1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Os EUA devem se aliar a Assad para combater o ISIS?

Gustavo Chacra

segunda-feira 25/08/14

O regime de Bashar al Assad, com o apoio da Rússia, se ofereceu para colaborar com os EUA e outros países nas ações para combater o ISIS (Estado Islâmico) dentro do território sírio. Uma série de analistas também avalia como sendo impossível derrotar o grupo ultra extremista no Iraque e na Síria sem haver uma coordenação com as forças de Assad.

Neste momento, a estratégia dos EUA para enfrentar o ISIS no Iraque possui três pilares.

. Bombardear alvos do grupo

. Armar os Pesh Merga, como são conhecidos os guerreiros curdos que servem como Exército da região autônoma do Curdistão

. pressionar Bagdá para formar um governo mais inclusivo no qual o Exército possa trabalhar em conjunto com líderes tribais sunitas nas áreas controladas pelo ISIS.

 Para a Síria, os EUA ainda estão começando a formular uma estratégia para bater de frente com o ISIS que inclui, por enquanto

. Bombardeios contra bases do ISIS

. Trabalho em conjunto dos curdos sírios, hoje relativamente autônomos e controlando território, com os curdos iraquianos

Mas, obviamente, será complicado derrotar o ISIS sem a ajuda de Assad. Há argumentos contra e a favor de uma aliança com Assad contra o ISIS

 Contra

 . Regime de Damasco é acusado pela ONU de cometer crimes contra a humanidade (parte dos 191 mil mortos da Guerra Civil da Síria é vítima das forças de Assad)

. Assad é aliado do Irã e do Hezbollah, inimigos dos EUA

. Ditadores em outros países se sentiriam mais livres para cometer massacres

 A Favor

 . O regime de Damasco já luta contra o grupo ultra extremista e seria uma das duas únicas opções para combater o ISIS no território iraquiano – a outra seria a Frente Nusrah, ligada à Al Qaeda

. O Irã já coordena com os EUA ações no Iraque e poderia agir da mesma forma na Síria

. Assad protege minorias religiosas, como os cristãos, drusos e alauítas

. EUA já são aliados de outros regimes acusados de crimes contra a humanidade, como o do Egito

. Assad cumpriu a promessa de entregar para os EUA destruírem todos os armamentos químicos e assinar o Tratado de Banimento de Armas químicas (o regime, porém, teria usado armamentos de origem química, mas não incluídos no acordo)

O principal argumento a favor é que os EUA não possuem muita alternativa a não ser trabalhar com Assad e certamente o farão, ainda que clandestinamente.

Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugacha

Tags: