como alguns destemidamente usam a palavra “deus”. Isso num país de religiões sentimentais como o nosso parecem palavras de perdão para todos os males.

      Prefiro usar as palavras: competente ou não competente, bom planejador estratégico ou mal, assim por diante…..honesto ou desonesto.

      Sorte, deus, religiões são assuntos de outras instâncias, amenidades de missa dominical ou conversas à luz da cerveja.

      Hay que endurecer pero sin perder la ternura jamás… Então assumiu o cargo público fica vedado o uso de subterfúgios sentimentais e abstratos para justificar falhas….pois quando as coisas dão certo deus não é mencionado nem a sorte e sim “eu fiz isso” ou “eu fiz aquilo”,….se dá errado …foi falta de sorte?

      Javier, numa de suas réplicas você disse que não se pode comparar o Brasil com Coréia do Sul, etc…

      O meu comentário não foi compatativo e sim de constatação: enquanto por aqui os pesquisadores não são aproveitados e acabam se aposentando e morrendo nos mencionados países eles são é mantidos o tanto quanto possível para passar suas experiências aos iniciantes. Não por razões sentimentais mas para que não se percam os conhecimentos adquiridos ao longo de décadas…

      Por outro lado quem no Brasil está tão interessado em Know How? Tem uma classe empresarial(os grandes) próxima do medíocre que fica esperando benesses estatais para tocar seu negócio….e compra a inteligência dos produtos de fora sem prestigiar os cérebros locais que em geral se desviam nas carreiras por questão de sobrevivência. Veja o exemplo que dei do meu vídeo: um espetáculo com a parte inteligente fabricada na Coréia e as etiquetas made in Brazil…..e o Lulla ficou 8 anos no poder e sobre isso nem sequer tocou no assunto ( a D. Dilma deu uma leve alfinetada, para marcar presença a meu ver).

      Uma boa paeja para você e suas réplicas sempre serão bem vindas, pero sin perder la ternura jamás.

  7. Enviado por: Didi

    A curva não se sustenta nem a pau Juvenal, com a crise fincada no Velho Continente e a China em franca queda na produção industrial com estoques até o teto, o Brasil não conseguirá passar ileso.

  8. Enviado por: Nick

    Eu concordo com o JPK quando ele diz que o Brasil passa por uma fase de transição. É uma fase muito interessante e que vai gerar muita riqueza para muita gente. O outro lado da moeda é a perda de controles legais sobre o que o solo do país contém, e também o movimento do país (seu povo) para uma posição de refém via compromissos financeiros soberanos (dívidas).

    O processo é relativamente lento, difícil de ser percebido pela população em geral, coberto pelas vantagens de curto prazo, mas não deixa de ser nefasto.

    No meio disso, há o reforço via repetição incansável, da ideologia socialista/fascista que já permeia os escalões do poder no Brasil desde sua fundação.

    E, aproveitando o gancho, respondo aqui o comentário do blog anterior feito pelo Ferruccio onde ele comenta “O que adianta escolher os representantes, democraticamente, se esses dirigentes não podem, por exemplo, decidir no congresso, por maioria, se devemos ou não ter um salário mínimo?” (o salário mínimo é só um exemplo).

    A resposta a isso está na definição de qual é o papel do governo. Democracia em processos administrativos é a pior das soluções. É similar a situação na qual temos 3 lobos e 2 cordeiros decidindo, por voto, qual será o jantar. Os cordeiros tem o direito de votar, mas claro, perdem e viram jantar. A minoria SEMPRE perde em uma democracia implantada em processos administrativos. Democracia em processos políticos (eleições) é totalmente aceitável. Democracia em decisões administrativas é processo de máfia.

    A solução não é votar neste ou naquele processo administrativo. Não é esse o papel de governo. Novamente, isso é uma questão de ideologia encrustrada no cérebro de muitas gerações de dirigentes, que por darem (via votos) vantagens absurdas a certos setores da economia, são forçados a criar contra-pontos (via votos também) que favoreçam os que foram prejudicados pelos primeiros privilégios dados ao outro lado.

    Quando houver separação entre governo e economia, da mesma forma que há separação entre governo e igreja, aí então sim o mercado se equilibrará automaticamente.

    Empresários não poderão mais ir choramingar em Brasília por leis que os favoreçam. Empregados não mais irão choramingar em Brasília por leis que os favoreçam. Quando houver entendimento das diferenças que existem entre direitos e privilégios, a areia será sacudida das engrenagens da economia. Equilíbrio afinal – ditado pelo mercado. Utopia? Nem tanto. Basta apenas elegermos dirigentes que tenham coragem de redefinir qual é o real papel e função do governo.

    • Enviado por: Alexandre

      Nick, se o FED desisitir desta rodada, parece que tem alguns contra, daí vou começar a acreditar que algo mudará.

  9. Enviado por: Nick

    Isso é um teste. Eu escrevo um texto longo, mas não é publicado. :(

  10. Enviado por: silvio corrêa

    Concordo com o post, e acho que as medidas econômicas do Governo deixam de parecer pontuais.

    No conjunto da obra, (Selic,controle do câmbio, MP563, novo modelo automotivo) mesmo em qualquer setor de atividade, ainda é difícil dizer se o capital irá naturalmente canalizar do investimento financeiro para os investimentos em inovação ou de elevado potencial tecnológico, embora ao meu ver melhorem um pouco para investimenos em modernização.

    Eu adicionaria outro fator importante e estrutural que se concretizado contribuirá para um melhor ambiente enconomico.

    É o atual esforço do Governo para desindexar tarifas.
    Os novos contratos das elétricas , talvez tenham reajustes tarifários somente em cinco anos e sem indexador. Porém, resolver o problema tarifário requer ações para solucionar a indexação nos financiamentos e empréstimos das mesmas concessionárias.

    Penso que nos novos contratos do Pacote da Infraeestrutura essa questão da indexação tarifária também esteja na agenda.

    Acho que o próximo passo o Governo tentará desestimular as NTN-B’s em preferência aos pré-fixados, também os indexadores da dívidas dos Estados precisariam ser alteradas. Acho que por último os financimentos de longo prazo para pessoas fisicas e juridicas.

    Por fim é bom lembrar que a questão da Competitividade,que no meu modesto ponto de vista é o que realmente justifica o investimento produtivo, por enquanto tanto na iniciativa privada quanto na Gestão do Governo, ainda estão sem agenda.

  11. Enviado por: Alexandre

    Javier, quer trocar a transposição do São Francisco por alguns aeroportos seus? Não faz sentido????

    Voce não quer ficar com a nossa Copa não já que infraestrutura está sobrando aí?

  12. Enviado por: Luis Franco

    Com a arrecadação tributária em queda e os sindicatos enforcando o orçamento público com greves, seria uma ótima oportunidade para o governo realizar a reforma tributária e melhorar a eficiência da máquina pública diminuindo a burocracia e os gastos. Pena que nosso governo esteja vivendo de incentivos fiscais pontuais e mais uma vez veremos o bonde da história passar. Apesar dos indicadores estarem melhorando creio que não passará de mais um vôo de galinha. Mesmo as economias desenvolvidas em crise conseguem desempenho melhor que o do Brasil.

  13. Enviado por: Alexandre

    Sinceramente,alguem consegue entender a logica desta atitude….desde qdo nos passamos a ser um pais rico? Sera que perdi algum periodo da história? Foi a mesma besteira com o acordo com a China…caracois…estes caras viajam na maionese.

    Outra, Mercosul e Canada!!!!! Pelo que eu sei Canada é Nafta, façam logo com os EUA, eta país que fica dando voltas e mais voltas….

    Fazendeiro, sao burros mesmo…nao tem jeito.

    http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+geral,camex-quer-zerar-imposto-de-importacao-a-paises-pobres,125492,0.htm

    • Enviado por: Alexandre

      JPK, voce não se sente velho às vezes? Será que o padrão dos mais velhos, como eu, é muito alto ou simplesmente ficamos desatualizados?

      Então 200 milhões de celulares, mais algumas geladeiras e carros, milhoes de imoveis financiados e traformamo-nos no supra sumo do consumo?

      É isto?

  14. Enviado por: Jr.
    • Enviado por: Nick

      “Schulz: Because we have a common economic and currency zone, and de facto this means that individual nations no longer have sovereignty over currency matters.”

      I rest my case.

    • Enviado por: Ferruccio

      Javier,
      Esperava seus comentários.

      Nick, o que significa “I rest my case”?

    • Enviado por: Nick

      Significa, em tradução solta, “não preciso dizer mais nada” ou “meu ponto está provado”, etc…

  15. Enviado por: Jr.

    Governo fazendo m.

