1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Síria vira palco de duas Guerras Frias (EUA x Rússia & Irã x Arábia Saudita)

Gustavo Chacra

segunda-feira 06/02/12

no twitter @gugachacra

Veja como funciona o novo sistema de comentários dos blogs do Estadão.com.br

Sem a ONU, duas idéias paralelas passam a competir para lidar com a crise na Síria. De um lado, está o bloco dos EUA, França, Reino Unido, países do Golfo Pérsico e Turquia. Eles passarão a armar a oposição, isolar cada vez mais o regime através de medidas como o fechamento da embaixada americana em Damasco hoje e, em breve, reconhecimento da oposição como o governo sírio no exílio, provavelmente com sede em Istambul.

Com este armamento e treinamento, que já existe, mas ampliando para uma escala muito maior, os EUA e seus aliados esperam que os opositores controlem pelo menos uma parte do território, que seria transformado em uma espécie de Benghasi. Mesmo sem o aval da ONU, seria criada uma zona de exclusão aérea nesta área, provavelmente próxima a Turquia.

Ao mesmo tempo, haverá cada vez mais incentivos para que membros do regime, em especial o vice Farouq al Shaara, dêem um golpe em Bashar al Assad, e aceitem dialogar com a oposição em uma transição.

O outro bloco, da Rússia e da China, tentará convencer Assad a acelerar as reformas, dialogando com uma oposição mais branda, não armada, de Damasco. Também tentarão, a partir de amanhã, com a visita de Sergey Lavrov à Síria, convencer o líder sírio a deixar o país em uma transição controlada pelo regime, sem o envolvimento do Ocidente, na qual Moscou, Teerã, Hezbollah e Pequim não teriam seus interesses afetados. Mais importante, Putin, e não Obama, sairia como vitorioso nesta crise Síria.

Independentemente de quem suceder, eu mantenho a previsão de que a Síria terá meses ou mesmo anos de guerra civil de caráter sectário, com a morte de milhares de pessoas. No fim, como no Líbano, Bósnia ou Iraque, haverá um acerto de divisão sectária de poder em uma democracia frágil.

E, mais importante, os olhos do mundo, quando isso acontecer, já estarão na Jordânia.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacio