1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Obras para a Copa de 2014 foram as que mais sofreram atrasos em quase 40 anos

Jamil Chade

05 janeiro 2014 | 09:56

Fifa admite que Copa terá de conviver com novas manifestações

 

GENEBRA - Joseph Blatter, presidente da Fifa, começa o ano com um recado muito claro ao Brasil: nunca uma preparação para um Mundial sofreu tantos atrasos como no caso do País desde que ele trabalha na entidade. O suíço assumiu suas funções na entidade em 1975 e, em 1998, passou a ocupar a presidência.

Em uma entrevista publicada neste fim de semana no jornal suíço 24 Heures, o cartola insiste que o Brasil finalmente se deu conta do desafio de estar com tudo preparado para o Mundial. Mas alerta que isso ocorreu de forma tarde. “O Brasil acaba de tomar consciência do que é (a Copa). Eles começaram tarde demais”, disse. “É o País mais atrasado desde que eu estou na Fifa e, portanto, foi o único que tinha tanto tempo – sete anos – para se preparar”, disse Blatter.

A entrega dos estádios foi repetidamente adiada, com dúvidas sobre os testes em vários deles. Os aeroportos não estarão prontos e muitas das obras de infra-estrutura ficarão prontas apenas depois da Copa. Isso sem contar com os atrasos no Itaquerão por conta do acidente que matou dois operários.

O suíço também admite que a Fifa prevê novas manifestações nas ruas brasileiras durante a Copa do Mundo. Mas ele acredita que o “futebol estará protegido”. “Nós sabemos: teremos novas manifestações e protestos”, disse. “Os últimos, na Copa das Confederações, nasceram nas redes sociais. Não tinham objetivo, reivindicações reais. Mas durante a Copa, elas serão mais concretas, mais estruturadas. Mas o futebol será protegido. Não acredito que os brasileiros atacarão o futebol diretamente. No país deles (o Brasil), o futebol é uma religião”, completou.