    Aumenta alíquota de importação de matérias-primas industriais básicas. Pra que isso ? Pra aumentar o preço dos produtos acabados ? O governo e o BNDES não estimularam a formação de mega conglomerados nos setores de matérias-primas industriais básicas com a justificativa de que os ganhos de escala aumentariam a competividade do setor ? Onde estão os resultados e os ganhos de competividade internacional ? Depois de todas as consolidações dos últimos anos, tais setores deveriam ter musculatura suficiente para brigar com os competidores externos em pé de igualdade. Não deveriam precisam do papai governo pra manter a sua lucratividade. Quem paga com isso é a indústria de transformação e o consumidor final, que precisará pagar mais caro pelos produtos finais que utilizarão matéria-prima nacional mais cara que a importada.

  16. Enviado por: Speridião

    Bacana este título “Realidade invisível”. Já tinha ouvido falar de realidade virtual e visto realidade aumentada mas essa é de lascar o cano.

    Só que faltou comentar a “verdadeira” realidade invisível que é o PIB da informalidade não abrangido pelo PIB oficial….

    É a tal história enquanto os cães ladram (ladram de latir, mas tem os que roubam também) a caravana passa e o comércio informal continua como um país paralelo onde seus cidadãos não estão nem aí com nossos papos aqui.

    Portanto se há uma boa onda surfemo-la antes que arrebente.

    • Enviado por: Alexandre

      ….. :) ….. já formalizaram para cara…. por que voce acha que o PIB vai encolhendo e a inflação de serviços subindo, alem disto aumentaram as aliquotas…..donde voce acha que vem os aumentos de arrecadação acima do PIB….oras bolas…chega uma hora ninguem quer investir mais, para que? e principalmente, para quem?

      • Enviado por: Alexandre

        Imagine, esta turma esta se utilizando do Brasil para plantar uma ideologia que so as cabeças deles entendem….trocaram escolas por credito para alegrar o povão.

        • Enviado por: Alexandre

          Os que querem investir sao sempre os mesmos, os campeoes do governo, é aquele ciclo que não saimos, pago pelos impostos e revertidos em financiamentos, alem de garantir o mercado para eles, obvio, quem vai investir bilhoes sem ter o mercado garantido e com uma carga tributaria desta?

  17. Enviado por: Romanelli

    Com rara exceção, devo dizer que concordo mais com os colegas do que com Kupfer que se mostrou, pra mim, muito otimista e pouco crítico

    SIM, acho que o pior já passou, mas o risco não acabou

    Preocupa-me esta retomada de curto prazo estar sendo dada por cima dos mesmo e RECENTES erros, do consumo e da importação,muito a custa das nossas contas externas

    ..consumo de CARRO INADEQUADO dado a custa de endividamento de LONGO PRAZO pelas famílias ..aqui, verdade, penso mesmo que chega a ser uma vitória de PIRRO, ainda mais se computarmos que a frota nos é dada por montadoras de outras terras, e NENHUMA daqui (em verdade temos FABRICAS, e não industrias nacionais como querem fazer-nos crer)

    Mais, ainda acho que o câmbio não é suficiente, e esta LONGE donde deveria estar

    Não vejo maior dedicação às ações que visem EFETIVO combate aos nossos desvios, desperdícios e ABUSOS, e aqui refiro-me especificamente à carga tributária e aos custos de algumas linhas usurárias de crédito, e isso pra não falar da tão propalada e retardatária INFRA

    FORA que Mantega não perde a mania de manter acesa a política surpresinha, a de se farinha pouca, a do puxadinho, a do pacotinho dedicado a escolhidos ..verdade, acho que o cara ta tendo muito contato com Gerdau e Delfin

    desculpe, eu quero, mas ainda não consigo botar fé…

  18. Enviado por: Javier Vidal

    SPERIDAO, si me permite y me deja enviar el mensage, voy a probar primero.

    • Enviado por: Javier Vidal

      A ver si hay suerte.
      Yo creo que comparar Brasil con Corea no es muy buena idea.Son economias muy diferntes.Corea del Sur lleva desde los 50 industrializandose, gracias en parte a las inversiones japonesas y de EEUU.Su tamaño es ridiculo al lado de Brasil: apenas 98.000 Km/2, el tamaño de Portugal y casi 80 vecs menos que Brasil.Ademas, solo tien 49 millones de habitantes.Su gasto en infrestruturas por fuerza es mucho menor que el que tien que hacer Brasil.Pero ademas, el 85% de lo que exporta Corea del Sur, el 85%, es, por este orden: calzado, tabaco y alimentacion.Solo un 15% es industria.Ademas, casi el 55% de su riqueza viene del sector servicios.
      No son economias comparables.

    • Enviado por: Romanelli

      amigo meu de confiança foi pra lá, pra Coréia, ver o que da mais pra IMPORTAR

      Duas coisas o chocaram fora as 24h de vôo partido de SP

       1.comida a base de cachorro

      2.e FAVELA, este tipo de moradia que aqui em SAMPA, só na cidade, já somam entre pequenas, médias, grandes e gigantescas, 1.633 unidades

      Aliás, por se falar em FAVELA, penso, na verdade sonho, que seria por aqui que os governos deveriam focar ..na união do útil ao agradável ..e NÂO em carro

      Penso que ao ficarem fazendo puxadinhos, ora isentando TEMPORARIAMENTE este ou aquele amiguinho, tudo na base do artifício, melhor ser tivessem, NÃO abeto mão das receitas, mas caprichado nos gastos a FUNDO PERDIDO mesmo, pra desfavelarmos este país

      Desfavelar com moradias verticais, de baixo custo e manutenção, com área de lazer, verde e de convívio ..ordenando, valorizando e integrando melhor os escassos espaços públicos ..e claro, tomando cuidado pra não ser surpreendido com praticas de empreiteiros corruptos

      Justo num setor que NÃO afetaria muito as nossas contas externas, feito com base em MO local, promovendo distribuição de renda e CONSUMO RESPONSÁVEL, com alta propensão de por si só puxar uma CACETADA de outros setores por DÉCADAS

      enfim ..sonhar nunca é demais ..quem sabe um dia ..quando os ETs que por aqui chegarem

    • Enviado por: silvio corrêa

      Javier

      O plano Coreano (quando era subdesenvolvida) mesmo aquele de 97, é um bom modelo a ser seguido, até pela Espanha

      link para Update dos dados econômicos Coreanos.

      http://www.brasilglobalnet.gov.br/ARQUIVOS/IndicadoresEconomicos/INDCoreiaSul.pdf

      Abs

      • Enviado por: Javier Vidal

        Prezado Silvio
        Es cierto, Corea tien unos numeros macro muy buenos.Pero, insisto, son economías diferentes, porque Corea es un pais muy pequeño y tan antiguo como uno europeo.Es un pais urbanizado hace siglos,que siempre destacó por realizar manufacturas de calidad y que desde 1958, con la ayuda inestimable de EEUU,comenzaron un proceso de industrialización que esta dando buenos resultados.Pero Brasil es un pais inmenso, con una estructura economica diferente, dificil de cambiar de la noche a la mañana.
        Voy a probar si funciona….

        • Enviado por: Javier Vidal

          Brasil, decía, es un pais enorme.He oido decir, no se si es verdad que sólo el 12% de las carretras de Brasil estan asfaltadas.No se si es verdad, me parece muy poco, pero si es asi, imaginese la inversion que hay que hacer.Lo mismo sucede con infraestructuras logisticas: puertos, aeropuertos,autopistas, etc,etc.
          Los Coreanos lo tienen mucho mas facil en ese sentido.Y han sido inteligentes y han invertido muChisimo en nuevas tecnologias, con redes mas rapidas que en europa y EEUU.
          eL sector agricola coreano es minimo, el de Brasil es enorme.Corea se ve forzada a importar casi todo en materias primas, Brasil no.Es parecido a lo de europa, no tiene commodities, no tien energia, se ve forzada a crear un sector comercial potente para financiarse.Ventajas de los paises pequeños, que pueden ahorrar mucho en infraestructuras.Con las de Seul y alguna ciudad mas les llega.
          Y todo eso con salarios altos, con seguridad social, enseñanza publica de las mejores del mundo, nivel de delincuencia minimo sin pena de muerte y nivel cultural comparable a un pais europeo como Inglaterra o Francia.
          Ustedes tiene una riqueza inmensa, otros paises se l atienen que trabajar muy duro.

          • Enviado por: Tetsuo Shimura

            Javier Vidal eu apreciei muito a sua visão simpática em relação ao Brasil quando voce faz a comparação entre as dimensões entre o Brasil e a Coreia (Sul), entretanto, eu apontaria o Canadá e a Austrália como países igualmente gigantescos que conseguiram êxito no crescimento econômico com enormes avanços sociais. Aliás, se compararmos quaisquer destes dois países com o Brasil veremos que temos a sorte de não sofrer fortes nevascas como o Canadá, tampouco possuimos desertos tórridos como boa parte do território australiano. Mantido o crescimento econômico da China pelos próximos 10, 20 ou 30 anos, mesmo que em torno de 7% ao ano será uma grande demonstração que o tamanho do país não serve de justificativa para o pífio desenvolvimento do Brasil, porque a China é bem maior que o nosso país, sofre com nevascas, terremotos, furacões e também possui um deserto enorme, aliás, tomarei emprestada uma afirmação sua “Corea se ve forzada a importar casi todo en materias primas, Brasil no” para tornar mais inaceitável à situação do Brasil. E nem sequer procurei mencionar os EUA, cujo território contínuo é menor que o Brasil, tem quase a mesma idade desde Colombo e Cabral e, por acaso, ainda são a maior economia do mundo.
            Quando mencionei sobre os rápidos desenvolvimentos da Coreia e a China, tinha como propósito colocar uma referência do tempo envolvido. Então podemos concluir que em 512 anos de história a velocidade do desenvolvimento do Brasil se manteve numa média histórica próxima de zero uma vez que dependemos até da Telefonica de seu país (suponho que voce seja espanhol) nas telecomunicações, da Michelan, Good Year, Pirelli, Bridgestone para produção de pneumáticos e veja que no passado fomos a terra da borracha e outros infindáveis casos que ilustram os “assassinatos” da indústria brasileira gerados pelos descasos de sucessivos governos, que falam muito e pouco realizam.

    • Enviado por: silvio corrêa

      Javier

      Dependendo do ângulo em que se observa parece ser óbvio que o modelo Coreano é de difícil aplicação para qualquer país, ainda mais que eles se democratizaram lá pelos anos 90.

      Especialmente pela influência da ditadura e a forma autoritária das ações no passado, sempre de cima para baixo.

      Acho que comparar as economias na situação em que se encontram atualmente, a Coréia é um país desenvolvido, o Brasil ainda não.( e acho que temos menos 12% de estradas asfaltadas) é apenas diagnosticar diferenças.

      Temos que ver que a estrutura do modelo Coreano é marcada pelo planejamento , sequencia, alvos e metas bem claras, alem de subsídios, e poderiam ser replicadas por aqui, ou na Espanha.

      1. Educação Tecnológica
      2. Adequação da Infraeestrutura
      3. Criação da industria leve
      4. Substituição de importados
      5. Criação dos chaebols
      6. Por últmo o desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas

      A Coréia nos comprovou que a sequência acima é exitosa e beneficiou os cidadãos.

      E acho que serve para qualquer setor econômico (mesmo agrícola) ou país.Ou pra qualquer regime de Governo ou estágio de desenvolvimento.

      Apesar que no Brasil essa prática mesmo nos dias de hoje ainda é tratada por muitos com o termo pejorativo de Desenvolvimentismo.

      No Brasil, mesmo com esse mercado imenso, com esse novo (e bom) modelo automotivo a entrar em vigor em 2013, não vai fazer aparecer uma única empresa Nacional ao menos de auto-peças.

      Mas a nossa indústria naval vai bem e segue a lógica Coreana e por enquanto é um modelo.

      Abs

      • Enviado por: Javier Vidal

        PREZADO SILVIO, estoy probando.

        • Enviado por: Javier Vidal

          TOdo lo que cuenta de Corea se hizo en España en los años sesenta, cuando era la octaba economia del mundo y Corea no estaba ni entre las treinta primeras.No me vaya a decir que Coresa es un modelo para España, ni es mas rica , ni mas industrial ni tiene un indice de desarrollo como España, ni de lejos.Tampoco exageremos.La industria coreana es mucho menos exportadora que la española o italianas..Lo unico que digo es que es un pais peqeuño, antiguo, que podria compararse a un pais europeo por esas caracteristicas y no con Brasil, con el que no comparte nada.Pero de ahi a ser un modelo, no.

    • Enviado por: Jr.

      Tetsuo,

      Preste atenção que, embora Canadá e Austrália possuam dimensões continentais e territórios próximos ao brasileiro, as suas populações são muitíssimo menores que a nossa e não atingem 20 % da população brasileira. O Canadá, por exemplo, possui menos de 40 milhões de habitantes. A Austrália ainda menos.

      Pelas suas palavras, acho que você perdeu as esperanças no Brasil. É uma pena. Mas talvez você tenha as suas razões.

      Sílvio Correa,

      Vejo com bons olhos os seus comentários sobre uma possível cópia da estrutura do modelo coreano para o Brasil. Especialmente no que tange à educação básica em tempo integral e à educação tecnológica.

      Todavia, não acho que devamos seguir o modelo voltado para a exportação, até pelo fato de possuirmos um mercado interno potencial muito maior.

      Mas também não podemos continuar fazendo o que o governo fez ontem: aumentar tarifas de importação para proteger monopólios e oligopólios privados ineficientes, principalmente quando estes tem sido recebedores de ajudas e subsídios governamentais para fusões e aquisições. Deveríamos esperar que os seus ganhos de escala já tivessem gerado competividade. Não há nenhuma justificativa para garantir reserva de mercado para monopólios ou oligopólios privados. Isso vai contra os interesses do consumidor.

      • Enviado por: Ferruccio

        Em adição às razões já mencionadas pelo atraso do desenvolvimento do Brasil em relação a nações como China, Coreia, Japão, Canadá e Austrália, eu mencionaria mais duas.

        A primeira é de ordem cultural. Acho que o fato de Canadá e Austrália (e EUA) terem sidos colonizados por ingleses tem muito a ver com seu desenvolvimento subsequente. Por outro lado, países como Coreia, China e Japão são civilizações antigas cujos povos passaram por privações e guerras, o que fortaleceu a unidade nacional. Entenderam a necessidade de se prepararem para enfrentar a competição internacional. Não é a ausência de “furacões, nevascas e terremotos”, como disse o Tetsuo, que fazem os brasileiros mais preguiçosos e sim a ausência de grandes desafios vindos do exterior.

        A outra razão é a falta de uma elite nacional voltada para os interesses do Brasil. Os interesses da elite brasileira (como aliás de muitos países do terceiro mundo originalmente colonizados) estiveram sempre ligadas, através das exportações, aos interesses das nações colonizadoras.

        Acredito que a falta de uma elite realmente preocupada com os destinos do país, e que esteja acima dos interesses partidários, é uma das principais causas da dificuldade do Brasil se tornar uma grande potência.

        • Enviado por: Javier Vidal

          IMPOSIBLE escribir, me ha borrado mas de 10 mensajes.Me rindo, asi no se puede…

        • Enviado por: Javier Vidal

          PREZADO FERRUCCIO
          Yo creo que aducir que Brasil fue una colonia portuguesa y canada no, como dice:

          “A primeira é de ordem cultural. Acho que o fato de Canadá e Austrália (e EUA) terem sidos colonizados por ingleses tem muito a ver com seu desenvolvimento subsequente”.

          es un grave error, es buscar jsutificaciones fuera y no tiene ninguna explicacion racional.Australia fue una carcel mas de 100 años.Y hoy en dia hay mas griegos o latinos en general , que ingleses.En Canada no digamos, predominan emigracion Francesa e italiana sobre la inglesa.Tambien hay muchos latinos.
          Guyana britanica, al lado de Brasil fue colonia britanica y es el pais mas pobre de america del sur…

          • Enviado por: Javier Vidal

            India fue colonia britanica y tien casi mil millones de pobres.Kenia,Liberia,Senegal,o Jamica fueron colonias inglesas, son mucho mas pobres que Brasil.
            Belice o Haiti, una fue colonia britanica y otra francesa, no creo que sean modelos de nada.
            Egipto o Etiopia tambien.
            No se si sabe , ademas, que la parte mas comercial e industrial antes de crearse el bloque chino en 1949, fu colonia portuguesas: Mcao, la ciudad mas rica de Asia en el siglo XIX.
            me parec que criticar a una antigua colonia para jsutificar sus problemas es ridiculo.
            Es como si españa criticara sus problemas por haber sido colonia romana , o francesa.

          • Enviado por: Javier Vidal

            Y no solo es cuestion de la divergencia enorme de poblacion que hay entre Canada y Australia y Brasil, que tambien, Brasil tiene , en mi opnion, un grave problema de superpoblacion que se descontroló a partir de 1970, cuando solo tenia 90 millones de habitantes.Pocos paises del mundo han duplicado su poblacion en tan corto periodo de tiempo.
            No es solo un problema de emprendedores, Brasil hace cien años era imcomparablemente mas rico y desarrollado que Australia o Corea.Y tenia y tiene emprendedores tan buenos como los coreanos.Es que yo creo que mezclan demasiadas cosas y que son brutalmente negativos.
            Quiza, si vivieran en corea o australia, que ya no es lo que era, ni mucho menos y ha tenido gravisismos problemas economicos estos años,si vivieran alli y vieran lo duro y dificil que es vivir, se darian cuenta de que Brasil es mucho mas que australia y corea, tiene mas futuro, es una sociedad mucho mas cohesionada y potente.
            Son muy negativos, hasta el punto de negra la realidad.Ni Brasil es esa porcaria que dicen, exagerando muchisismo, ni Corea o Australia son hoy paraisos para vivir.

          • Enviado por: Javier Vidal

            China NUNCA fue un pais, esta formado por varios paises unificados artificialmente bajo el regimen comunista en 1949.Es una creacion artificial donde se hablan decenas de idiomas, donde hay nacionalidades historicas muy antiguas, (Tibet, uigures,malayos,mongoles,rusos,etc,etc)y donde las dieferencias regionales son inmensas, muchismo mas que en la UE o EEUU.
            Su crecimeinto por otro lado, es un fraude total lo miden de forma completamente diferente a occidente.
            ¿Ha estado en el interior de China?
            Yo si, es otro mundo, decenas de lenguas, dcenas de culturas diferentes.Es un caos inmenso.

      • Enviado por: Tetsuo Shimura

        Jr., voce pensou no que escreveu em seu primeiro parágrafo? “…possuam dimensões continentais e territórios próximos ao brasileiro, as suas populações são muitíssimo menores que a nossa e não atingem 20 % da população brasileira.” Ambos os países têm dimensões como a nossa e população muitíssimo menores, entretanto, fazem parte do seleto mundo dos desenvolvidos (O Canadá de longa data faz parte do G7). Voce sinceramente acredita que o desenvolvimento tem como fundamento a densidade demográfica? Então o quê voce me diz dos EUA com seus 300 milhões? Ou o Japão com pouco mais de 110 milhões?
        Não! Eu nunca vou perder as esperanças no Brasil, mas fico estupefato quando leio opiniões como as suas para tentar justificar as nossas incompetências.

    • Enviado por: speridião

      Boa noite Javier, em parte trepliquei lá em cima “5 de setembro de 2012 – 18:59
      Enviado por: speridião
      Boa noite Jr. e Javier.”

      Mas complemnento:

      Bom caráter, honestidade, empreendedorismo, firmeza de propósito , etc. são atributos que independem da raça, origem geográfica ….são muitas vezes uma questão da chamada “educação de berço” e o que vemos no Brasil infelizmente é a aceitação pacífica de disfunções sociais afeitas à criminologia.

      Não tem desculpa. O país é grande sim, dá muito trabalho sim, etc. mas só assume o cargo público quem o deseja ninguém é forçado.

      “Ajoelhou tem que rezar” diz o popular.

      Aqui tem de tudo: urânio, ferro, manganês, terras raras, petróleo, superfície para clorofila, mar com peixes…..falta é honestidade e punição. Não temos que dar moleza aceitando desculpas .

      • Enviado por: Alexandre

        Canada, este ai qdo sobra imposto devolve-o atraves de um cheque pelo correio…….aqui é só multa pelo correio, escolha, 50, 60, 80, 100, 120, 140 Km/h…via expressa tem que andar como uma lesma pois ninguem usa a passarela…..educação, tá tudo relacionado a isto, não tem raça e nem cor, começa desde pequeno e tudo acabará como queremos.

        Esqueçam, a maioria que vota hoje é manipulável e assim ficará.

        Pelo menos tem que meter o pau!

      • Enviado por: Javier Vidal

        SPERIDAO:

        Não tem desculpa. O país é grande sim, dá muito trabalho sim, etc. mas só assume o cargo público quem o deseja ninguém é forçado.

        ¿Voçe cree que en India, en Corea o en Canada no tienen problemas?¿cree que los problemas de Brasil son tan exclusivos?.Para nada.La corrupcion en Corea es a escala nacional.Todos los grandes complejos industriales coreanos vienen de la empresa publica, han sido brutalmente financiados por el estado durante muchos años….y al final han pasado a ser propiedad de empresas de EEUU y europeas, los casos de corrupcion en corea son infinitos, tampoc piense que es una sociedad perfecta, porque no lo es.
        Y Canada y Austrlia tambien tienen graves problemas, para empezar ayer gano el partido independentista de Quebec, frances,con lo que Canada se partira en dos en breve y disminuira un tercio su PIB.
        En Inglaterra hay mas de medio millon de australianos emigrados, yo tengo mucho amsigos de alla.Y el panorama es negro total.Y eso que son paises muy despoblados, pero tambien tienen sus graves problemas.
        No me sean tan negativos, porque exagerar la realidad no es nada bueno.

    • Enviado por: speridião

      Boa tarde Javier, eu também como colonizado costumava dizer aos filhos que fossem bons cidadãos enquanto morassem no Brasil mas que se precavessem estudando línguas internacionais para poderem procurar lugar mais honesto para viver pois por não se viam soluções a curto prazo para esse problema por aqui.

      Em verdade era um sentimento de culpa por tê-los gerado por aqui.

      No entanto diante dos fatos no mundo que se mostrou “por fora bela viola e por dentro pão bolorento” tipo: fraudes aos montes em empresas tradicionais nos EUA, fraudes contábeis estatais na Grécia, os problemas acobertados na Espanha, Portugal e Itália e….quem diria até na Inglaterra com as falsas declarações de juros pagos pelo banco tão famoso por lá para que a Libor ficasse menor, ora quão ingênuo eu estava, constatei e foi-se embora meu sentimento de culpa.

      Assim problemas todos têm e não é porque alguns são de uma forma ou outra que devamos acomodar e copiá-los.

      Hoje estamos vivendo a informação globalizada que acaba com essa sua conversa colonialista e não há razão para o brasileiro se contentar com menos se nivelando por baixo e aceitando as referências que mencionou.

      Yes we can! Do you?

  19. Enviado por: Renato

    De grão em grão, a galinha enche o papo:

    http://economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201209050828_BBB_81553152

    mas galinha não “avoa”.

    • Enviado por: Romanelli

      ..sei não, mas destes aí, entre CHINA, INDIA e Russia, foi o único que ficou com crescimento abaixo de 5% ..ou melhor, no nosso caso, nem chegando a 2%

      buááááá

    • Enviado por: silvio corrêa

      Renato

      Devagar e sempre, e observe que o ranking é feito pela percepção do empresário/ industrial, por isso, no meu ponto de vista é o ranking mais confiável.

    • Enviado por: Renato

      Vamos olhar daqui para a frente.

      Freud já dizia: “Aquele que não esquece o passado fica preso em outra época.”

      Sei lá se Freud disso isso, se não disse, eu digo. E fica o dito por não dito.

  20. Enviado por: igma

    Você acertou na mosca, hoje circula a notícia de que o Brasil está pela primeira vez entre os 50 países mais competitivos do mundo. Isto faz parte desta invisibilidade que virá à tona.

  21. Enviado por: Mario Pw

    Kupfer,
    Excelente post,depois de mais de ano e meio tudo escrito claramente. Eu estou alinhado contigo quanto à fase de transição e sobre a realidade invisível de sismógrafos econômicos inúteis.Sutil da sua parte. Tapa com luva de pelica.

    Agora, como eu não sou dono do espaço, não preciso ser muito sutil: o governo é retrógrado. Eu vejo cmo se fosse um autista administrando um país.

    :D
    Jr. voce também virou meio “espiritual” que nem eu é ?

    • Enviado por: Mario Pw

      Ainda bem que temos o Espiridião e o Nick para nos relembrar ….

    • Enviado por: Jr.

      Mário,
      Na minha percepção, todos nós, na essência, somos seres espirituais – mesmo discutindo materialidades.

      Mas perceba que, quando falei em sorte, não estava me referindo a desígnios metafísicos ou coisa parecida. Estava apenas analisando a confluência de acasos históricos bastante reais. Veja o meu último comentário lá em cima, respondendo ao Speridião. Talvez você não o tenha visto.

      Um abraço.

      • Enviado por: Mario Pw

        Li sim Jr.,

        talvez espiritual seja um termo demasiado.
        Casualidades históricas com certeza.

    • Enviado por: Nick

      Gostei dos “sismógrafos econômicos inúteis”.

      • Enviado por: Mario Pw

        Nick,

        voce acreditaria se eu lhe dissesse que ontem mesmo ouvi um sujeito me dizer de um tal de modelo de Cox (estatístico) de previsão de concordata e falencias de SA ….hein??????

        Não é para ter síncope de tanto susto????

  22. Enviado por: toldos

    Até quando o cálculo da inflação no País ficará “prisioneira” da Inflação do Tomate ? Variações sazonais como esta do preço de alimentos de produção sazonal deveriam ser desconsideradas. Considerar sim o “Core” da inflação, como muitos países no mundo o fazem, inclusive od USA. Façam algo neste sentido e Urgente, caso contrário estaremos com o crescimento baseado no “vôo da galinha”, com elevações passageiras e inconstantes. Que decide, deveria prestar atenção nisto, com bastante cautela, mas com a presteza necessária.

  23. Enviado por: toldos

    Sugiro que a inflação seja calculada pelo seu Core, retirando do cálculo preços sazonais.

    • Enviado por: Alexandre

      Então tem que acabar com a meta de inflação, este é o primeiro indexador promovido pelo proprio governo.

