ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

08.janeiro.2014 16:34:24

O PT e a terceirização anônima da ofensa

De novo na pauta policial, com a decretação da prisão do deputado João Paulo Cunha (SP), ex-presidente da Câmara, o PT produz um daqueles episódios destinados a engrossar o catálogo de ações dos  “aloprados”..  Tornou-se recorrente no partido o recurso de atribuir a vândalos não autorizados ações premeditadas que têm endosso da direção.

Tão cômodo quanto surrado, o método reflete a dificuldade do partido em promover a mudança que seria natural após um escândalo com as consequências do mensalão. Mantém a estratégia do texto apócrifo, como os dossiês que confeccionou em diversos momentos da luta política recente, sempre com o intuito de desqualificar adversários para tangenciar o debate.

Agora foi a vez do governador Eduardo Campos (PSB-PE) e sua provável companheira de chapa na disputa presidencial, Marina Silva, atacados em página oficial do partido no facebook , sem que a direção desautorize o texto , mas dele se desvinculando. Não há crítica, mas ofensa, em tom infantil, como a raposa da fábula que desdenha o que seu limite animal a impede de alcançar.

O adesismo de que acusa Campos e Marina denota, no mínimo, dificuldade de compreender aquilo que vocaliza. O termo se ajusta a quem troca de posição para obter vantagem, entregando-se a uma zona de conforto que se mostrou mais forte que a determinação de enfrentar o que lhe parece errado.

Trocando em miúdos, o adesismo, na política, é comumente aplicado àquele que deixa a oposição para se beneficiar das facilidades atrativas de governos, especialmente em fase eleitoral. Não o contrário, caso de Campos e Marina que abriram uma dissidência quando os índices de aprovação da presidente Dilma Rousseff ainda habitavam a estratosfera.

De tanto valer-se do anonimato das redes, estimulado pela omissão do Estado em nome de uma pseudo liberdade de expressão, o PT fez migrar o método para sua página oficial, sem qualquer constrangimento. O que chama a atenção, mais que o conteúdo – este, sim, tolo -, é a falta de assinatura, de pessoa física ou institucional, num  reconhecimento do caráter imoral do gesto.

O partido passa recibo também do incômodo com a candidatura do PSB, que lhe tira o monopólio da esquerda, ainda que o conceito que põe o PSDB à direita seja realidade apenas como conveniência do partido de Lula. Mesmo no seu distorcido manual ideológico, o PSB não é encaixável à direita. É um incômodo dissidente.

Daí a tese do adesismo invertido: Campos e Marina, porém, ampliaram muito as suas dificuldades ao migrarem para a oposição, perdendo o conforto que poderiam ter no governo. O PT trai esse fato ao criticar Campos por não esperar por 2018, quando seria o candidato natural à sucessão de Dilma.

O que é puro diversionismo. O PT não inspira confiança em nenhum aliado. Não faz parte de seus mandamentos honrar  compromisso político, do que se queixam dezenas de vítimas de acordos descumpridos, entre elas fundadores da legenda decepcionados com o rumo fisiológico tomado pelo partido.

O episódio do facebook compromete a cúpula do partido e justifica a suspeita retroativa para versão de desconhecimento sustentada para os episódios anteriores, que envolveram crimes como o de quebra do sigilo de adversários e de seus familiares, na confecção de dossiês falsos.

O termo “aloprado”, confirma-se agora, é uma esperta forma de blindar o partido das consequências, políticas ou legais, dos malfeitos de seus correligionários, viabilizando a ofensa sem o ônus de responder por ela.

A atitude da direção do PT está para a política como a dos dirigentes de clubes para a violência nos estádios: ambos fingem não saber – e negam estimular – o que seus militantes/torcedores fazem.

A diferença é que no futebol os clubes começam a ser punidos pelas ações de seus torcedores.

Tags: , , , ,

Comentários (7) | comente

  • A + A -
7 Comentários Comente também
  • 09/01/2014 - 11:12
    Enviado por: Gualter Loureiro

    Outro dia um cientista político dizia que partidos transformam política em espetáculo, há de se lembrar uma característica de política fascista, mas nenhum deles faz isso melhor que o PT.
    Ai está, sem como contestar, no site oficial onde destila sua visão populista e seu discurso falacioso que já não tem programa político sério para o país.
    Eduardo Campos para presidente. A melhor opção para o Brasil.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 09/01/2014 - 12:06
    Enviado por: P.Brasil

    É muito ingênuo se pensar que os ataques pessoais aos adversários são episódios e condutas de “aloprados”. Na verdade, é produto de uma orientação velada do PT, do seu grupo dominante, daqueles que ideologicamente lutam pelo monopartidarismo, uma odiosidade aos princípios democratas. Para eles, democracia só é boa como meio de chegar ao poder; depois disso, vale tudo para se manter no poder. Também é muita tolice imaginar que, ao atribuir a “aloprados” essas atitudes vai mesmo blindar o partido das consequências; o tempo dirá.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 09/01/2014 - 12:28
    Enviado por: Edson

    O PT é um partido que assusta demais a DEMOCRACIA, pois não se cansa de atacá-la, manipulá-la, icom tentativas de limitar a participação de novas lideranças no processo eleitoral via cooptação ou compra de partidos, se a justiça que decide contra eles atacam o Judicário, se, a imprensa os analisa em postura e crítica, tentam amordaça-la. Partido arrogante, prepotente. se acha único dono da verdade acusou o PSDB de rifar o Patrimônio Público via Privatização e agora PRIVATIZA tudo DESCARADAMENTE e pra onde esta indo o dinheiro das privatizações, não vejo melhora na Saúde, Educação, Segurança, mas a Corrupção para esta sim o cé e o limite. Sua militância de 400 mil tão propagada não passa de 400 mil funcionários espalhados pelo governos em cargos públicos, cujo medo de perder a boquinha é a motivação da mobilização.Enfim um partido que não trabalha pelo Brasil e sua Nação, trabalha somente por si por si e para si.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 09/01/2014 - 12:48
    Enviado por: Olmir

    As últimas ocorrência em certo estado do norte são por demais preocupantes preocupante, até merecemos chamados de atenção internacional, até agora não se noticiou nada a respeito de intervenção, quer seja devido a atentados, mortes, desviou de recursos públicos e ou desperdícios, onde esta o poder central, porque não exerce sua obrigação, parece ter alguma força impedindo a nossa maior autoridade em fazer que se cumpra o estabelecido, o respeito a lei e a ordem. O que esta valendo realmente é aos acordos, conchavos, coisas do gênero e a qualquer custo e ou ordem, é ruim, mas política tem indo muito por esse caminho, lamentável, até merecemos receber os puxões de orelha.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 09/01/2014 - 14:25
    Enviado por: lingua de trapo

    Sim , menos os Curinthianus! que muito devem ao PT!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 09/01/2014 - 15:40
    Enviado por: P.Brasil

    Prezado Bosco, por que você não publica os comentários?
    Creio que existem milhões de brasileiros indignados que querem se manifestar.
    Escreva sobre o que há em comum entre a Pedrinhas, o Whisky, as lagostas e o caviar de Roseana Sarney. Um afronto, embora não tão comum nesta terra.

    responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

Arquivo

Seções

Blogs do Estadão

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo