1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

JOÃO BOSCO RABELLO está no jornalismo político desde 1977, em Brasília, onde participou da cobertura do período que vai da abertura do regime militar à Assembléia Nacional Constituinte de 88, passando pela redemocratização, com a eleição e morte de Tancredo Neves, o primeiro governo civil, de José Sarney e os que o sucederam.

Iniciou sua carreira em 1974, no extinto Diário de Notícias, no Rio de Janeiro (RJ). Transferiu-se para Brasília (DF), em 1977, onde alternou as funções de repórter político,coordenador, editor e diretor de sucursal, no Correio Braziliense, Empresa Brasileira de Notícias, O Globo, Jornal do Brasil e o Estado de S.Paulo (1990/2013), nessa ordem.

É responsável também pelo conteúdo de análise política do serviço em tempo real Broadcast, da Agência Estado.

sexta-feira 29/01/10

Estafa de campanha

Com todo o respeito - e os melhores e mais sinceros votos de pleno restabelecimento ao presidente Lula - o diagnóstico médico de excesso de trabalho como causa de sua hipertensão, se traduz por uma estafa decorrente da combinação de agenda oficial e campanha eleitoral. Trocando em miúdos, a agenda do presidente da República está sendo cumprida dentro de um avião, que se desloca pelos quatro cantos do país, levando o chefe da Nação a lançamentos, inaugurações e eventos diversos, de ...

Ler post
sexta-feira 29/01/10

O MST criminaliza o MST

As novas revelações sobre o episódio de invasão da fazenda Cutrale pelo MST confirmam a perda de controle do governo sobre o movimento e a insustentabilidade do sistema de repasse de recursos sem prestação de contas, que vigora sob o lema de não se criminalizar movimentos sociais. O princípio perde sua validade na medida em que é o próprio MST o agente de sua criminalização. Os vídeos liberados pela polícia mostram que a reforma agrária virou justificativa para ações predatórias premeditadas. ...

Ler post
quarta-feira 27/01/10

Lula absoluto em PE; Serra depende de Jarbas

Foto: Ed Ferreira/AE

O presidente Lula cumpre hoje no Recife, com a ministra Dilma Rousseff a tiracolo, mais uma etapa da campanha eleitoral disfarçada de agenda oficial de trabalho. Chega com um quadro esmagadoramente favorável, de 100% de aprovação, que se somam aos 76% de seu anfitrião e aliado, o governador  Eduardo Campos, do PPS. [caption id="attachment_1279" align="aligncenter" width="450" caption="Lula e Dilma durante cerimônia de inauguração em PE. Foto: Ed Ferreira/AE"]Foto: Ed Ferreira/AE[/caption] É a décima visita de Lula, e ...

Ler post
quarta-feira 27/01/10

Relator tucano advogou para Arruda

Na CPI da Corrupção, repete-se o esquema em curso para a presidência da Câmara Distrital: sai um aliado de Arruda, o deputado Alirio Neto (PPS), contestado pelo seu partido, e entra outro, o radialista Geraldo Naves (DEM). Mais uma mudança para evitar qualquer mudança.

Comunicador, Naves odeia jornalistas. Já subiu à tribuna para desancar a imprensa, acusando-a de distorcer a cobertura sobre a corrupção em Brasília. Frequentemente briga com repórteres  nos corredores da Câmara. Seu padrão jornalístico é um programa chamado “Barra Pesada”, que explora o submundo do crime.

Na relatoria, outro aliado de Arruda, o tucano Raimundo Ribeiro, nada menos que seu ex-advogado. O PPS nacional, docemente constrangido, ainda impediu seu prestimoso filiado de presidir a farsa. O PSDB, nem isso.

Ler post
quarta-feira 27/01/10

Arruda mantém controle da Câmara

Wilson Lima, aliado de ocasião do GDF. Foto: André Dusek/AE

Logo mais a Câmara Distrital de Brasília elege o sucessor de Leonardo Prudente, deputado que renunciou para garantir ao governador José Roberto Arruda o controle do processo de seu impeachment. Salvo por uma improvável ação do imponderável, o governador continuará dando as cartas. A disputa será apenas para definir qual, entre tantos integrantes de uma maioria folgada, Arruda prefere para presidir seu julgamento. Ao que tudo indica, este se chama Wilson Lima, do PR, cujo perfil é o de aliado do ...

Ler post
segunda-feira 25/01/10

Avanço de Dilma reforça Gabeira no Rio

O empate técnico entre José Serra e Dilma Rousseff, no Rio, divulgado no final de semana pela TV Bandeirantes, causa uma euforia compreensível no PT. Mas, considerando algumas circunstâncias, é um número até animador para o PSDB. A pesquisa, do Vox Populi, indica 27 a 26 para Serra e Dilma, respectivamente, e incluiu o candidato Ciro Gomes, que obteve 14% das intenções de votos. Mas analistas do instituto Vox Populi atribuem o empate técnico à alta popularidade do presidente Lula no Rio de Janeiro, que alcançou 70% de ...

Ler post
quarta-feira 20/01/10

O STF a reboque dos fatos

Ministro Toffoli: pedido de informações em pleno recesso. Foto: André Dusek

A rapidez com que o juiz Álvaro Ciarlini decidiu pelo impedimento do deputado Leonardo Prudente para continuar no cargo de presidente da Câmara Distrital, contrasta com a lentidão do Supremo Tribunal Federal em relação ao governador José Roberto Arruda. [caption id="attachment_1216" align="aligncenter" width="450" caption="Ministro Toffoli: pedido de informações em pleno recesso. Foto: André Dusek "]Ministro Toffoli: pedido de informações em pleno recesso. Foto: André Dusek  [/caption] Tramita no STF uma ação em que o Procurador Geral ...

Ler post
terça-feira 19/01/10

Oposição favorece Arruda

Agnelo viu primeiro os vídeos, mas não contou pra ninguém. Rafael Meddermeyer/AE

É notório o consenso formado nos bastidores políticos de Brasília pela permanência do governador José Roberto Arruda até o final de seu mandato. A aparente inércia da oposição é a estratégia do corpo mole para evitar um mandato-tampão, que a essa altura a ninguém interessa. [caption id="attachment_1195" align="aligncenter" width="450" caption="Agnelo viu primeiro os vídeos, mas não contou pra ninguém. Rafael Neddermeyer/AE"]Agnelo viu primeiro os vídeos, mas não contou pra ninguém. Rafael Meddermeyer/AE[/caption] Com ...

Ler post
sexta-feira 15/01/10

Fogo amigo

Em campanha eleitoral, um gesto (ou a falta de), uma palavra, uma  frase infeliz, qualquer um desses deslizes pode ser fatal a um candidato. A história política brasileira é pródiga em exemplos. A entrevista do presidente do PSDB, Sérgio Guerra, à revista Veja, prevendo mudanças no modelo econômico em caso de vitória nas eleições presidenciais, inclui-se entre essas sandices vetadas a políticos com sua experiência. Guerra pregou a mudança de uma política econômica da qual os tucanos reivindicam a paternidade para retirar ao governo Lula ...

Ler post