      Nem teto da meta deveria existir, que isto?

      Pare para pensar do porque da meta de inflação, cujo centro nunca é atingido, por que? Seria mais um imposto?

      • Enviado por: silvio corrêa

        Alexandre

        A meta de inflação não é o primeiro indexador, pois a sequência da indexação creio que seja circular.

        A maneira mais eficiente de acabar com essa cultura da indexação é começar desindexando os títulos públicos.

        A sequencia correta de desindexação, posso estar equivocado.

        1. Títulos públicos
        2. Dívidas Estaduais e Municipais
        3. Empréstimos e Financiamentos de Longo Prazo P.J e P.F.
        4. Reajustes das Tarifas Públicas (concessões)
        5. Serviços (ex, alugueís, escola)
        6. Reajustes Salariais

        E por fim o tomate poderia sair do IPCA sem prejudicar tanto o pobre do trabalhador.

        O Mantega tava tentando implementar um indicador de inflação novo sem alimentos e combustíveis , torço por ele.

        • Enviado por: Ferruccio

          Sílvio,
          É uma pena que o assunto desindexação seja pouco discutido na imprensa, pelo que eu tenho lido. Muitos interesses estão envolvidos,é uma reforma difíl de ser feita, politicamente. E, como você bem indicou, precisa ser feita gradativamente.
          Vamos ver quanto este governo consegue progredir nessa direção. :)

          • Enviado por: Ferruccio

            Em tempo.

            Menor a inflação, mais fácil fazer a desindexação

          • Enviado por: silvio corrêa

            Ferruccio

            Essa questão da influência das elites e do interesse privado na Macro Economia, é um assunto de extrema importância, espero termos oportunidade e fatos para que haja discussão a respeito.

    • Enviado por: Renato
      • Enviado por: Alexandre

        Boa esta Renato…mas nem tanto otimista, mais critico do governo, ate caio em contradição de tanto que meto o pau….po, tão ganhando eleição na moleza, assim não dá!

  24. Enviado por: Alexandre

    Silvio, qto ao expurgo de alguns itens e inclusão de outros temos vários indices medindo isto. Se o tomate está num indice, ele não deve estar no outro e assim por diante.

    Colega, um dos problemas do Brasil é cada Min da Fazenda fazer o que quer para justificar o cargo…

    O tomate tem que estar em algum indice e a infla de alimentos, num país com as caracteristicas brasileiras, baixa renda, é importantíssima, caso contrário entre comer e pagar a geladeira…..

    Qto a desindexação, não sei o que é circular, mas temos titulos atrelados a inflação e a selic. O problema é a sensação do mercado que a infla é bem maior que os indices, segura em parte pela indexação a estes indices, que acabam puxando os reajustes para baixo. Meu feeling diz que se desindexar, alugueis como exemplo, os reajustes serão maiores.

    Então Sr. Renato, os inadimplentes nao pagam o carne e vão para os supermercadistas…… :)

    • Enviado por: Alexandre

      Meu ponto em relação à meta de inflação é que de antemão eu aviso a todos que a inflação do ano será x, como há desconfiança natural entre o mercado e o governo, todos, no mínimo passam a reajustar seus preços em x+y, caso o governo não cumpra a meta, uma vez que ninguém é tonto de reajustar abaixo da meta…….E se é para ter meta, está na hora de reduzi-la, as pressões salariais, justas em muitos casos, estão ficando insuportáveis, pensando na macro economia.

      • Enviado por: silvio corrêa

        Alexandre

        Achei correto teu ponto de vista em relação as amarras da indexação.

        Penso que quem for o primeiro setor a desindexar será o primeiro que vai experimentar o custo da expectativa futura x credibilidade.

        Bem exemplificado no caso do Aluguel, claro que os novos contratos poderiam ter reajuste maiores que a orientação via IGPM.

        Por isso, o ônus da expectativa futura dever ficar primeiramente nas dívidas do Governo e repassada sucessivamente aos demais setores, até finalmente chegar à modificação da formula de reajustes salariais e do salário mínimo.

        Por fim, o preço do tomate seria entendida como variação de preços e não como inflação.

  25. Enviado por: Alexandre

    Javier, voce está parecendo seu amigo Riccardo, visualizando o Brasil de um helicóptero…..

    o Brasil é um exemplo a ser seguido….tenha dó!

    • Enviado por: Alexandre

      Quer saber de outra? Mais um pouco o Brasil sera a Alemanha e a Argentina sera a Espanha…….to vendo onde estas uniões acabam….

      • Enviado por: Alexandre

        Voces deviam ter ficado somente com o Mercado Comum Europeu, repare que nem Mercosul e nem o Nafta unificaram suas moedas, mesmo tendo o dolar como ancora…

        • Enviado por: Alexandre

          Ops…deveriam….

        • Enviado por: Javier Vidal

          MERCOSUL Y NAFTA,son un fracaso total de momento.Por supuesto que tendran que implementar miles de medidas para fortalecer esos mercados tan fracos e inestables.Porque un mercado comun solo para intercambios comerciales no funciona, como no funciona nafta para Mexico, al contrario solo beneficia a EEUU.Y mercosul de momento, casi ni existe.Por el bien de AL tendran que trabajar mucho para preservarlo.Si no seran huerfanos mundiales, no tendran ningun peso externo dentro de 40 años.

      • Enviado por: Javier Vidal

        Brasil no sera nunca como alemania Aleixandre, ni tiene por que.No puede comparase con una pais que lleva 150 años industrializandose y que es casi cuarenta veces mas pequeño.Quitese de la cabeza eso, es una aspiracion inutil e imposible.Necesitaria para empezar al menos treinta años de socialdemocracia, como tubvo alemania.Y eso no creo que le guste ¿no?.

    • Enviado por: Javier Vidal

      ALEIXANDRE
      No le de vueltas, meu caro.Toda la imprensa internacional, de todo signo politico ha felicitado a Brasil por sus politicas macroestructurales.No me sea dramatico ni exagerado, porque se nota el componente ideologico demasiado y pierde objetividad.Claro que es un modelo, lo dice el FMI, Lo dice la UE, lo dice EEUU lo dice la ONU.¿Que pasa, que todos mienten, que todos son tontos?.
      Lo que tiene que entender es que Brasil estuvo 50 años gobernado por gobiernos conservadores pesimos, dirigidos por EEUU.Si quieren criticar el colonialismo pasado para justificar sus males, critiquen el de EEUU con voçes y no el de Portugal, que fue hace 512 años.
      Estar 50 años abandonado y empezar de cero lleva tiempo, como le llevo tiempo a otros paises.Pero si voçe quiere negar la realidad de las opiniones de todo el munod, alla usted, querido amigo.Es como lo de alemania, que esta todo el dia con eso de que tiene que pagar a todos.Es mentira, naturalmente, pero si ideologicamente le convence, aunque sea falso, como quiera.

  26. Enviado por: Rick

    Para a meia dúzia que ler isto, acredito que vai fazer sentido.

    TODOS os problemas do Brasil tem base em uma só causa: corrupção estrutural na forma como se rege essa “cleptocracia” brasileira. E isso não é de hoje.

    Não vou isentar partido algum, por começar que TODOS recebem dinheiro federal para manter suas siglas. Quanto maior fica, mais recebe, e por aí vai.

    A Cleptocracia é algo que vem de nossos queridos antepassados portugueses, e foi implantada ainda na coroa. Alguns se levantaram contra ela, como Tiradentes e o Barão de Cocais, no Sudeste, Bento Gonçalves, Antonio e Anita Garibaldi no Sul. Todos foram mortos sumariamente, como exemplo de que o crime compensa, quando se está no poder.

    Nossa democracia simplesmente não existe, ao passo que não é o povo que faz as leis, mas uma meia dúzia de castas em Brasília, que faz e desfaz conforme seus interesses.

    A começar dos impostos, coisa que Tiradentes já reclamava há séculos: por quê tão altos?

    A resposta, se pudesse ser lida da mente dos congressistas seria: Quem vai pagar nossos salários altíssimos, nossos infinitos acessores, comissionados, viagens, ternos, casas luxuosas, carros blindados, seguranças e etc?

    Quem vai pagar nossas “emendas”, que em suma não passam de cheques em branco, na maioria das vezes assinados para que todo esse montante seja aviltado para paraísos fiscais, pagando suas milhonárias campanhas, financiadas por empresas privadas, que em comum acordo, fazem o “toma lá, dá cá”, (com juros, claro)?

    É claro que é o povo que vai pagar essa conta.

    Tudo está interligado. Vejamos um exemplo, nos automóveis. O ciclo funciona mais ou menos assim:

    - O governo e a montadora tem um acordo implícito, onde o carro DEVE custar caro. Os dois ganham com isso.

    - No lado da montadora, o mais óbvio, ela ganha mais margem.

