1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

HUMBERTO DANTAS Cientista social, doutor em ciência política, professor do Insper e da FESP-SP, e colunista da Rádio Estadão. EDER BRITO Jornalista, mestre em administração pública, servidor público em São Paulo e coordenador de projetos da Oficina Municipal. CAMILIA TUCHLINSKI Jornalista, radialista, apresentadora e repórter da Rádio Estadão. Cobre assuntos gerais. Observadora e curiosa sobre a política nacional.
sexta-feira 31/01/14

No reino das homenagens

Se por um lado crises parecem fadar determinados assuntos às trevas, por outro jogam luz sobre certas realidades. O Maranhão que agoniza com a questão dos presídios se transforma rapidamente em objeto de estudo de analistas e foco central do olhar de tantos cidadãos. Aqui não poderíamos ficar indiferentes. E uma curiosidade nos chama a atenção: por lá parece vigorar um desejo expressivo de prestar homenagens, sobretudo, a políticos vivos. Pelo menos cinco ex-mandatários do Executivo estadual dão nome à ...

Ler post
quarta-feira 29/01/14

Testinha laranja

Por Eder Brito São inúmeros os meandros da política partidária e muitos os cuidados que um Prefeito precisa tomar ao assumir o cargo. Francisco Pereira de Souza (PDT), atual Prefeito de Poá-SP, popularmente conhecido como Testinha descuidou de um aspecto que certamente não é prioridade de muitos candidatos eleitos ao mais alto cargo da esfera municipal: as cores-símbolo de sua gestão. Segundo a interpretação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Testinha abusou da cor laranja logo que assumiu a ...

Ler post
segunda-feira 27/01/14

E vai rolar a festa!

Quando o jornal o Estado de S. Paulo mostrou que o governador Cid Gomes empenhou R$ 410 mil do orçamento de 2012 para a contratação de empresa especializada em pirotecnia para suas inaugurações e festejos logo pensei nos absurdos gastos em homenagens nesse país. O que muitos servidores, sobretudo os aduladores de plantão, chamam de procedimentos de praxe, nós deveríamos questionar e condenar. O recurso público é sagrado, mas ainda vemos casos como aquele da contratação de Ivete Sangalo por ...

Ler post
sexta-feira 24/01/14

Entre pontes e pinguelas

Pontes ligam pontos, normalmente afastados por algo que inviabilize ou dificulte a construção de uma estrada, rua ou avenida. Assim, façamos uma ponte desse blog com o blog de meu colega de portal e rádio Guga Chacra. Por lá lemos recentemente que as chances de o governador de Nova Jersey ser o candidato republicano à presidência do país em 2016 diminuíram por conta do que podemos chamar de uma sabotagem arquitetada, no mínimo, por uma pessoa de sua equipe e um amigo de infância que ele lotou na diretoria da empresa responsável pela administração de uma das pontes mais movimentadas do mundo: a George Washington. É isso mesmo, nos Estados Unidos amigos também são indicados para cargos públicos. De acordo com e-mails descobertos a assessora e o brother do governador decidiram fechar duas pistas da tal conexão viária em represália ao fato de o prefeito democrata de Fort Lee não lhe dar apoio nas eleições. Na comunicação, os aloprados do norte riem do caótico trânsito e se divertem com os males causados às crianças que se atrasaram para as aulas. Guga afirma que no Brasil não há escândalo parecido. Será?

 

Em maio de 2007 o repórter Valdo Cruz, da Folha de S. Paulo, afirmava que a Operação Navalha, da Polícia Federal, não lhe espantava pela prisão de corruptos acusados de desvios de verbas do PAC envolvendo agentes públicos e a Construtora Gautama. O que lhe assustava era a imagem de uma ponte incapaz de ligar um ponto a outro. Ela simplesmente havia sido construída para dizer que recursos públicos foram utilizados. De um lado nada de estradas, do outro idem. Mas onde isso ocorreu? Em Tutóia, no Maranhão. Pertinho dali, Barreirinhas. Recentemente, um piloto de moto paulista acostumado com aventuras estradeiras e com a poeira dos ralis percebeu que a pobreza do local contrastava com um excessivo número de luxuosos veículos 4×4. Como sua moto também chamava a atenção, o dono de um dos carrões puxou assunto. Feitos os elogios mútuos aos belos veículos, veio a indagação do forasteiro sobre as belas pontes da região: “ao invés de construir esses monstros, os prefeitos não poderiam pensar em escolas, creches, saneamento e coisas do tipo?”. “Nada disso!” respondeu o local, filho de um político. “Se resolvermos problemas dessa natureza, o governo federal desiste de mandar recursos para a cidade”, emendou.

 

Diante do diálogo, as barreirinhas parecem ser de caráter e Guga tem a mais absoluta razão. É pouco provável que no Brasil exista um escândalo como aquele revelado em Nova Jersey. Se por aqui existem pontes que não ligam nada a lugar algum, “sabiamente” elas parecem proteger nossas crianças e tantos outros cidadãos das sabotagens de Nova Jersey. Detalhe: falo das pontes de concreto e não das pinguelas políticas que ligam fisiologicamente os mais diferentes representantes e seus interesses escusos e pouco razoáveis! Essas são firmes e inabaláveis, surgindo apenas como barreirinhas à democracia e à cidadania.

Ler post
quarta-feira 22/01/14

Sarney e o Amapá do Maranhão

Por Eder Brito Enquanto outro corpo é encontrado no presídio de Pedrinhas e detentos são transferidos para prisões federais, o país volta as atenções para o Maranhão. E sempre parece impossível não associar o nome do estado ao da família Sarney, clã que governa o território e influencia as decisões políticas de vários municípios da região. Tão complexo quanto tentar entender os atuais desafios da segurança pública por lá é a tarefa de assimilar o histórico de José de Ribamar Ferreira ...

Ler post
segunda-feira 20/01/14

O benefício miou!

Não adianta corrigir o texto. É com a letra “S” mesmo que escrevemos o nome do prefeito de Antônio João, no Mato Grosso do Sul. Falamos de Selso Lozano, político do PT que venceu o pleito de 2012 numa coligação que tinha tanto partido de direita que assustaria quem pauta suas análises em vertentes ideológicas nacionais. Lá estavam: o PRB, o PTB, o PR, o DEM, o PSD e mais seis nanicos classificados como direitistas pela Ciência Política no Brasil. ...

Ler post
quarta-feira 15/01/14

Nessa longa estrada da vida…

As principais leis que regem a comunicação dos governantes com a sociedade estão contidas nos códigos eleitorais. Além de atender princípios constitucionais, o intuito é conter abusos nas eleições. Políticos adoram “investir” dinheiro em estratégias de comunicação que têm uma relação direta com a época de pedirem votos. Dizem os especialistas que é assim pelo mundo, mas aqui nossa cultura permite exageros. A justiça, que poderia punir, pouco faz de racional. Não podemos dizer que políticos não foram condenados por ...

Ler post
segunda-feira 13/01/14

‘Pelas caridades’!

No Brasil o pacto federativo é alvo de questionamentos antes mesmo de o país se tornar uma nação legalmente federativa. O legalmente é importante na frase, pois há quem diga que a despeito do caráter formal daquilo que nos caracteriza desde o fim do século XIX é impossível pensar num federalismo com a distribuição de recursos que temos até hoje. Assim, antes de o golpe militar de 1889 expulsar a família real do poder, a princesa Isabel já reclamava mais ...

Ler post