1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

JOÃO BOSCO RABELLO está no jornalismo político desde 1977, em Brasília, onde participou da cobertura do período que vai da abertura do regime militar à Assembléia Nacional Constituinte de 88, passando pela redemocratização, com a eleição e morte de Tancredo Neves, o primeiro governo civil, de José Sarney e os que o sucederam.

Iniciou sua carreira em 1974, no extinto Diário de Notícias, no Rio de Janeiro (RJ). Transferiu-se para Brasília (DF), em 1977, onde alternou as funções de repórter político,coordenador, editor e diretor de sucursal, no Correio Braziliense, Empresa Brasileira de Notícias, O Globo, Jornal do Brasil e o Estado de S.Paulo (1990/2013), nessa ordem.

É responsável também pelo conteúdo de análise política do serviço em tempo real Broadcast, da Agência Estado.

segunda-feira 20/01/14

Meirelles para o Senado é questão fechada no PSD

A candidatura do ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles ao Senado é questão resolvida para o PSD. Ainda faltam acertos com o economista, cuja tentação em entrar para a política o ronda desde antes de seu ingresso no governo Lula. Para assumir o BC, Meirelles teve de abdicar de um mandato de deputado federal pelo

Ler post
terça-feira 14/01/14

Liminar dando Fundo e TV ao Solidariedade repete decisão com PSD

A liminar do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro  Marco Aurélio de Mello, concedendo ao Partido Solidariedade acesso ao Fundo Partidário proporcional à sua bancada,  pode indicar uma tendência do Judiciário em considerar idêntica decisão favorável ao PSD uma jurisprudência definitiva. Formado a partir de uma dissidência do DEM,  registrado em tempo recorde, o

Ler post
quarta-feira 04/12/13

Aécio vincula escolha em Minas ao cenário nacional

No calendário de definições do senador Aécio Neves em 2014, a candidatura ao governo de Minas deve ficar por último. Entre o presidente do PSDB estadual, deputado Marcus Pestana, e o veterano Pimenta da Veiga, quadro histórico do PSDB, Aécio submeterá a escolha ao desfecho da movimentação dos outros atores do processo eleitoral – PSD,PMDB

Ler post
quarta-feira 14/08/13

PSDB precisa de unidade interna e de Marina

Eleitor não vota em hipótese, lembra uma velha raposa política, a propósito da dúvida gerada pelo PSDB em torno da candidatura do partido à presidência da República em 2014. A hipótese é o ex-governador José Serra desde que voltou a se movimentar no cenário e teve seu nome incluído, a pedido, nas pesquisas e saiu-se

Ler post
quinta-feira 04/07/13

Redesenho de 2014 orienta endurecimento do PMDB

O PMDB aumentou a temperatura na escala em que passou a graduar as relações com o governo, desde a decisão da presidente Dilma de reagir aos protestos de rua apropriando-se de uma pauta essencialmente legislativa. Uma escolha que desconsiderou a queda vertiginosa nos índices de aprovação do governo. Não está isolado no endurecimento, mas é

Ler post
quinta-feira 09/05/13

Rede depende menos do Judiciário e mais dela própria

Apesar de excessiva, a liminar concedida pelo ministro Gilmar Mendes contra a proposta que nega a um novo partido o tempo de televisão para propaganda gratuita, pode ser um sinal do pensamento do Supremo Tribunal Federal quanto ao seu mérito. O STF já tem decisão anterior favorável ao PSD no mesmo pleito. O que caracteriza

Ler post
terça-feira 16/04/13

Articulação de Campos por novo partido revela determinação pela candidatura

No dia em que o plenário da Câmara dos Deputados prepara-se para votar o projeto de lei que barra a transferência do tempo de televisão e do fundo partidário aos novos partidos, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos – presidenciável do PSB – desembarcou em Brasília para comandar as articulações contra a proposta.  PMDB e

Ler post
domingo 17/03/13

O “Triângulo das Bermudas” do PSB: São Paulo, Rio e Minas

A construção dos palanques estaduais é um dos principais desafios do PSB para impulsionar a possível candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, à Presidência da República. Por ora, o maior problema é a ausência de nomes fortes nos três maiores colégios eleitorais: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, cujo eleitorado soma 58

Ler post