    - E no lado do governo, ganha na venda (IPI, ICMS, PIS, COFINS etc), e durante os anos ganha em IPVA, que é calculado com base no valor “médio” do carro pela tabela FIPE (a mesma empresa do IBOPE, interessante não?).

    - Se a FIPE disser que o carro “vale” R$ 20.000,00, terá de pagar 5% desse valor em SP. Logo, todo ano o governo irá embolsar R$ 1.000,00 nesse carro, com curvas bem suaves de desvalorização.

    - Logo, se de uma hora pra outra, os carros valessem 30% disso, o governo iria perder na mesma grandeza em arrecadação. E estamos vendo isso hoje, onde os carros valem metade no mercado real, porém pela FIPE perderam apenas 0,1% de valor.

    Manipulação pura de dados, por interesses muito obscuros. O mesmo acontece com os imóveis, onde as construtoras tem este mesmo acordo, tendo base o valor do imóvel pela tabela… FIPE (que interessante!). Todo ano um percentual do “valor” do imóvel tem de ser pago no IPTU, portanto, é mais vantagem o imóvel valer bem mais do que realmente é.

    Vejam como tudo está na base. Todos os nossos problemas se encontram lá em Brasília. E todas as soluções também.

    Tudo poderia ser muito mais barato, mais fácil e mais simples se estes lobos não estivessem salivando para abocanhar o dinheiro público, levando pra casa na mala, cueca etc.

    É hora de pensar um pouco.

    Abraços,

    • Enviado por: Alexandre

      Muito bem escrito Rick….concordando também, inflação aqui é um bom negócio, é a maneira que o governo achou para agradar a todos, depois pedem arrego para o Tio Sam e inventam outra moeda.

      Enquanto isto….menos uma CCE agora Lenovo, dando razão ao Tetsuo, o tempo não perdoa.

      • Enviado por: Javier Vidal

        ALEIXANDRE
        ¿Que pasa, que cuando goberno la derecha en Brasil no habia inflaccion, se ha olvidado ya o que?
        ¿Es que no se acuerda lo que era Brasil en lo 70.80,90?
        Le propongo algo: si gobernara alguien conservador en Brasil, no ya en la linea neoliberal salvaje de los republicanos de USA, NO.Algo mas suave, mas civilizado, tipo Merkel o Rajoy o Cameron,¿Que cree que harian, como y cuando para , segun v´çe, “arreglar” el pais?

        ¿Se atreve a hacer una explicacion de lo que harian y si seria bueno para Brasil?
        Yo le puedo ayudar mcuho, vivi años el gobierno de Thatcher, el de Aznar y el de Berlusconi, los tres del mismo partido politico: partido popular europeo o democracia cristiana, son la misma cosa y tienen el mismo presidente de partido.
        Digame ¿que cree que harian en Brasil para mejorarlo?

    • Enviado por: Nick

      Rick,

      É pior do que você relata, sabe por que? Por que todo esse dinheiro “federal” que você mencionou, não vem de impostos. Vem de empréstimos criados pelo BC para o governo. O dinheiro dos impostos altos não vai para manter os salários altos dos corruptos. Vai para pagar os juros sobre o empréstimo que foi feito em seu nome, para pagar esses salários desses criminosos. É muito pior, você não somente paga o salário desse pessoal, você os paga com juros. E como para pagar juros sempre vai ter um momento em que será preciso mais dinheiro, aí entra a inflação, outro preço que você pagará. A solução está em governo sendo proibido de obter empréstimos, e retirar o controle sobre emissão e quantidade de moeda das mãos do BC. Enfim… eu já disse isso tantas vezes que vou tentar não repetir tanto daqui pra frente.

      Ah, outra coisa… seu post acima é mais uma oportunidade de discutir novamente qual é o papel do governo. É como disse Enéas Carneiro, “a não ser que você queira um boneco na presidência, é preciso mudar a ideologia em Brasília”.

      • Enviado por: Javier Vidal

        ¿Me puede decir que pais del mundo aplica esa politica que dice?.Que porhiba emprestimos y acabe con los bancos centrales?
        Solo un ejmplo de lo que dice y le dare la razon.
        Pero lo que dice no existe en ningun sitio, y es imposible que vaya a existir alguna vez.Es una utopia, como la de Thomas Moore o la de Bakunin o como la de tantos y tantos utopistas que en le mundo han sido.

        • Enviado por: Nick

          Javier,

          Existe uma ilha ao sul da inglaterra que eu esqueci o nome mas postei aqui no blog a muitos meses atrás, que não possui banco central. Dinheiro é emitido pelo seu próprio governo. Não há inflação. Não há juros na origem do dinheiro. Bancos lá sobrevivem de serviços prestados, e empréstimos no mercado são feitos a juros absurdamente baixos, próximos de zero, devido à competição entre bancos. Estes bancos não emprestam ao governo, por que o governo é que controla a criação do dinheiro. Essa ilha vem sofrendo imensas pressões para entrar na zona do Euro, mas se recusam.
          Não há utopias. Utopias são criadas nas mentes dos homens.

    • Enviado por: Javier Vidal

      RICK
      Echar la culpa a protugal de sus problemas es lo mas ridiculo que he oido y es algo tristemente muy extendido en America latina.Voçes tuvieron la suerte increible, unica en la era de las colonias en todo el mundo, de heredar una “pais” ENTERO sin apenas modificaciones en su territorio desde la independencia.Tuvieron el privilegio unico de recibir unas tierras inmensas a cambio de casi nada.EEUU solo recibio 13 colonias diminutas, que ocupaban menos del 10% de los EEUU de hoy.El resto lo conquisto con invasiones, guerras y compras del resto del pais, como todos sabemos.Ustedes no.Recibieron un pais cien veces mas grnde que su metropoli.
      Los problemas de hoy de Brasil son por culpa de los barsileños, no de los portugueses.
      ¿Y el resto de emigrantes en Brasi, que pasa con ellos?

      • Enviado por: Javier Vidal

        Y lo que dice de la corrupcion en Brasilia no es nada con la corrupcion de otros paises.Tienen una mania muy fea y muy falsa de hablar de la corrupcion en Brasil como si fuera un caso unico e incurable.Es un fatalsimo absurdo.
        ¿Quiere que le recuerde lo que es la mafia en EEUU, o en europa?¿quiere que le recuerde la cantidad enorme de procesoso de corrupcion en España, en Alemania, en EEUU, en Inglaterra?
        Enron, general motors, citibank,Bankia, Hippo real state, barclays,Dexia etc,etc son casos de corrupcion mucho peores, mucho mas caros y mucho mas dañinos para la poblacion.Nada comparable con Brasil.
        Exageran de una forma tan absurda los males de Brasil que pierden toda la crdibilidad.
        Y no hablo de la corrupcion China por no extenderme.

    • Enviado por: Javier Vidal

      “A Cleptocracia é algo que vem de nossos queridos antepassados portugueses, e foi implantada ainda na coroa”
      Amigo mio, no soy portugues, pero como si lo fuera.Lo que dice es un insulto absurdo que no tiene la mas minima explicacion y revela una especia de complejo de Brasil y su mania de echarle la culpa a los demas.
      Para cleptocracia, Rick, la de la corona britanica, que contrataba piratas asesinos para robar.
      Para cleptocracia la de la reina de Inglaterra , la mujer mas rica del mundo.
      Pra cleptocracia, la corona Belga, Leoplodo II, el mayor asesino europeo despues de Hitler: mato a mas de 10 millones de congoleños y convirtio el Congo en una finca privada.Lease el ultimo libro de Vrgas Llosa y lo entendera muy bien.
      Para ladrones, los suecos y noruegos, monarquias casi absolutistas hasta hace poco:emigraban a millones a EEUU porque sus reyes tenian el pais en sus manos, igual que la monarquie holandesa (dese un paseo por la guyana inglesa o francesa o holandesa que tienen al lado de Brasil y luego hablemen de cleptocracia…tambien por pernambuco, que fue holandesa, o por Indonesia, que tanmbien lo fue y luego me cuenta su alli no hay corrupcion…))

      • Enviado por: Javier Vidal

        ¿Se imagina que Españ, o Alemania o Polonia, por decir algo, estuvieran todo el dia con eso:”la culpa de nuestros males son por los que nos conquistaron”.
        España tendria que hacer una lista larguisima para buscar “culpables”: Germanos, fenicios, judios,vikingos,arabes,franceses,romanos,magrebies, celtas,griegos…en fin no acabariamos nunca.Y algunos nos “consquistaron” hace menos tiempo que a voçes, como Napoleon, por poner un ejmplo.
        Seria lo mismo en Alemania :Turcos,austriacos, rusos, españoles,arabes,polacos.O en Italiao en Francia: mususlmanes, griegos, fenicios,libios, aregrianos, etc,etc.
        ¿Se iamgina que españ estuviera todo el dia: nuestros amigos germanos, que nos conquistaron durante 800 años con los visigodos, vandalos y suevos son los culpables de todo.Nuestros amigos los franceses o nuestros amigos los iatalianos tiene la culpa…
        Asi no es….como funciona.

        • Enviado por: Rick

          Javier, para fundamentar o que digo sobre Portugal, recomendo que leia o acordo feito entre Dom Pedro I e a coroa para “libertar” o Brasil e transforma-lo em República.

          Isso ninguém divulga, porém, não é proibido de se encontrar.

          Está no “index” do governo de acordos ocultos do povo.

          Consta lá, dentre outras aberrações, que o governo brasileiro deve pagar ao governo português por séculos por essa liberdade tardia, a peso de ouro.

          Sabia que a família real ganha do governo aqui até hoje?

          Sabia que eles tem honrarias de monarcas e ganham aqui em pleno século XXI?

          Eu me calço de tudo que digo.

          Por qual motivo nos EUA eles fazem questão de ensinar as crianças quem foi George Washington, Thomas Jefferson dentre outros? Pois lá atrás, nessa época, tornou-se lei que todo cidadão teria direito a ser livre.

          Já aqui, fala-se cada vez menos de nossos heróis, como Tiradentes, o primeiro brasileiro a se revoltar contra os impostos altos da Coroa, enquanto o povo vivia na miséria (sabe hoje quando reclama que paga dois carros e leva um?). Não se cuida de lembrar de Bento Gonçalves, grande militar que lutou até o fim para fazer um país decente, já que a coroa só queria roubar.

          Nossos queridos Lulas, Malufs, Alckmins, ACMs, dentre outros execram esses nomes, pois uma população entendida de seus direitos jamais iria permitir tamanhos danos ao seu próprio direito.

          Quantos bilhões foram roubados de nós até hoje?

          Na educação básica, média e superior, quantas creches, escolas e universidades deixaram de ser construídas, em troca de uns poucos, que viveram e morreram nos paraísos fiscais?

          Na saúde, quantos hospitais, postos de saúde e universidades de medicina deixaram de existir, quantos milhões de toneladas de medicamentos deixaram de ser distribuídos, quantas pessoas morreram sem atendimento básico para sustentar filhos, netos e bisnetos de pessoas sem o menor pudor, no luxo e ostentação?

          Na segurança, quantos milhões de vidas se perderam por falta de policiamento, por falta de salários adequados, de equipamentos, de armas e de LEIS, que deixaram de ser promulgadas pelos interesses nefastos de meia dúzia?

          Na infra-estrutura, falando de um modo geral, qual a quantidade de casas, de complexos industriais, de estradas, portos, aeroportos, usinas geradoras de energia de toda espécie não saiu do papel, pois todo o montante foi sorrateiramente tomado por lobos de terno e gravata, sendo que hoje até os ternos são pagos por nós?

          Se contássemos centavo por centavo, e falássemos para todos nesse país, a revolta que ocorreu no Egito, na Líbia, na Síria seria conto de fadas.

          Por isso o futebol hoje é sustentado pelo governo, que repassa quantias enormes a bancos, emissoras de TV, rádio e internet, e se vê clubes devendo meio bilhão e gastando mais. O motivo, claro, é tirar o foco.

          Por isso teremos Copa do mundo aqui, enquanto nem ruas asfaltadas temos. Quem conhece Paris, NY, Frankfurt e Tóqui sabe bem do que digo sobre isso.

          • Enviado por: Alexandre

            Boa Rick……muito informativo. Javier voce deu tiro para todos os lados….que isto? Voce justifica uma corrupçao com outra, tá parecendo o discurso do Lula….

          • Enviado por: Alexandre

            Qdo comparei o Brasil com a Alemnaha foi somente em relação ao posicionamento de cada país numa união, quis dizer que o Brasil daqui a pouco teria que salvar a Argentina, com a diferença que não temos a mesma moeda e não dividimos a dívida….

            Ate a Bulgaria percebeu a fria e adiou sua entrada no euro….

          • Enviado por: Javier Vidal

            Caro Rick
            Australia, Canada, India y muchos mas todavía hoy pertenecen a la Commowealth y rinden tributo a la reina de Inglaterra.
            Lo que me cuenta de Brasil paso en otros muchos sitios del mundo, solo digo eso, no es exclusivo de Brasil.
            ¿Quiere que le cuente la histria de las Monarquias y republicas corruptas en europa.No acabaríamos.Fuen mucho, muchisimo peor y durante 20 siglos.
            Eso no es justificacion.Hay paises que sufrieron mucho mas y salieron adelante.

          • Enviado por: Javier Vidal

            Tambien hubo copa del mundo en Alemania y en Japon y en España y en muchos sitios.
            Y si se cometieron muchos abusos en Brasil que si, tambein en otros sitios y peores.
            Brasil nunca tuvo guerras, nunca tuvo que empapelar las casas con marcos, como si hicieron los alemanes hace 80 años, para no pasar frio, cuando sus moneda tenia una inflaccion de seis digitos.
            España tuvo que cambiar TODAS sus reservas en oro en 1937 por armaneto ruso.Se quedo sin un lingote de oro por defendernos del peor dictador de europa en el siglo XX, Franco.
            Francia fue devastada y saquedad por los nazis.
            Alemania fue saque ada y devastada por los rusos.
            Y Polonia, y Hungria y Bulgaria.
            Insisto, no es justificacion.Los brasileños son los dueños de si destino.La culpa no es de portugueses, monarcas o corruptos.

          • Enviado por: Nick

            É isso aí, mas é bom ver que as pessoas estão acordando. É uma luta que parece impossível de vencer, mas a verdade é que como diziam os fundadores dos EUA, é impossível estancar uma idéia quando seu tempo chegar. Nem militares, nem banqueiros, nem monarcas irão conseguir conter uma idéia quando esta estiver madura. Eu costumo dizer que no nosso sistema dos últimos 500-600 anos, tivemos o poder se impondo sobre as leis, e vencendo. Leis foram ignoradas pelo poder. Agora, estamos iniciando uma fase em que a ética irá se impor sobre o poder. Quando a ética individual for uma realidade, esse mundo será transformado para melhor. Acontecerá como um vídeo de you tube, que começa com poucas visitas, mas de repente se espalha de forma absurda. Utopia? De jeito nenhum. Vai acontecer da noite para o dia? Não, mas já está acontecendo.

  27. Enviado por: Javier Vidal

    En cuanto a ese pago secreto que dice, no lo conozco y me suena a conspiranoia.No creo que Lula o Dilma, tan antiimperialistas permitieran eso.
    Y tampoco estaria de mas, ya que muestra tan furibundo odio a la monarquia portuguesa, que al menos ayudo a liberalizar la esclavitud en Brasil, sesenta años despues de independizarse, tampoco estaria de mas , decía, que recordase las ayudas economicas que hizo Portugal a Brasil cuando Brasil estab tan mal.

    • Enviado por: Alexandre

      Javier…voce quer dizer anti EUA??? Sempre haverá um país mais rico, ainda não entendi este antiamericanismo…..pelo menos nas dívidas a Europa se mostrou tão eficiente qto eles. O Brasil está aberto como nunca ào capital estrangeiro, ou sempre esteve, e com a paradeira de voces tornamo-nos os ´´queridinhos´´.

      Não está muito claro, pelo menos para mim, estes anti-imperialistas, sei não….tem muito jogo de cena.

  28. Enviado por: Javier Vidal

    ALEIXANDRE
    Mercosur no es la UE.Ya le gustaria, pero de moemnto aun no.A Argentina no tiene porque ayudarla Brasil.No me sea exagerado, es una vision colonialista.La eurozona es otra cosa y lo sabe.Cuando tengan moneda unica con Mercosul,entonces si, pero de momento eso que dice es absurdo.
    Bulgaria ni siquiera solicito entrar en el euro, no esta preparada, pero Polonia si.Entrara el año que viene.Tambien quieren entrar Chequia, Hungria y Rumania, pero dentro de 7 años.

  29. Enviado por: Alexandre

    Silvio, vamos um pouco mais além em relação aos alugueis ainda como exemplo. O ideal é deixar o mercado estabelecer-se, corrigir-se, para cima ou para baixo. Mercado desindexado. Para isto temos que ter um folego e escancarar a economia, já que não temos produção e nem recursos suficientes.

    Desindexar salários também…..

    Para que isto acontecesse, deveríamos ter períodos de deflação também, correto?

    É aí que toda a teoria do Nick faz sentido.

    Estes períodos de deflação são impossíveis hoje em dia além de serem duramente criticados pela maioria dos economistas. Sabemos que se a economia está ancorada em dívidas, a deflação provoca a quebra do sistema financeiro.

    Voltando áo tomate, qdo ele cai de preço, o mesmo indice mostrará isto, portanto, não adianta ficar expurgando itens pontualmente de acordo com os interesses de curto prazo do governo, eleitoreiros.

    • Enviado por: silvio corrêa

      Alexandre

      O mercado aberto, acho que é o objetivo final.

      Também acho que seria necessária uma deflação só se o objetivo fosse desindexar a economia num tapa só.

      O bom é que atualmente não precisaremos criar uma URV com intuito de alongar o tempo de reajustes salariais, tarifários e de contratos.

      Melhorar o perfil da nossa dívida pública acho que é o melhor caminho para o Governo iniciar a desindexação.

      Não precisa eliminar totalmente os títulos atrelados à inflação, basta melhorar o mix alongar os prazos e dar preferncia aos pre fixados ou mesmo o Global Bond (em dólar). A corrigida pela Selic que tem rendimento diário, esta deve ser (e esta a caminho) eliminada.

      O Governo, caso disponha e mantenha o equilíbrio fiscal (e temos isso) pode iniciar essa empreitada e brigar com o mercado.

      Depois o foco vai para as dívidas estaduais com o Governo Federal, algumas de São Paulo por exemplo chegam a ter reajustes de 9% + um índice de inflação. E assim por diante.

      Acho que o caminho é um pouco longo até desindexar o salário mínimo e os salários em geral.

      Abs

      Vou imitar o Javier e ir à praia ( testar a infraeestrutura das estradas da pátria amada neste feriadão)

      Bom feriado!

      • Enviado por: Alexandre

        Concordo Silvio, acredito ser por aí, mostrar que temos credibilidade e estamos no caminho certo, mesmo que seja devagar.

        Bom Feriado e Boa Praia, tentarei descer no Sábado…

        • Enviado por: Rick

          Bom feriado a todos.

          Vou trabalhar amanhã, pois nem quero pensar em estrada ultimamente.

          Abraços,

          • Enviado por: Alexandre

            Certo voce Rick, tambem irei trabalhar amanha e se a previsão for de chuva nem arriscarei….

  30. Enviado por: Flávio

    Acho que a maior contradição do Brasil está sendo quebrada.
    O fim dos juros altos vai modificar toda a estrutura de poder que se consolidou em torno disso.
    Muitas empresas vivem na ciranda financeira como players e isso drena a energia do país, que não investe em tecnologia e desenvolvimento.
    Temos a Embraer, Emprapa, CTA e outros exemplos que a ciência brasileira é viável e criativa, mas que precisa ser maturada com investimento perene.
    Como investir de forma perene 4, 5 anos se os títulos seguros trazem ótimos dividendos?
    Entendo que o governo deva canalizar o mercado para contratos de infraestrutura e que envolvam ciência pura e aplicada.

    • Enviado por: Flávio

      Continuando…
      Acredito que o nosso empresariado se acostumou com uma realidade ímpar: salários baixos, mercado financeiro rentável, barreira às importações.
      A dissolução desse cenário será atribulada e vai envolver a questão eleitoral, bancos e outros atores vão querer de volta a velha estrutura rentável.
      Esse troco pode ser dado apoiando financeiramente apoiando grupos que acolham suas demandas, devemos ficar atentos.
      É irracional sermos a 6 economia do mundo e não termos físicos, matemáticos, químicos, engenheiros de pesquisa etc. em certa quantidade na industria. Tem muita gente brilhante que saí do país ou vai trabalhar na área financeira e fiscal quando percebe que se arrumar emprego na sua área não ganhará o que vale. A fuga de cérebros acaba sendo natural e essa erosão intelectual na área produtiva ao longo dos anos traz os resultados de atraso que vivemos hoje.

  31. Enviado por: Jr.

    Riccardo,
    Você está vendo no que dá não se comportar direito ? Papai Noel está virando as costas pra você. Depois do discurso do Bill Clinton ontem, acho que você vai ter que aturar não somente o Obama por mais quatro anos, mas também a Hillary por mais oito, a partir de 2016. rsrsrs. Com mais 12 anos de Partido Democrata na Casa Branca, o Tea Party vai à loucura …
    Abs.

    • Enviado por: Nick

      Se isso acontecer, fecho as portas e me mudo para a Singapura. Lá tem mais liberdade e prosperidade do que nos EUA.

      • Enviado por: Riccardo(California,USA)

        Nick o Bill Clinton fala muito bem, mas o que fala e tudo mentira.

        O P.Obama teve que cancelar o speech dele no estadio porque iria parecer vazio…

        Acho que o Papai Noel ainda vai me dar o meu presente.

        abs

        • Enviado por: Alexandre

          Riccardo, nem para segurar o Javier desta vez????? Mete o pau nos EUA e vai para a praia…..cada uma !!

          Sei não, se voces tivessem um candidato com um pouquinho mais de jogo de cintura ganhariam fácil do Obama, até agora foi só ´´change for worst´´….mas contenten-se com o empate nas pesquisas….

    • Enviado por: Jr.

      O Clinton é brilhante. Restaurou a verdade, depois de tantos anos de mentiras e obstruções do Partido Republicano.

      Obama evitou o desastre. Promoveu um plano de estímulo econômico que afastou o país do abismo da depressão, salvou a indústria automobilística americana, acabou com o envolvimento americano no Iraque, editou um Plano de Saúde que, se não é o ideal, pelo menos não deixa a população mais carente totalmente desamparada e desarmou o clima de tensão internacional que foi construído ao longo de 8 anos de administração desastrosa dos Republicanos.

      Vida longa a Obama na presidência e aos democratas na Casa Branca. Se não é o ideal, pelo menos é muitíssimo menos pior do que os fanáticos do Tea Party.

      • Enviado por: Javier Vidal

        Prezado JR
        Concordo plenamente con lo que dice de Clinton,con todo mi respeto a Riccardo y los republicanos.Pero, como se dice aqui, “no hay color”, es decir, no hay comparacion.
        Una debacle economica no se arregla en 4 años facilmente.
        Caro Aleixandre.No puedo ir a la playa.Voy a Porto (Portugal) a recoger a mu hija, que estuvo dos meses en Brasil y lo pasó de maravilla.Por mi se podia quedar ahi, mejor que aqui.Que suerte haberme casado con una brasileña y no con una española, que gritan mucho mas y tienen un humor que a veces,da miedo.
        Saudos, voy a ver como esta Portugal.Es para ir haciendome a la idea de lo que va a pasar aqui.

  32. Enviado por: Alexandre

    Javier….voce tem cada uma….. :) …. :)

    Experimente uma americana, não gritam, são polidas, mas senso de humor nenhum…levam tudo a sério, tem que dar muita cachaça….. :)

    • Enviado por: Javier Vidal

      I known it, meu caro.Concordo 100% con lo que dice, excepto lo de la cachaça, que deixa unha “hang over “tremenda.
      Lo del sentido del humor es un asunto serio.Levanta civilizaciones si se lo propone.Ahi los brasileiros tienen una ventaja enorme.Contrariamente a lo que se piensa, el mal humor español es uno de los peores,lo fue siempre, pero ahora es mucho pero.
      De seguir asi vamos a parecer rusos o kazajos, que nunca se rien.
      Saudos,Porto dos meus amores, vou pasar a noite nun bo hotel e conhoçer un pouco o ambente, fai anos que nao faç´.
      Naturalmente, nao vou sosinho.
      Ciao!

  33. Enviado por: Alexandre

    Ei!!!! tem cachaça muito boa agora, envelhecidas….lógico que não temos a mesma paciencia que um escoces, mas 5 anos já está ótima!!!!

    Javier, vendo aqui muitos produtos da El Pozo, salames, fuets, chourizos e etc…..além de alguns vinhos, to tentando ajudar voces…. :)

    • Enviado por: Javier Vidal

      ¿En serio, vende prductos of spain?.Uy, este asunto tenemos que hablarlo con calma.
      No olvide que yo colaboro con el ICEX (Instituto de coemrcio exterior de España) habitualmente y que hacemos pesquisas y reuniones constantemente y en muchos paises.
      Me alegra que venda productos españoles, bastante desconocidos en Brasil, infelizmente.
      Obrigado polas palabras.
      Ciao, sigo en Porto.Bonita como sempre, mais decadente como nunca.

      • Enviado por: Alexandre

        Atum e azeites também, não vendo o tradicional presunto Pata Negra porque o preço dele escapa do meu publico, muito caro.

        • Enviado por: Alexandre

          Casademont, outra marca de fuets e alguns frios.

          • Enviado por: Javier Vidal

            Nossa Aleixandre, si que ayuda y mucho a Espanha, y en concreto a Galicia si fala de atum, e a especialidade mais consumida aqui, mais que a carne casi.
            Le recomiendo el atum “Yellow finn” que es pescado con tecnicas no demasiado extremas, como hacen los franceses por ejemplo, que suelen destrozar el fundo marino y es mas barato.Voçe debe saber.
            Lo de los precios es verdad, inasumibles en muchos casos.Yo he visto en Brasil botellas de azeite de oliva da Espanha tres y cuatro veces mas caras.
            En ese tema estou con voçe, os impostos de importacion son muy altos en Brasil.
            Saudos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Twitter >>

Blogs do Estadão


Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo